Mon. Jun 24th, 2024

O primeiro-ministro Viktor Orban está a pôr em risco a posição da Hungria como aliado de confiança da NATO, alertou na quinta-feira o embaixador dos EUA em Budapeste, com “a sua relação estreita e crescente com a Rússia” e com “mensagens antiamericanas perigosamente desequilibradas” nos meios de comunicação controlados pelo Estado.

O embaixador, David Pressman, criticou durante meses Orban por efetivamente se aliar ao presidente Vladimir V. Putin de Russa durante a guerra na Ucrânia, mas as suas últimas observações aumentaram drasticamente as tensões e indicaram que a confiança na Hungria entre os aliados da NATO tinha entrado em colapso.

A Hungria é “um aliado que se comporta como nenhum outro” e está “sozinho na questão que define a segurança europeia do último quarto de século, a guerra da Rússia na Ucrânia”, disse Pressman num discurso em Budapeste que marcou o 25º aniversário da admissão da Hungria. à aliança militar ocidental.

“Teremos de decidir a melhor forma de proteger os nossos interesses de segurança, que, como aliados, devem ser os nossos interesses de segurança colectiva”, acrescentou.

O discurso seguiu-se a uma visita na semana passada de Orban, um querido dos republicanos do MAGA nos Estados Unidos, a Donald J. Trump na casa do ex-presidente e no clube exclusivo para membros na Flórida. Após a reunião, Orban afirmou numa entrevista à televisão estatal húngara que Trump lhe tinha delineado um “plano bastante detalhado” para acabar com a guerra na Ucrânia, que envolveria uma interrupção abrupta da ajuda dos Estados Unidos ao vizinho em apuros da Rússia.

Um tal plano é muito semelhante ao que Orbán tem defendido para a União Europeia – uma suspensão de todo o apoio financeiro e militar à Ucrânia e uma política de empurrar o governo de Kiev para negociações de paz imediatas com Moscovo.

Isso, disse Pressman, “não é uma proposta de paz; é capitulação.”

O embaixador detalhou um catálogo de queixas sobre a forma como a Hungria não cumpriu as suas obrigações como aliada. Estas incluíam o que ele disse ser uma recusa do governo de Orban em permitir que soldados americanos baseados na Hungria obtivessem matrículas para os carros das suas famílias, em violação de um acordo de cooperação de defesa entre os dois países.

“É claro que este discurso não é sobre matrículas, mas esta questão é indicativa do estado atual e preocupante do relacionamento da Hungria com os seus aliados”, disse ele. “Trata-se de um governo que rotula e trata os Estados Unidos como adversário, ao mesmo tempo que faz escolhas políticas que o isolam cada vez mais de amigos e aliados.”

Numa visita ao Irão no mês passado, o ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, cada vez mais antiamericano, Peter Szijjarto, denunciou Pressman como “o líder da oposição húngara” numa entrevista à agência estatal de notícias da República Islâmica.

Atacar Pressman e a administração Biden em geral tornou-se uma característica regular das relações da Hungria com Washington, que frequentemente acusou Orbán de retroceder na democracia e de ignorar as preocupações dos seus aliados.

“Devemos levar a sério as preocupações sobre as questões de segurança expressas pelos aliados, e não usá-las como alavanca para garantir objectivos políticos não relacionados e paroquiais”, disse Pressman na Universidade Central Europeia em Budapeste, uma instituição que transferiu a maior parte do seu ensino para Viena em vizinha Áustria em 2018, sob pressão das autoridades húngaras.

O tratado fundador da OTAN de 1949 não inclui nenhum mecanismo para a expulsão de um membro e deixa a decisão de aderir ou sair ao critério de cada Estado-Membro. As sondagens de opinião indicam um forte apoio entre os húngaros à permanência na aliança e Orbán insistiu que não deseja retirar-se.

Alguns responsáveis ​​dos Estados Bálticos, entre os mais fervorosos apoiantes da Ucrânia, levantaram questões sobre se a Hungria deveria ser forçada a sair da NATO, mas responsáveis ​​e diplomatas americanos nunca levantaram publicamente essa possibilidade.

Pressman disse que “as preocupações legítimas de segurança – partilhadas pelos 31 Aliados da Hungria – não podem ser ignoradas”, mas não chegou a apelar à saída da Hungria.

Respondendo às repetidas denúncias húngaras do Presidente Biden e dos colegas líderes da UE de Orbán como “fomentadores da guerra” devido ao seu apoio à Ucrânia, Pressman disse: “A política húngara baseia-se na fantasia de que desarmar a Ucrânia irá deter Putin. A história mostra que faria o contrário.”

Embora os laços da Hungria com Washington e a maioria das capitais europeias tenham se desgastado, o país cultivou relações calorosas não só com a Rússia, da qual depende para o fornecimento de gás natural e ajuda na construção de uma nova central nuclear, mas também com uma série de outros países autoritários. incluindo Bielorrússia, China e Irão.

Os laços da Hungria com o Irão e a China podem minar o cálculo que sustenta as suas relações combativas com a administração Biden – que Trump vencerá em Novembro e inaugurará uma nova era de hostilidade à Ucrânia e de amizade com Orbán.

“Não há ninguém melhor, mais inteligente ou melhor líder do que Viktor Orbán. Ele é fantástico”, disse Trump na semana passada.

Orbán tem sido igualmente enérgico em seus elogios a Trump. “Chegou a hora de outra presidência do tipo ‘Tornar a América Grande Novamente’ nos Estados Unidos”, disse ele no mês passado, no seu discurso anual sobre o estado da nação, em Budapeste.

Pressman insistiu que a política dos Estados Unidos transcendia a política partidária, observando que a administração Trump também questionou a aproximação da Hungria a Moscovo, particularmente a sua decisão de permitir que uma obscura instituição financeira russa, o Banco Internacional de Investimento, abrisse em Budapeste com ampla imunidade diplomática.

Autoridades de segurança ocidentais dizem que essa medida permitiu a espionagem russa e a lavagem de dinheiro. A Hungria retirou o seu apoio ao banco depois de a administração Biden lhe ter imposto sanções.

“Embora o governo Orban possa querer esperar o governo dos Estados Unidos, os Estados Unidos certamente não esperarão a administração Orban”, disse Pressman, “Enquanto a Hungria espera, nós agiremos”.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *