Sat. Jun 15th, 2024

Como ministra do ensino superior da Noruega, Sandra Borch foi responsável por garantir que os alunos cumprissem as regras. Quando um desses estudantes foi absolvido do crime de plágio, a Sra. Borch apelou, levando o caso ao Supremo Tribunal do país.

Por isso, o país ficou chocado quando, poucos dias depois, a Sra. Borch teve de demitir-se depois de se ter descoberto que partes da sua tese de mestrado pareciam idênticas a outros relatórios aos quais ela não tinha referenciado.

“Quando escrevi minha tese de mestrado, há cerca de 10 anos, cometi um grande erro”, disse Borch em entrevista coletiva na sexta-feira, quando deixou o cargo. “Peguei textos de outras tarefas sem indicar as fontes.”

A pessoa que descobriu os crimes de Borch foi Kristoffer Rytterager, um estudante de 27 anos de Oslo, que disse ter ficado “um pouco chateado” porque o ministro foi atrás de um aluno individual pelo que considerou um erro menor, e decidiu examinar o trabalho acadêmico do próprio ministro.

“Quando você age como se fosse mais sagrado que um santo”, disse Rytterager em entrevista. “Você não deveria ter nenhum esqueleto no armário.”

O caso que o irritou envolvia uma aluna que havia apresentado uma prova com alguns trechos de uma prova que ela havia entregado — e reprovado — no ano anterior. A estudante foi suspensa por dois semestres em 2022, e seu advogado disse que o caso a devastou psicologicamente. Mais de uma centena de professores e outros acadêmicos assinaram uma petição contestando o tratamento dela.

Um tribunal acabou por absolver o estudante, mas o Ministério da Investigação e do Ensino Superior, chefiado pela Sra. Borch, recorreu da decisão, argumentando que levantava algumas questões que o Supremo Tribunal deveria esclarecer. O Supremo Tribunal não se pronunciou até agora.

“É importante para todos os estudantes, universidades e faculdades na Noruega que os regulamentos sobre trapaça e sua aplicação sejam fáceis de entender”, disse o ministério em comunicado ao jornal norueguês Khrono na época.

O governo propôs duplicar a pena por fraude e plágio, de uma suspensão de dois semestres para quatro, num projeto de lei que deverá chegar ao Parlamento ainda este ano.

Rytterager disse que se inspirou nas acusações de plágio contra Claudine Gay, ex-presidente de Harvard, para verificar o trabalho de Borch. A Sra. Gay renunciou no início deste mês depois que sua presidência foi engolida por essas acusações e alegações de alguns de que sua resposta ao anti-semitismo no campus após os ataques liderados pelo Hamas a Israel foi insuficiente.

Quando Rytterager pesquisou no Google, ele descobriu que partes da tese jurídica de Borch de 2014 eram quase idênticas a um relatório do governo ao qual ela não havia mencionado. Depois que ele postou seu descobertas em X, o jornal norueguês E24 publicou um artigo sobre o plágio. A tese – sobre a regulamentação da extracção de petróleo na Noruega – continha até os mesmos erros de digitação que apareceram num texto de 2005, relatou E24.

Os relatórios também estimularam um intenso escrutínio do trabalho académico de outros legisladores, e os repórteres descobriram que partes da tese do ministro da saúde se assemelhavam a outros textos. A ministra, Ingvild Kjerkol, reconheceu que faltavam algumas referências, mas negou a cópia deliberada. Mesmo assim, alguns acadêmicos pediram sua renúncia.

Alguns políticos criticaram o que consideraram uma caça às bruxas mediática ao trabalho de jovens de 25 anos que mais tarde se tornaram políticos.

“As teses dos editores dos jornais também estão sendo verificadas?” Kristin Clemet, ex-ministra da Educação, escreveu no X.

Rytterager, que, quando não está estudando, anda de trator na fazenda de sua mãe ao norte de Oslo ouvindo audiolivros, disse que o caso expôs algo que seu trabalho na agricultura já lhe havia ensinado.

“Em uma fazenda você tem que fazer seu próprio trabalho”, disse ele. “Você não pode roubar isso de outras pessoas.”

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *