Mon. Jul 22nd, 2024

Uma investigação não publicada da principal agência das Nações Unidas para assuntos palestinianos acusa Israel de abusar de centenas de habitantes de Gaza capturados durante a guerra com o Hamas, de acordo com uma cópia do relatório analisado pelo The New York Times.

O relatório foi compilado pela UNRWA, a agência da ONU que está no centro de uma investigação após acusações de que pelo menos 30 dos seus 13 mil funcionários participaram no ataque liderado pelo Hamas ao sul de Israel em 7 de outubro. que os detidos, incluindo pelo menos 1.000 civis posteriormente libertados sem acusação formal, foram mantidos em três locais militares dentro de Israel.

O relatório afirma que os detidos incluíam homens e mulheres com idades compreendidas entre os 6 e os 82 anos. Alguns, segundo o relatório, morreram na detenção.

O documento inclui relatos de detidos que afirmaram ter sido espancados, despidos, roubados, vendados, abusados ​​sexualmente e ter-lhes sido negado acesso a advogados e médicos, muitas vezes durante mais de um mês.

O rascunho do documento descreve “uma série de maus-tratos que moradores de Gaza de todas as idades, habilidades e origens relataram ter enfrentado em centros de detenção improvisados ​​em Israel”. Tal tratamento, concluiu o relatório, “foi usado para extrair informações ou confissões, para intimidar e humilhar e para punir”.

O relatório baseia-se em entrevistas com mais de 100 dos 1.002 detidos que foram libertados de volta a Gaza em meados de Fevereiro. O documento estima que outros 3.000 habitantes de Gaza permanecem detidos em Israel, sem acesso a advogados. As suas conclusões reflectem as de vários grupos de direitos humanos israelitas e palestinianos, bem como investigações separadas levadas a cabo por dois relatores especiais da ONU, todos os quais alegam abusos semelhantes dentro de centros de detenção israelitas.

O Times não conseguiu corroborar a totalidade das alegações do relatório. Mas partes dela coincidem com o testemunho de ex-detidos de Gaza entrevistados pelo The Times.

Um desses detidos, Fadi Bakr, 25 anos, um estudante de direito de Gaza que forneceu provas documentais de que tinha sido detido em Israel, disse ao The New York Times que foi brutalmente espancado durante a sua detenção em três instalações militares israelitas improvisadas.

Bakr disse que foi capturado na cidade de Gaza em 5 de janeiro e libertado no início de fevereiro. Ele disse que enquanto estava detido num local de detenção perto de Beersheba, no sul de Israel, foi espancado tão violentamente que os seus órgãos genitais ficaram azuis e, como resultado, ainda havia sangue na sua urina.

Bakr também disse ao The Times que os guardas o fizeram dormir nu ao ar livre, ao lado de um ventilador que soprava ar frio, e tocavam música tão alto que seu ouvido sangrava. Bakr disse que foi libertado depois que os militares pareceram satisfeitos por ele não ter ligações com o Hamas.

Israel disse que as detenções foram necessárias para encontrar e interrogar membros do Hamas após o ataque do grupo ao sul de Israel, que matou cerca de 1.200 pessoas e levou ao sequestro de cerca de 250 outras, segundo as autoridades israelenses. Israel diz que centenas de membros do Hamas foram capturados.

Apresentados às conclusões listadas num rascunho do relatório, os militares israelitas afirmaram num comunicado que alguns detidos tinham morrido na detenção, incluindo aqueles que tinham doenças e feridas pré-existentes, sem fornecer mais detalhes, e disseram que cada morte estava a ser investigado pela Polícia Militar. Os militares afirmaram que todos os maus-tratos eram “absolutamente proibidos” e negaram veementemente qualquer alegação de abuso sexual, acrescentando que todas as “queixas concretas relativas a comportamento inadequado são encaminhadas às autoridades competentes para análise”.

A declaração das Forças de Defesa de Israel afirmou que os cuidados médicos estavam prontamente disponíveis para todos os detidos e que os maus-tratos aos detidos “violam os valores das FDI”.

Os militares afirmaram que os seus soldados agiram “de acordo com o direito israelita e internacional, a fim de proteger os direitos dos detidos”. Afirmou também que tocava música apenas num “volume baixo”, para evitar que os detidos conversassem antes dos interrogatórios.

Os investigadores da UNRWA entrevistaram mais de 100 detidos que foram libertados sem acusação formal através do ponto de passagem de Kerem Shalom, na fronteira de Gaza. As suas conclusões foram então partilhadas com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

O escritório de direitos se recusou a comentar. A UNRWA confirmou a existência do relatório, mas disse que a sua redação não foi finalizada para publicação.

O papel da agência na sua criação provavelmente aumentará o escrutínio das conclusões do relatório. Há muito que Israel acusa a agência de operar sob a influência do Hamas, doutrinar os habitantes de Gaza com propaganda anti-Israel e fechar os olhos à actividade militar do Hamas – todas alegações que a UNRWA nega.

Israel afirma que pelo menos 30 funcionários da UNRWA desempenharam um papel activo no ataque liderado pelo Hamas a Israel ou nas suas consequências, uma acusação que levou quase 20 países e instituições a suspenderem o seu financiamento, colocando em dúvida o futuro da agência. A UNRWA despediu vários funcionários e outro ramo das Nações Unidas abriu uma investigação independente.

Segundo o relatório, os detidos incluíam indivíduos com doença de Alzheimer, deficiência intelectual e cancro. O relatório afirma que muitos foram capturados no norte de Gaza enquanto se abrigavam em hospitais e escolas ou quando tentavam fugir para o sul. Outros eram habitantes de Gaza com autorização para trabalhar em Israel, que ficaram retidos e mais tarde detidos em Israel após o início da guerra.

Alguns detidos, de acordo com o relatório, disseram aos investigadores da UNRWA que tinham sido frequentemente espancados em feridas abertas, tinham sido mantidos durante horas em dolorosas posições de stress e tinham sido atacados por cães militares. Muitos dos detalhes correspondem a relatos fornecidos diretamente ao The New York Times por detidos recentemente libertados.

Tanto homens como mulheres detidos relataram incidentes de abuso sexual, segundo o relatório. Alguns detidos do sexo masculino disseram que foram espancados nos órgãos genitais, segundo o relatório. Algumas mulheres disseram que experimentaram “toques inapropriados durante buscas e como forma de assédio enquanto estavam vendadas”, de acordo com o relatório. Acrescentou que alguns relataram ter de se despir diante de soldados do sexo masculino durante as buscas e foram impedidos de se cobrirem.

Os advogados defensores dos direitos humanos dizem que é difícil localizar os detidos no sistema israelita e descrevem a situação como uma forma de detenção em regime de incomunicabilidade. Ao abrigo da legislação aprovada desde o início da guerra, os detidos capturados em Gaza não têm direito a consultar um advogado durante um período máximo de 180 dias.

Advogados do HaMoked, um grupo de direitos humanos israelense, disseram que conseguiram entrar em contato brevemente com alguns moradores de Gaza detidos por telefone, quase por acaso, depois de ligar para uma base militar em Jerusalém e perguntar se os detidos estavam na base.

Bilal Shbair contribuiu com reportagens de Rafah, Gaza; Rawan Sheikh Ahmad de Haifa, Israel; e Gabby Sobelman de Rehovot, Israel.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *