Wed. Jun 19th, 2024

Os militares israelenses invadiram na quinta-feira o maior hospital ainda em funcionamento na Faixa de Gaza, no que chamaram de busca por combatentes do Hamas e pelos corpos de reféns. Muitas pessoas que procuraram abrigo lá foram forçadas a fugir do combate mais uma vez.

Explosões e tiros abalaram o hospital na cidade de Khan Younis, o Complexo Médico Nasser, antes do ataque antes do amanhecer, matando e ferindo várias pessoas, incluindo pelo menos um médico e um paciente, segundo um médico local, bem como a instituição de caridade Médicos Sem Borders, que contava com funcionários do hospital, e autoridades de saúde de Gaza. As alegações específicas de vítimas, tal como muitas afirmações no conflito, não puderam ser imediatamente confirmadas.

Vídeos postados nas redes sociais na quinta-feira e mensagens de voz enviadas por médicos durante a noite, antes e depois das forças israelenses romperem o muro do perímetro e entrarem no complexo, retrataram cenas de caos e medo dentro do hospital danificado e cheio de fumaça, pontuadas por tiros automáticos, explosões e gritos.

Um vídeo, verificado pelo The New York Times, mostrou danos ao hospital e pessoas feridas sendo levadas às pressas por um corredor cheio de fumaça entre escombros em meio a sons de tiros. Testemunhas disseram que centenas de pessoas – possivelmente milhares – mais tarde formaram longas filas enquanto as tropas israelenses as examinavam, algumas de cada vez, para evacuação.

Os militares israelenses disseram ter detido dezenas de pessoas, mas não disseram quem ou por quê.

“Temos informações confiáveis ​​de diversas fontes, inclusive de reféns libertados, indicando que o Hamas manteve reféns no hospital Nasser em Khan Younis, e que pode haver corpos de nossos reféns nas instalações do hospital Nasser”, disse o contra-almirante Daniel Hagari. , o principal porta-voz dos militares israelenses, disse em uma declaração de vídeo.

Os militares não informaram se foram encontrados reféns ou combatentes do Hamas. Ashraf al-Qudra, porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza, disse que as forças israelenses usaram escavadeiras para cavar sepulturas nas dependências do hospital.

Durante dois dias antes do ataque, as forças israelitas que cercavam o centro médico tinham dito aos deslocados através de altifalantes para evacuarem, sinalizando que um ataque estava a caminho, embora grupos internacionais de direitos humanos e médicos alertassem para consequências terríveis. Alguns dos palestinos que ali se refugiaram partiram, mas outros disseram que era muito perigoso – alguns tentaram e disseram que tiros e ataques aéreos os forçaram a voltar atrás.

Médicos e autoridades de saúde disseram que algumas pessoas que tentaram fugir na terça-feira foram mortas. Solicitados a comentar, os militares israelenses não responderam às alegações específicas sobre pessoas sendo atacadas.

“Realmente não sabemos o que fazer”, disse um jornalista local, Mohammed Salama, num vídeo publicado na quarta-feira nas redes sociais. Ao fundo, pessoas faziam fila com sacos de pertences para deixar o hospital, mas ele disse que as pessoas que tentaram evacuar foram forçadas a permanecer nas filas dos postos de controle por horas.

Os militares israelitas afirmaram na quinta-feira que abriram um “corredor humanitário” para as pessoas que saem do hospital, mas mesmo assim testemunhas que fugiram disseram que foi uma experiência angustiante e perigosa.

Autoridades de Gaza disseram que cerca de 300 profissionais de saúde, 450 pacientes feridos e 8 mil pessoas deslocadas de suas casas em outras partes do território estavam nas dependências do hospital quando a semana começou. Não estava claro quantos ainda estavam lá na manhã de quinta-feira.

Ao mesmo tempo que tenta esmagar o Hamas em Gaza, Israel também enfrenta um conflito com o Hezbollah, um grupo apoiado pelo Irão baseado no Líbano, que intensificou o lançamento de foguetes contra Israel em solidariedade com o Hamas. Os dois lados trocaram dezenas de ataques através da fronteira norte de Israel desde outubro, e ambos ameaçaram uma nova escalada. As autoridades norte-americanas aconselharam calma, tentando evitar a abertura de uma segunda frente de guerra de pleno direito.

As forças israelenses realizaram vários ataques aéreos no Líbano na quinta-feira, um dia depois de uma série de ataques que a mídia estatal libanesa disse ter matado 10 civis, e que o Hezbollah disse ter matado vários de seus combatentes.

O ataque ao hospital Nasser foi “uma operação precisa e limitada”, conduzida por “forças especiais que receberam treino especial para esta missão”, disse o almirante Hagari. As forças israelenses não disseram aos pacientes ou à equipe médica para saírem, acrescentou, dizendo que Israel, na verdade, queria que o hospital continuasse funcionando.

Mas, segundo vários relatos, a maioria dos profissionais médicos e pacientes evacuaram. Salama disse que as tropas israelenses estavam dizendo aos médicos para partirem, embora não pelo mesmo caminho que os outros. Os Médicos Sem Fronteiras afirmaram num comunicado que “a nossa equipa médica teve de fugir do hospital, deixando pacientes para trás” e que “um dos nossos colegas foi detido” pelos israelitas.

A doutora Islam Sawaly, médica de Nasser, disse que ela e um grupo de outras pessoas deixaram o hospital por volta das 3 da manhã e caminharam por mais de quatro horas por uma estrada escura e cheia de buracos. “Caímos em valas de esgoto”, disse ela. Finalmente, chegaram à zona de Miraj, entre Khan Younis e Rafah, a cidade ao longo da fronteira com o Egipto onde mais de um milhão de habitantes de Gaza procuraram refúgio.

Os Médicos Sem Fronteiras disseram que apenas os pacientes mais doentes ficaram em Nasser, embora o número não seja claro. Em notas de voz compartilhadas pelo grupo, um médico do hospital, cujo nome foi omitido para sua segurança, disse que as tropas israelenses ordenaram que todos os funcionários e pacientes restantes ficassem em um prédio, o mais antigo do complexo, e que apenas cerca de 40 funcionários restaram. .

Antes do início da operação, um foguete atingiu o hospital por volta das 2h, matando um paciente em sua cama e ferindo outras seis pessoas, disse o médico na mensagem de voz. Sawaly disse que outro ataque com foguete matou um médico e deixou outras duas pessoas queimadas, embora as autoridades de saúde de Gaza tenham afirmado que o médico ficou ferido, mas não morreu.

Os hospitais têm sido um ponto crítico durante a guerra que começou com o ataque liderado pelo Hamas a Israel, em 7 de outubro, que as autoridades israelenses dizem ter matado cerca de 1.200 pessoas e feito mais de 250 reféns, dos quais mais de 130 ainda estão detidos em Gaza. As conversações mediadas pelo Egipto e pelo Qatar, sobre um cessar-fogo e a libertação dos restantes reféns, estão em curso esta semana no Cairo, mas os dois lados parecem estar distantes.

Israel tem enfrentado uma condenação internacional generalizada pela sua conduta na guerra, que matou mais de 28 mil pessoas em Gaza, dizem as autoridades de saúde locais, e destruiu grande parte da infra-estrutura do enclave. Muitas dessas críticas centraram-se nos ataques a hospitais, mesquitas e escolas, que deveriam ser protegidos pelas leis da guerra.

Israel há muito que acusa o Hamas, que governa Gaza desde 2007, de usar esses locais como bases militares de facto e os civis que ali se encontram como escudos humanos – em si uma violação do direito internacional – apostando que é menos provável que sejam alvos directos. Em alguns casos, afirmam os israelitas, por baixo dessas instalações existem nós importantes na vasta rede de túneis do Hamas. O Hamas e os administradores hospitalares negam as alegações.

A maioria dos hospitais de Gaza deixaram de funcionar como hospitais. Aqueles que ainda o fazem estão superlotados, muitos foram danificados e carecem de suprimentos essenciais. Israel afirma ter garantido a entrega dos suprimentos necessários a Nasser; as Nações Unidas afirmam que Israel bloqueou essas entregas.

Israel ordenou repetidamente evacuações de civis, começando no norte de Gaza e avançando para o sul, deslocando muitas pessoas várias vezes e forçando-as constantemente a espaços mais lotados. Os palestinianos e os grupos de ajuda dizem que, entre bombas que caem, batalhas de rua e abastecimentos escassos, não há lugar seguro em Gaza.

Khan Younis, uma das principais cidades do sul de Gaza, tem sido o foco do combate terrestre há semanas, e as autoridades israelenses a descrevem como um reduto do Hamas.

Mais de metade dos cerca de 2,3 milhões de habitantes de Gaza procuraram refúgio em Rafah, muitos deles dormindo em abrigos e tendas improvisados. Autoridades israelenses disseram que os militares também acabarão entrando em Rafah com força.

O relatório foi contribuído por Rawan Sheikh Ahmad de Haifa, Israel; Ameera Harouda de Doha, Catar; Patrick Kingsley de Jerusalém, Adam Sella de Tel Aviv, Euan Ward de Beirute e Richard Pérez-Peña de nova York.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *