Mon. Feb 26th, 2024

Há 19 anos, especificamente em 7 de janeiro de 2005, Christian Horner foi nomeado chefe da recém-formada equipe Red Bull (dos restos da Jaguar). O que acontecerá a seguir é do conhecimento de todos: Horner se tornará um dos treinadores de maior sucesso na história da F1 (seis campeonatos de construtores e sete títulos individuais). Mas a carreira de Christian antes de ingressar na Red Bull não é lembrada com tanta frequência. Aqui está a resposta à pergunta: o que Horner fazia antes de trabalhar na Fórmula 1?

Enquanto competia no kart, Horner competiu com a mãe de Max Verstappen.

Há muitas maneiras de chegar ao cargo de gerente de equipe de F1. Por exemplo, Ron Dennis começou como mecânico, Jean Todt como navegador de rally e Flavio Briatore era geralmente um hobby absoluto que veio para o mundo da Royal Racing através dos negócios. Já Horner, o futuro diretor da Red Bull começou a descobrir o mundo das altas velocidades com o kart; No início, Horner sonhava em ser corredor.

Além disso, curiosamente, Christian deu os primeiros passos no desporto motorizado por vontade própria e não com a ajuda dos pais, como costuma acontecer: “Quando eu era criança, incomodava os meus pais pedindo-lhes que comprassem um kart, apenas para passear. pelo jardim, e minha mãe o encontrou no jornal local por 25 libras. “Com o tempo, consegui comprar algo melhor e acabei começando a correr na categoria Junior Booster.”

Na verdade, foi assim que começou a carreira esportiva do futuro chefe da Red Bull. Aliás, enquanto competia no kart, Horner cruzou com Sophie Kumpen, mãe de seu aluno Max Verstappen. Segundo Christian, Sophie era uma das dez melhores ciclistas do mundo na sua idade e muitas vezes estava à frente dele. Além da mãe do tricampeão de F1, Horner competiu no kart com Jan Magnussen (pai de Kevin), Jarno Trulli, Giancarlo Fisichella e Dario Franchitti (futuro multicampeão da IndyCar).

Como se tornar um piloto de Fórmula 1:

Exclusivo

Como não desperdiçar dinheiro e arruinar a carreira rumo à Fórmula 1? Revelando segredos

Para continuar a carreira de piloto, teve que convencer os pais a adiar o ingresso na universidade. Na infância, Horner teve um desempenho relativamente bem-sucedido: em 1991, ele teve a sorte de ser um dos sortudos pagos pela Renault para participar do Campeonato Britânico de Fórmula Renault como parte de um programa de apoio a jovens talentos. A estreia de Christian nas corridas adultas acabou sendo um grande sucesso: vitória e cinco pódios em 12 corridas e, com isso, o quarto lugar no final da temporada (Pedro de la Rosa, aliás, sagrou-se campeão).

No ano seguinte, Horner foi promovido: começou a temporada de 1993 na Fórmula 3 britânica. Essa etapa na carreira de Christian foi muito, muito difícil. Os pais do jovem britânico esperavam que, depois de se formar na escola, seu filho fosse para a universidade, mas o futuro chefe da Red Bull tinha sua própria visão de vida. Com muita dificuldade, Christian conseguiu o adiamento do ingresso em uma instituição de ensino superior, mas com a condição de que lhe seria garantido o acesso à universidade caso fosse reprovado no curso.

Horner passou sua primeira temporada na F3 britânica na classe B (segunda divisão, por assim dizer): saiu relativamente bem: segundo lugar no campeonato de sua categoria. No ano seguinte, Christian passou para a classe A, onde as coisas não correram tão bem: três vagas nos pontos e 17º lugar na competição individual. O triste é que Giancarlo Fisichella terminou melhor a temporada depois de apenas uma corrida.

Christian Horner em 1992

Foto: Arquivo Coventry Telegraph/Getty Images

Christian voltou a passar a temporada de 1995 no seu campeonato natal, apresentando aproximadamente os mesmos resultados do ano passado (melhorou, mas não muito), e isto apesar de já estar a realizar a sua terceira época neste campeonato. Neste ponto, parece que Horner parou de progredir como piloto, tendo atingido o seu ponto mais baixo.

Em 1995, a carreira esportiva de Christian estava praticamente paralisada. Os resultados na pista deixaram muito a desejar e o problema de financiamento também se agravou. É ainda mais surpreendente que tenha sido nessa época que Horner decidiu passar para a principal categoria juvenil do mundo: a Fórmula 3000.

Além disso, Christian não apenas planejou comprar uma vaga para a temporada em uma das equipes, mas também decidiu se tornar o proprietário pleno do estábulo de corrida. Em vez de pagar todos os anos pela sua participação no campeonato, Horner decidiu desembolsar uma vez e comprar a sua própria equipa para ter alguma independência: uma solução incrivelmente radical para o problema.

Resultados da temporada 2023 nas séries juniores:

O fracasso dos juniores da Red Bull e os pódios do russo na F3. Resultados da temporada em “fórmulas” juniores

Marco Horner conheceu Helmut enquanto comprava uma caravana.

Para concretizar a sua ideia, Christian teve que vender todas as suas propriedades, fazer um empréstimo bancário e também pedir um empréstimo ao pai. Horner deu o seu melhor e acabou fundando sua própria equipe de corrida, que chamou de Arden International.

A vida da equipe recém-formada é melhor descrita por uma citação de seu proprietário: “Eu era o líder da equipe, secretário, cozinheiro e lavador de pratos, procurando dinheiro, cuidando de toda a papelada e outras tarefas. “Nosso mecânico era um cara que trabalhava meio período em uma oficina local.”

Aliás, foi graças à sua criação em 1996 que Horner conheceu Helmut Marko, que na época liderava a equipe na Fórmula 3000.

Helmut Marko em 2005

Foto: Mark Thompson/Getty Images

“Ouvi dizer que Marco estava vendendo algo e combinamos de encontrá-lo em um hotel em Graz. Sabendo que eu precisava de um trailer, ele me perguntou o que eu estava fazendo, por que, como, etc. No final, apertamos as mãos e fechamos um acordo para esse trailer e alguns outros equipamentos. Então fiz tudo o que pude para conseguir a maldita coisa. Ele disse que me entregaria, mas queria dinheiro adiantado! Paguei tudo que pude. Lembro-me então de ter contado ao meu pai que tinha comprado um trailer e ele me perguntou: “Onde ele está?” Ele disse que um cara da Áustria me entregaria em breve e eu não paguei o depósito, mas o valor total, porque ele me pareceu decente. Devo ter ligado para ele todos os dias até o trailer chegar”, lembrou Horner quando conheceu Marco não muito tempo atrás.

Do ponto de vista desportivo, a temporada de estreia de Christian na Fórmula 3000 acabou por ser um fracasso: seis vezes não conseguiu ultrapassar a barreira da qualificação e apenas uma vez terminou nos pontos. Em parte, estes fracos resultados poderiam ser justificados pelo novo estatuto dos britânicos. Afinal, Horner não era apenas piloto, mas também gerente de equipe. O próprio Christian admitiu que muitas vezes era cauteloso na pista, levando em consideração o custo de possíveis reparos. Pode-se dizer que o gestor interno de Horner passou a ter precedência sobre o piloto interno.

O jovem Montoya pressionou Horner a se aposentar

Foto: Robert Laberge/Getty Images

Em 1998, Christian conseguiu um sócio, Kurt Mollekens, cujos patrocinadores cobririam parte das despesas do time. O estreante belga começou imediatamente a mostrar resultados decentes (dois pódios nas três primeiras corridas), enquanto Horner ainda estava no final do pelotão.

Aquela temporada foi a última da carreira esportiva de Christian: em meio a resultados desastrosos, ele decidiu pendurar o capacete. Segundo Horner, ele pensou em se aposentar ainda antes do início do campeonato, durante os testes de pré-temporada no Estoril: depois de ver Montoya passar por uma curva rápida, percebeu que não estava preparado para correr os riscos necessários para retratar algo. semelhante.

Outra história dos testes no Estoril:

foto

Como começou a icônica aliança entre Schumacher e Ferrari. Michael imediatamente repreendeu seu futuro chefe.

A equipe de Horner foi patrocinada pela Lukoil por três anos.

No final de 1998, Horner, embora tenha pendurado o capacete, nem pensava em deixar o mundo do automobilismo, continuando a liderar sua própria equipe na F-3000. O britânico foi movido pela ideia de tornar a Arden autossuficiente e, com o tempo, transformar a equipe em um projeto empresarial viável.

Felizmente para Christian, a gigante petrolífera russa Lukoil logo o abordou com uma oferta para atuar como investidor na equipe Arden em troca de fornecer ao seu protegido Viktor Maslov um assento como piloto de caça. O mediador nesta transação foi a empresa de engenharia britânica Prodrive, que comprou 50% das ações da Arden com dinheiro da petrolífera russa. Na temporada seguinte, a equipe de Horner apareceu sob o nome de Lukoil Arden.

Viktor Maslov como parte da Lukoil Arden em 2000

Foto: Bongarts/Getty Images

A união da Lukoil e da Arden durou apenas três anos. Durante este tempo, Maslov não conseguiu marcar um único ponto e Christian Horner recomprou dele 50% das ações da equipe e ficou completamente desiludido com o fenômeno dos motoristas de aluguel.

Antes da temporada de 2002, o treinador britânico renovou completamente a escalação de pilotos, convidando os relativamente talentosos Bjorn Wirdheim e Tomas Enge. Naquele ano, Arden venceu a competição por equipes e praticamente comemorou seu sucesso pessoal. Enge marcou mais pontos, mas uma desclassificação por falha no teste antidoping tirou o tcheco do primeiro para o terceiro lugar. Mas nos dois anos seguintes, a equipe de Horner dominou completamente o F-3000: em 2003, Wirdheim deu a Arden o primeiro título na competição individual, um ano depois venceu Liuzzi, que na época já estava no programa de apoio da Red Bull . .

Outra olhada na cooperação entre Lukoil, Maslov e Horner:

Exclusivo

“É uma desvantagem que ele não tenha permitido que Maslov se tornasse o primeiro russo na F1”

Tendo obtido sucesso na Fórmula 3000, Horner começou a pensar em mudar para a Royal Racing. Bernie Ecclestone aconselhou Christian a considerar a compra da Jordan. No entanto, as partes não conseguiram chegar a acordo sobre o custo do equipamento, pelo que as negociações rapidamente chegaram a um beco sem saída.

Felizmente para Christian, no final de 2004, o proprietário da Red Bull, Dietrich Mateschitz, adquiriu a equipe Jaguar. O empresário austríaco não confiava no pessoal herdado, pelo que as mudanças de pessoal não puderam ser evitadas. Pouco antes do Natal, Helmut Marko, já bom amigo de Horner, marcou um encontro com Mateschitz em Salzburgo. Dietrich contou como vê a Red Bull na Fórmula 1, após o que ofereceu a Christian o cargo de líder da equipe. Horner aceitou a oferta tentadora e assim a história começou.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *