Sat. Jun 15th, 2024

Estou arrasado ao ver a Condé Nast transformando a revista de música online Pitchfork na GQ. Não tentarei melhorar os elogios já escritos para o site (Casey Newton e Eric Harvey têm bons). Mas ainda hoje, se você olhar para a primeira tela do meu iPhone, abaixo do aplicativo The New York Times e à esquerda do aplicativo Notes, mantenho um bloco que é apenas um link direto para a página de resenhas musicais do Pitchfork. É um dos poucos cantos da internet que ainda amo, não importa quantas vezes eu esteja em desacordo. Discordar faz parte da delícia! A escrita é linda, os revisores enciclopédicos, o ponto de vista estimulante.

Já vi alguns textos bem elaborados sobre por que o Pitchfork não conseguiu comparecer. Mas muitas autópsias quando um local querido (ou não tão querido) entra em colapso são muito específicas. Nesse caso, eles são específicos das escolhas editoriais e da posição de mercado da Pitchfork. Tudo bem se a queda do Pitchfork fosse isolada. Mas estamos vendo uma grande parte desse tipo de publicação fechar ou cortar pessoal e ambições.

A Sports Illustrated acabou de demitir a maior parte de seu pessoal. O BuzzFeed News desapareceu. O HuffPost encolheu. Jezabel foi encerrada (depois parcialmente ressuscitada). Vice está em suporte de vida. A Ciência Popular acabou. O US News & World Report fechou sua revista e agora é basicamente um serviço de classificação universitária. O Velho Gawker se foi e o Novo Gawker também. FiveThirtyEight foi vendido para a ABC News e depois teve sua equipe e suas ambições reduzidas. Grid News foi comprado pelo The Messenger, que agora está “sem dinheiro”. A fusão falhou. A Vox Media – minha antiga casa, onde fui cofundador da Vox.com e um lugar que adoro – está se saindo muito melhor do que a maioria, mas tem visto grandes demissões nos últimos anos.

Nem é apenas o sofrimento do jornalismo digital. Mais de 350 jornais faliram nos primeiros anos da pandemia. Esse foi o mesmo ritmo em que os jornais estavam falhando antes a pandemia: uma taxa de cerca de dois encerramentos por semana. Os três maiores jornais do Alabama deixaram de ser impressos. O jornal mais antigo do sul da Califórnia faliu. A rede McClatchy pediu falência. Jornais famosos como The Los Angeles Times, The Baltimore Sun e The Dallas Morning News foram assolados por demissões, forçados a se tornarem sombras do que já foram. O que está falhando aqui não é uma estratégia editorial específica. É que o meio está em colapso no jornalismo.

Ainda há oportunidades no topo. Veja o New York Times. Enfrenta verdadeiros ventos contrários – as receitas de assinaturas impressas estão a cair aqui, tal como em muitos outros lugares – mas o acesso a um público global abriu novas perspectivas de crescimento. O Times pode ser tão competitivo na Califórnia como é em Nova Iorque, e também pode ter um verdadeiro sucesso a nível internacional. Mas um mercado global cria uma dinâmica Vencedor-Leva Mais. A maioria das pessoas assina apenas um meio de comunicação, se tanto. E eles escolherão a assinatura que agrega mais valor. Quanto mais assinantes o líder de mercado conseguir, mais dinheiro e alcance ele terá para atrair a melhor equipe e expandir suas ofertas. Quanto mais talentos ele contrata e produtos que oferece (culinária! Jogos! Avaliações de produtos! Esportes locais!), Melhor é o negócio, o que o torna um pacote muito mais atraente, e o volante continua funcionando.

Por outro lado, é mais fácil do que nunca sustentar-se como autor independente. Entrei no jornalismo como blogueiro quando não havia como ganhar esse dinheiro. O que você fez, então, foi transferir seu blog para um meio de comunicação estabelecido com algum tipo de modelo de negócios e ser pago por isso. Fui ao The American Prospect e depois ao The Washington Post, e esse foi o início da minha carreira.

Mas agora esses blogs são boletins informativos e têm assinantes. A principal inovação da Substack, na minha opinião, foi perceber que era possível cobrar muito mais pela assinatura de um boletim informativo de um único autor do que a maioria de nós imaginava. Nunca teria me ocorrido vender assinaturas do meu blog por US$ 80 por ano. Mas se você vendê-los por US$ 80 por ano, poderá ganhar muito dinheiro com 5.000 assinantes. Um público pequeno, bem monetizado, é uma fonte de receita perfeitamente boa.

Mas esse fluxo de receita não aumenta para financiar uma publicação onde você precisa apoiar vários repórteres, editores, editores de texto, editores de fotos e assim por diante. Há uma razão pela qual as opiniões prosperam no Substack e o jornalismo investigativo não. Algumas publicações, como Politico e Axios, construíram redações reais em cima de boletins informativos, mas você precisa de um público muito rico para fazer isso funcionar.

É aí que a mídia está agora: você pode prosperar sendo muito pequeno ou muito grande, mas é extremamente difícil sobreviver entre esses pólos. Isso é um desastre para o jornalismo – e para os leitores. O meio pode ser mais específico, estranho e experimental do que as publicações de massa e pode ser mais ambicioso, relatado e considerado do que os participantes menores. O meio é onde muitos grandes jornalistas são encontrados e treinados. O meio é onde acontecem as reportagens locais e onde a cultura é feita e não descoberta.

Algumas semanas atrás, Kyle Chayka, autor do novo livro “Filterworld”, em meu podcast. Grande parte dessa conversa foi o que se perdeu à medida que passamos de uma Internet construída em torno de curadoria para uma Internet construída em torno de recomendação algorítmica.

O valor da curadoria, disse Chayka, “não é apenas dizer o que consumir. Está lhe dando uma educação holística e uma visão de como as coisas funcionam, no contexto de objetos ou ideias. Envolve muito trabalho, tempo e trabalho para apresentar objetos, ideias, músicas ou o que quer que seja, no contexto que merecem. E sinto que isso se perdeu na internet contemporânea.” Foi isso que o Pitchfork fez e agora também está perdido. Vai fazer falta. E temo que não seja substituído.

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *