Mon. Jul 15th, 2024

Na maioria das manhãs antes da guerra, Suhail Al-Asaad, um fisiculturista, podia ser encontrado no balcão da sua cozinha na Cidade de Gaza, comendo uma omelete de oito claras de ovo antes de caminhar rapidamente ao longo da orla e ir para a academia para levantar pesos.

Essa orla marítima agora está em ruínas. Al-Asaad e a sua família, como tantos outros, foram deslocados das suas casas pelos intensos bombardeamentos e invasões de Israel e agora dormem numa tenda em Rafah, no sul da Faixa de Gaza. Ele passa os dias lutando para encontrar comida para si, sua esposa, seus três filhos e sua mãe doente.

O café da manhã, de qualquer tipo, é evasivo. Os ovos são um luxo.

À medida que a fome se abate sobre os 2,2 milhões de habitantes de Gaza, a sua frágil sobrevivência tornou-se um pouco mais difícil para muitos esta semana. A World Central Kitchen, o grupo de caridade fundado pelo chef José Andrés, suspendeu os seus esforços de socorro no local depois de sete dos seus trabalhadores terem sido mortos em ataques aéreos israelitas na segunda-feira. Desde o início da guerra em Gaza, em Outubro, disse o grupo de ajuda, foram entregues mais de 43 milhões de refeições no país.

Al-Asaad sabe que muitas pessoas dependiam das refeições do World Central Kitchen, que muitas vezes consistiam de arroz e feijão e, às vezes, de carne ou frango. Sua família raramente recebia as refeições “porque a demanda era maior do que a oferta”, disse Al-Asaad em entrevista na sexta-feira. Aqueles que os recebiam regularmente, acrescentou, teriam dificuldade em encontrar um substituto.

Sob pressão do Presidente Biden, Israel concordou em abrir mais rotas para comboios de ajuda, mas ainda não está claro quando isso poderá acontecer. Agências humanitárias e vários países dizem que estão a trabalhar no fornecimento de mais alimentos através das duas passagens da fronteira sul que têm estado em uso, mas alguns habitantes de Gaza duvidam que será suficiente para satisfazer a enorme necessidade, com muitas famílias a receberem agora pouco ou nada.

“Não consigo descrever nossa situação. Estamos agarrados à vida, e é isso”, disse Mohammad al-Masri, um contabilista de 31 anos que também está abrigado com a sua família numa tenda em Rafah.

“A ajuda nem sempre chega aos deslocados, exceto por muito pouca”, disse ele na sexta-feira via WhatsApp. “Quase tudo é vendido no mercado”, acrescentou, repetindo o que muitos moradores de Gaza têm dito há meses.

Sua família consegue comprar algumas carnes e vegetais enlatados e obter arroz e feijão em outra cozinha de caridade, disse ele.

Os lucros e um mercado negro activo pioraram as coisas. Em meados de março, Al-Asaad postou um pequeno vídeo em sua página do Instagram de dois ovos – tudo o que ele podia pagar – que ele havia acabado de comprar no mercado local por 10 shekels israelenses, cerca de 10 vezes o que costumavam custar. Sua família – seis pessoas – planejava cozinhar os ovos para a refeição iftar daquela noite, para quebrar o jejum do Ramadã.

“Os ovos custam mais que o ouro”, escreveu Al-Asaad, 45 anos, na legenda.

Tal como um número crescente de habitantes de Gaza, ele recorreu à criação de uma página GoFundMe pedindo doações para comprar alimentos e água potável.

“Entramos agora no sexto mês sem dinheiro, comida ou mesmo ajuda, todos disponíveis no mercado negro a preços elevados”, escreveu ele na sua página GoFundMe.

O Programa Alimentar Mundial, um braço das Nações Unidas, afirma que a fome é iminente no norte de Gaza. O número de pessoas em todo o enclave sitiado que enfrentam níveis catastróficos de fome é agora de 1,1 milhões, segundo o grupo.

A Organização Mundial da Saúde, também uma agência da ONU, informou esta semana que pelo menos 27 crianças morreram de desnutrição em Gaza.

Sexta-feira foi a última sexta-feira, dia sagrado para os muçulmanos, no Ramadã. Normalmente seria um dia de maior observância religiosa e preparação para as próximas festividades do Eid al-Fitr que marcam o fim do Ramadã. Mas al-Masri disse que não havia esse sentimento no acampamento onde ele vivia com centenas de milhares de outros palestinos.

“A maioria das pessoas jejua porque não há nada para comer”, disse ele. “Não sentíamos que fosse o Ramadã. Não houve nenhuma sensação de Ramadã este ano.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *