Mon. Jul 15th, 2024

O que é um erro, e acho que não é saudável, é acreditar que o valor de uma série é determinado retroativamente pelo seu final, não importa o que veio antes dela. Porque isso promove uma ideia ainda mais triste: a de que é uma má jogada investir demais em qualquer história, porque isso pode eventualmente decepcioná-lo.

Uma ótima rotina de ginástica é perfeita. Uma grande obra de arte tem falhas memoráveis. Tem arestas ásperas e inacabadas que nunca param de irritar, não importa quantos anos elas rolem no copo de pedra do seu subconsciente.

O último episódio de “The Curse”, por exemplo, pode ter sido ao mesmo tempo o final de TV mais incrível e enlouquecedor que já assisti. No final desta desconfortável comédia dramática sobre casamento, o nadador doméstico Asher Siegel (Nathan Fielder) acordou e encontrou seu campo de gravidade pessoal invertido, uma longa sequência de pastelão kafkiana que terminou com sua queda para cima, para uma morte congelada em órbita.

O final foi brilhante ou pretensioso. Isso superou as expectativas dos telespectadores ou ficou estranho por causa da estranheza. O que absolutamente não fez foi manter o patamar. Literalmente fez o oposto, enviando seu protagonista para o espaço e deixando-nos esticar o pescoço para o céu e tentar dar sentido a isso. Ainda estou trabalhando nisso.

Essa é a outra coisa sobre o conceito de fixar o patamar: implica que o julgamento de um final é imediato e imutável. Assistimos, rabiscamos em nossos cartões de pontuação, declaramos a série dentro ou fora do panteão. (Não me fale sobre “o panteão”.)

Como crítico, talvez eu deva fingir esse tipo de finalidade. Mas eu sei que é mentira.

Fiquei comovido com o final de “Breaking Bad” quando foi ao ar; agora eu acho que foi… tudo bem, mas um final monótono, algo para todos, de uma série que atingiu o pico alguns episódios antes. Fiquei indiferente ao final de “Mad Men” e agora descobri que ele, como quase tudo nessa série, se comporta melhor quando assistido novamente do que talvez qualquer programa de sua época. Uma década depois, posso pelo menos apreciar o que “How I Met Your Mother” estava tentando dizer sobre abraçar segundas chances e não presumir que sua própria história acabou.

Já se passaram anos desde que essas séries terminaram e ainda não terminei com elas, nem elas terminaram comigo. Esta é pelo menos uma coisa boa sobre “Será que acertou em cheio?”: é uma pergunta sem sentido, mas dá-nos uma desculpa para ponderar e falar sobre coisas significativas. Talvez o que mais importe não seja a viagem nem o destino. É por onde deixamos nossas mentes viajarem depois de pousarmos.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *