Mon. Jun 24th, 2024

O Presidente Biden disse na semana passada que estava “a analisar uma série de opções” para cumprir o seu aviso de 2021 a Vladimir Putin de que a Rússia enfrentaria consequências “devastadoras” se Aleksei Navalny morresse na prisão. Agora que Putin tratou esse aviso com o seu habitual desprezo, Biden precisa de agir por uma questão de clareza moral e credibilidade pessoal, e pelo imperativo estratégico de demonstrar a um ditador que as ameaças americanas não são vazias.

Mas como? Alguns analistas sugerem que a administração, que na terça-feira prometeu impor sanções mais duras, terá dificuldade em encontrar formas de as tornar mais eficazes, e que a melhor política para prejudicar Putin é continuar a apoiar militarmente a Ucrânia. Eles estão certos sobre o segundo ponto. Contudo, como vários observadores próximos da Rússia me disseram, há muito mais a ser feito em relação ao primeiro.

Existem quatro abordagens amplas.

Finanças: “A coisa mais importante que podemos fazer para reagir a Putin é promulgar legislação para confiscar os 300 mil milhões de dólares de reservas bancárias russas congeladas para a defesa e reconstrução da Ucrânia”, escreveu-me Bill Browder, investidor e activista político, na segunda-feira. Browder é mais conhecido como a força motriz por trás das Leis Magnitsky, que impõem sanções a autoridades russas implicadas em corrupção e outros abusos.

A sugestão de Browder não é nova. E tem sido resistida por funcionários do governo dos EUA que temem que exceda o que a lei americana permite e encorajaria uma fuga dos activos em dólares. Mas como o jurista de Harvard, Larry Tribe, e uma equipa de especialistas da firma Kaplan, Heckler & Fink observaram no ano passado num relatório para a Iniciativa Renovar a Democracia, a apreensão dos activos da Rússia é explicitamente permitida como uma “contramedida”, um acto concebido para obrigar um agressor a cumprir o direito internacional. Quanto ao argumento da fuga do dólar, de outra forma poderia ser persuasivo se a necessidade de salvar a Ucrânia e punir a Rússia não fosse mais urgente.

A apreensão dos bens da Rússia “seria como dois dedos nos olhos do Ocidente”, acrescentou Browder. “Putin não se importa com quantos soldados são mortos, mas preocupa-se profundamente com o seu dinheiro. Para completar, todos os países deveriam chamar esta nova legislação de Lei Navalny.”

Reconhecimento: “Não reconhecer Putin como presidente da Rússia depois de 17 de Março – é simples assim”, disse-me Garry Kasparov, o lendário campeão de xadrez e de direitos humanos, por telefone, de Berlim. “Não reconheça o regime como legítimo.”

Kasparov aludiu às falsas eleições presidenciais do próximo mês, nas quais Putin concorre a um quinto mandato. Mas ele também aponta para um ponto mais profundo, que é o de que, embora Putin possa ser indiferente às questões de legalidade, ele anseia e está profundamente sintonizado com as armadilhas da legitimidade política, especialmente a nível internacional, que reforçam as suas pretensões de governar.

É um ponto que me foi sublinhado pelo economista Konstantin Sonin, professor da Universidade de Chicago que este mês foi preso à revelia por um tribunal russo. “Putin e os seus capangas devem ser reconhecidos e tratados como um bando cujo poder na Rússia se baseia na força bruta e não em qualquer tipo de legitimidade”, disse Sonin. “Não faz sentido negociar com Putin, pois qualquer tipo de acordo terá de ser renegociado quando o seu regime cair.”

Dissidentes: Quando Natan Sharansky me telefonou de Jerusalém, aquele grande rejeitado soviético, que trocou cartas com Navalny no ano passado, recorreu quase imediatamente a Vladimir Kara-Murza, outro dissidente preso. Assim como Navalny, Kara-Murza, 42, também sobreviveu a envenenamentos e coma. Tal como Navalny, ele está detido numa colónia penal de “regime estrito”, condenado a 25 anos de prisão pela sua oposição a Putin.

“Se não houver mudanças” na política ocidental, disse Sharansky, Putin “poderá matar Kara-Murza amanhã. O Ocidente precisa de compreender que estes dissidentes são os verdadeiros amigos do mundo livre e têm de ser vistos como candidatos a trocas de prisioneiros.” Sharansky criticou particularmente a troca, em 2022, de um arquidemônio russo, Viktor Bout, pela estrela do basquetebol Brittney Griner, o que certamente levou o Kremlin a prender Evan Gershkovich, o repórter do Wall Street Journal, em Março passado. “A América mostrou que é um mau negociador”, lamentou Sharansky.

Sharansky é apoiado por Reuel Marc Gerecht, ex-oficial da CIA e membro sênior da Fundação para a Defesa das Democracias. “Os grandes dissidentes soviéticos ensinaram-nos que foram fortalecidos pela atenção ocidental à sua situação”, disse-me Gerecht. “Hoje, não sabemos que dissidente russo, que russo prestes a se tornar ‘desonesto’, poderá galvanizar os russos que detestam o regime.”

Poder: Uma das minhas fontes para esta coluna pediu para não ser identificada devido à sensibilidade de sua posição atual, mas ele é um especialista há muito admirado em mercados de energia. “O gás natural liquefeito dos EUA faz agora parte do arsenal da NATO contra a Rússia”, disse-me ele. Biden, aconselhou ele, poderia “restaurar a credibilidade dos EUA como exportador de GNL, levantando a ‘pausa’ da administração nas novas licenças de GNL e, assim, dar à Europa e ao Japão confiança para parar de importar GNL russo”.

Embora as receitas do petróleo e do gás da Rússia tenham caído drasticamente desde o início da guerra na Ucrânia, ainda assim chegaram perto de 100 mil milhões de dólares no ano passado – o suficiente para financiar a máquina de guerra do Kremlin. O que mais poderia doer? David Petraeus, o general reformado e ex-diretor da CIA, fez uma sugestão específica: “A Casa Branca deveria anunciar o fornecimento do Sistema de Mísseis Táticos do Exército à Ucrânia, o que duplicaria o alcance para aproximadamente 300 quilómetros dos mísseis fornecidos pelos EUA para data.”

Tal como todas as pessoas com quem falei, Petraeus reconheceu que esses mísseis só poderiam ser fornecidos se os 60 mil milhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia que o Senado aprovou na semana passada pudessem superar um muro de oposição republicana na Câmara. Cada republicano que tenha uma memória daquilo que o seu partido defendeu tem a obrigação de votar a favor desse projecto de lei, tal como Biden tem o dever de garantir que o mal não ficará impune e que Navalny não morreu em vão.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *