Mon. May 27th, 2024

Aqui está uma proposta para o movimento ambientalista: reunir fundos filantrópicos por um dia, comprar um pequeno terreno em Washington, DC, e erguer um alto muro de mármore para servir como um memorial climático. Esculpir neste memorial os nomes de figuras públicas que negam ativamente a existência das alterações climáticas. Grave os nomes tão profundos e grandes que nossos netos e bisnetos não precisem procurar nos arquivos.

Isto não é uma metáfora. O problema das alterações climáticas é a desconexão entre ação e impacto. Se os políticos votarem contra as normas de construção e uma escola ruir, as próximas eleições serão as últimas. Mas com as alterações climáticas, causa e efeito estão muito distantes.

Já estamos a ver as consequências das nossas emissões passadas e presentes de gases com efeito de estufa. Nas próximas décadas, essas emissões causarão toda a destruição no clima e serão necessárias centenas, possivelmente milhares de anos, para que esses poluentes se dissipem completamente. Mas, a curto prazo, os encargos mais imediatos são suportados principalmente pelos pobres na América e pelas pessoas distantes em terras distantes. Incentivos desalinhados estão no cerne da razão pela qual alguns líderes políticos e empresariais negam e atrasam.

Para eles, a ignorância declarada pode trazer benefícios políticos e económicos imediatos e, quando a situação subir, os seus actos e palavras serão esquecidos. Um memorial ajudaria a ajustar esta lacuna temporal. Serviria como um testemunho permanente dos negacionistas do clima, cujas ações poderiam de outra forma perder-se na história, e um lembrete para aqueles que avaliam hoje as suas palavras sobre o que o futuro pode trazer.

O memorial do clima precisaria estar em um local bem visível. Talvez pudesse ser criada uma comissão para selecionar um anti-herói climático da academia, da política ou das empresas para ser adicionado ao memorial a cada trimestre. Melhor ainda, os nomes poderiam ser obtidos por crowdsourcing.

Gostaria de nomear, em primeiro lugar, aqueles que semearam a confusão sobre a ciência climática, como Myron Ebell, que recentemente se aposentou como diretor do Centro de Energia e Meio Ambiente do Competitive Enterprise Institute, onde procurou bloquear os esforços em matéria de alterações climáticas no Congresso, e serviu como chefe do Equipe de transição de Donald Trump para a Agência de Proteção Ambiental. Ebell argumentou que a ideia de que as alterações climáticas são “uma ameaça existencial ou mesmo uma crise é absurda”.

Depois, há legisladores que têm consistentemente impedido a acção federal, como o recentemente reformado senador James Inhofe, de Oklahoma, autor do livro “O Maior Hoax: Como a Conspiração do Aquecimento Global Ameaça o Seu Futuro”.

É verdade que alguns talvez comemorem a sua inclusão no memorial como uma medalha de honra. Deixe eles. O memorial foi projetado para deixar o registro direto para a posteridade. Numa era de conteúdos efervescentes nas redes sociais, um memorial climático gravaria permanentemente na imaginação pública os nomes daqueles que se renderam à ignorância num momento de crise urgente, que exige “acção climática em todas as frentes – tudo, em todo o lado, em todos os lugares”. uma vez”, como disse António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, no ano passado.

Da mesma forma, o memorial poderá induzir alguns líderes empresariais e políticos a reflectirem sobre o longo arco da história. A natureza de um legado é definida pelos futuros historiadores. Parafraseando Thomas Reed, presidente da Câmara no final do século XIX, só após a morte um político pode ter esperança de se tornar um estadista. O memorial pode levar um político ou líder empresarial à sanidade. Os indicados ao anti-herói poderiam ter a chance de reconsiderar suas posições antes que o martelo atingisse a bola de gude.

Os memoriais trazem o presente para o futuro e o futuro para o presente e, neste caso, colocariam o foco no que está em jogo: a Terra e o lugar da humanidade nela.

A capital do nosso país seria um bom local para construir o primeiro memorial climático, mas não precisamos de parar por aí. Estados como a Flórida e a Louisiana estarão entre os primeiros a sofrer os piores efeitos da elevação dos oceanos e do clima mais severo. Deveríamos construir muros específicos para cada estado em Tallahassee e Baton Rouge para levar a mensagem para casa. Apenas certifique-se de que os memoriais estejam situados bem acima do nível do mar.

Nate Loewentheil é fundador e sócio-gerente da Commonweal Ventures, uma empresa de capital de risco que investe em energia limpa, saúde e tecnologias financeiras.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *