Wed. Jun 19th, 2024

Quando Putin concordou em permitir a evacuação de Navalny para a Alemanha para tratamento, ele provavelmente teve certeza de que o homem não voltaria. Foi uma aposta justa: ao longo dos anos de poder de Putin, quanto mais as pessoas tiveram acesso a automóveis, electrodomésticos e electrónica de consumo, mais consentiram com as limitações à sua liberdade e actividade política. Putin provavelmente tinha certeza de que Navalny era como os outros – que entre a prisão na Rússia e uma vida de conforto na Europa, ele escolheria a última. Mas o Sr. Putin calculou mal.

Mesmo antes de terminar o seu tratamento na Alemanha, o Sr. Navalny afirmou que iria regressar à Rússia; ele até anunciou publicamente o número do seu voo e horário de partida. Assim que chegou, ele foi devidamente preso no controle de passaportes. Seguiu-se uma audiência de emergência numa esquadra da polícia local, várias semanas numa prisão de Moscovo e depois uma condenação a mais de dois anos numa colónia penal. A cada passo, Navalny divulgou declarações nas redes sociais por meio de seus advogados, com seu humor e autoconfiança característicos visíveis por toda parte.

Mesmo quando estava na prisão suas pernas começaram a falhar e ele exigiu consultar o médico, ele fez piada sobre isso: disse que estava acostumado com a perna e não queria perdê-la. Foi o comportamento de um homem corajoso, orgulhoso e inquebrantável que enfrenta um sistema desumano, cujas armas são a prisão e a violência – uma conspiração arquetípica, familiar a qualquer país que tenha vivido uma ditadura. Embora a condição de Navalny, por vezes terrível, pareça ter estabilizado, não pode haver garantia da sua segurança enquanto ele permanecer na prisão. As perspectivas para o movimento de oposição – sobretudo depois das actividades da Fundação Anticorrupção, a organização política de Navalny, terem sido suspensas na segunda-feira – parecem sombrias.

Quanto a Putin, ele descobriu que é uma loucura recusar-se a enfrentar honestamente o seu oponente. Os protestos que varreram o país na quarta-feira – depois de grandes manifestações de apoio a Navalny em Janeiro – atestam a força do apelo de Navalny e, talvez mais importante, a profundidade da insatisfação dos russos comuns com o seu governante. Isso foi feito por ele mesmo. Ao não reconhecer o direito de Navalny de participar na política, Putin colocou-se num confronto com um líder que é igual a ele.

Agora, depois de se livrar de todos os seus adversários, reais e imaginários, o Sr. Putin encontra-se sozinho. Como a rainha de um conto de fadas russo, que todos os dias pergunta a um espelho mágico quem é a mais bela de todas, ele anseia desesperadamente pela supremacia. Mas quando pergunta ao espelho quem é o verdadeiro líder da Rússia, este responde: Aleksei Navalny.

Oleg Kashin (@KSHN) é jornalista e autor de “Fardwor, Rússia! Uma história fantástica da vida sob Putin.” Este ensaio foi traduzido por Carol Apollonio do russo.

O Times está comprometido em publicar uma diversidade de letras para o editor. Gostaríamos de saber o que você pensa sobre este ou qualquer um de nossos artigos. Aqui estão alguns pontas. E aqui está nosso e-mail: [email protected].

Siga a seção de opinião do The New York Times sobre Facebook, Twitter (@NYTopinion) e Instagram.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *