Tue. May 21st, 2024

Ronald Reagan recebe a maior parte do crédito, mas foi Ike, e não Reagan, quem transformou o Partido Republicano de um partido ansioso e introspectivo num partido confiante e virado para o exterior. Ele e os seus sucessores internacionalistas acreditavam que a única forma de evitar mais guerras mundiais era construir uma ordem mundial democrática multilateral. Eles tinham a confiança necessária para acreditar que a América poderia liderar tal ordem. A chave para o sucesso em qualquer conflito político, argumentou o teórico político James Burnham em 1941, é o espírito e a força de vontade: “Toda a história deixa claro que uma qualidade indispensável de qualquer homem ou classe que deseja liderar, deter o poder e o privilégio na sociedade, é uma autoconfiança sem limites.”

A confiança de Ike lançou 60 anos de internacionalismo republicano, criando gradualmente um partido que ajudou a derrotar o comunismo e a trazer mais prosperidade global. Reagan ampliou esse sentimento de confiança e possibilidade. “Emerson estava certo”, disse Reagan na convenção republicana de 1992. “Somos o país de amanhã.” Reagan estava suficientemente confiante para acreditar que a América poderia acolher os imigrantes, beneficiar das suas capacidades e continuar a ser distintamente América: “A nossa nação é uma nação de imigrantes. Mais do que qualquer outro país, a nossa força vem da nossa própria herança imigrante e da nossa capacidade de acolher pessoas de outras terras.”

Na sua soberba história do conservadorismo, “The Right”, Matthew Continetti descreve ensaios de duelo em 1989 entre os comentadores conservadores Charles Krauthammer e Pat Buchanan que foram publicados nas páginas do The National Interest. Krauthammer argumentou que a América deveria afastar o mundo de uma ordem multipolar instável e em direção a um “mundo unipolar mais estável, cujo centro seja um Ocidente confederado”. Buchanan, um dos poucos porta-vozes remanescentes do Partido Republicano mais antigo e isolacionista, intitulou seu ensaio “América em primeiro lugar – e segundo e terceiro”.

Naquela época, o partido abraçou a visão de Krauthammer e rejeitou a de Buchanan. Dentro de uma década, Pat Buchanan deixou o Partido Republicano, completamente marginalizado. Em 1999, os editores da revista conservadora The Weekly Standard, onde trabalhei, comemoraram a saída de Buchanan do partido. Na mesma edição, escrevi um artigo de humor tentando imaginar a versão mais hilária e improvável do futuro do Partido Republicano. Esse artigo foi intitulado “Donald Trump é inaugurado”.

Acontece que algumas tendências políticas nunca morrem; eles apenas ficam adormecidos por algumas décadas, esperando que o clima emocional mude. É convencional dizer que Trump destruiu o establishment republicano do pós-guerra. Isto não está completamente correto. O extremo desgosto do Tea Party relativamente ao curso da vida americana já estava presente em 2009. O Pew Research Center detectou um aumento no isolacionismo americano em 2013. Em 2004, apenas 8% dos republicanos pensavam que o poder dos Estados Unidos nos assuntos mundiais estava a diminuir. Em 2013, depois do Iraque e do Afeganistão, 74% dos republicanos pensavam que a América estava em declínio. Em 2021, quase um terço dos republicanos pensavam que a violência poderia ser necessária para salvar a América.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *