Fri. Apr 19th, 2024

Existem duas hipóteses plausíveis relativamente ao ataque terrorista de sexta-feira numa sala de concertos nos arredores de Moscovo, no qual pelo menos 139 pessoas foram mortas. A primeira é que foi um trabalho interno – orquestrado pelos serviços de segurança russos, ou pelo menos realizado com o seu conhecimento prévio.

A segunda é que não foi.

Nas sociedades abertas, as teorias da conspiração são para excêntricos. Nas sociedades fechadas, são uma forma razoável (embora nem sempre correta) de compreender os fenómenos políticos.

Em 1999, mais de 300 russos foram mortos e 1.700 ficaram feridos numa série de atentados bombistas em apartamentos pelos quais as autoridades culparam terroristas chechenos. Os bombardeamentos serviram de pretexto para Vladimir Putin – que ascendeu rapidamente de apparatchik secundário a director do Serviço de Segurança Federal, ou FSB, e a primeiro-ministro – para lançar a segunda guerra chechena.

Então algo estranho aconteceu. A polícia encontrou três enormes sacos de pó branco no porão de um prédio de apartamentos na cidade de Ryazan, conectados a um detonador e temporizador programado para disparar às 5h30 da manhã. Os testes iniciais da pólvora descobriram que ela continha o mesmo explosivo, hexógeno, que havia sido usado em outros bombardeios.

A polícia rapidamente prendeu os culpados que tinham colocado os sacos – e descobriu-se que eram funcionários do FSB. O governo russo disse mais tarde que os sacos estavam cheios de açúcar e tinham sido deixados nos edifícios como exercício de treino. Mas, como documentaram o historiador David Satter e outros, a afirmação beira o absurdo. E numerosos jornalistas e políticos que procuraram investigar o incidente acabaram envenenados ou mortos a tiro.

Por que essa história é importante? Porque mostra que Putin “não tem alergia a sangue, russo ou de qualquer outro tipo, se o derramamento promover os seus objectivos”, como observou Garry Kasparov no The Wall Street Journal.

Diz algo que Putin pareceu fornecer uma motivação para um ataque de bandeira falsa ao apontar quase imediatamente o dedo à Ucrânia pelo massacre de sexta-feira – uma escolha absurda, embora reveladora, de um culpado, dado que a Rússia destruiria imediatamente a sua credibilidade junto dos seus parceiros ocidentais se tinha alguma conexão com o evento.

Também diz alguma coisa que o ataque ocorreu logo após a reeleição de Putin na votação simulada deste mês, e precisamente quando ele tenta mobilizar dezenas de milhares de novos soldados para a guerra na Ucrânia. Qual a melhor maneira de o fazer do que reverter à fórmula testada e comprovada de criar pânico na frente interna para poder trazer destruição à fronteira?

Essa é a primeira hipótese. Mas há também uma história brutal de terrorismo islâmico na Rússia, e os Estados Unidos alertaram Moscovo em 7 de Março (tal como alertaram o Irão antes de um ataque do ISIS naquele país em Janeiro) de que um ataque era iminente. Em ambos os casos, os avisos foram ignorados – Putin rejeitou-os como “uma tentativa de assustar e desestabilizar a nossa sociedade” – talvez porque os regimes cínicos tenham dificuldade em imaginar a possibilidade de motivos altruístas.

Isto sugere o que já sabíamos: o Estado de Putin é tão incompetente quanto brutal. E com os inimigos que tem, não precisa de inventar uma conspiração fictícia entre as potências ocidentais e o “regime nazi” em Kiev. A Rússia nunca resolverá as suas fraquezas internas – uma população em declínio, minorias étnicas fisíparas, uma fuga de cérebros e uma economia dependente da energia – através de conquistas estrangeiras.

Mas sugere outra coisa: cinco anos depois da queda do chamado califado do Estado Islâmico no norte do Iraque e na Síria, o ISIS e as suas ramificações estão longe de desaparecer.

Cerca de 9.000 combatentes endurecidos do ISIS são mantidos como prisioneiros em vários campos na Síria, guardados por forças curdas com ajuda americana (que Donald Trump tentou acabar). Estima-se que o ramo do ISIS acusado dos ataques de Moscovo, conhecido como ISIS-K, tenha cerca de 6.000 combatentes, a maioria no Afeganistão. Outras afiliadas do ISIS operam em toda a África, onde os esforços antiterroristas dos EUA estão a ser dificultados por convulsões locais.

Por outras palavras, à medida que Washington recuou (ou foi forçado a abandonar) os seus esforços para enfrentar a desordem global, a desordem cresceu. O que aconteceu em Moscovo lembra o que aconteceu no teatro Bataclan, em Paris, em 2015, onde 90 pessoas foram assassinadas. O ISIS parece gostar de salas de concerto.

A palavra “pivô” é muito utilizada em discussões de política externa, como no “pivô para a Ásia” da administração Obama ou no “pivô para a competição entre grandes potências” sob Trump e o Presidente Biden. Mas se a lição do primeiro pivô é que negligenciámos a NATO e a segurança europeia por nossa conta e risco, a lição do segundo é que nos iludimos com a crença de que o nosso problema do terrorismo islâmico ficou em grande parte para trás. Tal como Israel descobriu no dia 7 de Outubro, os inimigos mortais de um país não são domesticados ou vencidos apenas porque os líderes têm outras prioridades.

O desafio de segurança americano hoje é global: um ISIS ressurgente, uma China revanchista, um Irão regionalmente agressivo e uma Rússia onde as linhas entre a grandiosidade e a paranóia se confundem. Quer o que aconteceu na Rússia tenha sido terrorismo islâmico, uma conspiração do FSB ou alguma combinação terrível de ambos, é um mau presságio para nós.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *