Fri. Apr 19th, 2024

Esta não é a primeira vez que a China vê um frenesi por causa do TikTok consumir Washington.

Em 2020, o ex-presidente Donald J. Trump emitiu uma ordem executiva que teria forçado os proprietários chineses do TikTok a vender o popular aplicativo. Mas Pequim frustrou uma oferta pública de aquisição de compradores americanos ao impor restrições às exportações de tecnologia. No ano passado, os legisladores de Montana proibiram o TikTok no estado, mas a lei foi bloqueada por um juiz federal antes que pudesse entrar em vigor.

Agora, os legisladores dos EUA estão novamente tentando forçar a ByteDance, proprietária chinesa do TikTok, a abrir mão do controle do aplicativo. Na quarta-feira, a Câmara aprovou um projeto de lei, por 352 votos a 65, que forçaria a ByteDance a vender o aplicativo ou vê-lo banido nos Estados Unidos.

Mas o fervor ainda não desencadeou uma resposta de alerta máximo por parte dos líderes chineses nem provocou ameaças de retaliação contra empresas americanas. Em vez disso, as autoridades em Pequim criticaram o projecto de lei, mas reiteraram amplamente as críticas comuns à política dos EUA como injusta para a China.

Existem várias razões para a sua contenção, dizem os especialistas. Apesar do apoio bipartidário ao projeto na Câmara, ele enfrenta um destino incerto no Senado. Trump, o esperado candidato presidencial republicano, disse que se opõe ao projeto, apesar de sua ordem executiva de 2020 contra o TikTok. E a China tem ferramentas legais que poderia usar para tentar bloquear qualquer venda.

“A China não está pronta para puxar o gatilho para uma retaliação em grande escala contra o que os Estados Unidos estão a fazer”, disse Scott Kennedy, especialista em China no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em Washington.

O TikTok exerce ampla influência nos Estados Unidos, especialmente entre os mais jovens. Tem cerca de 170 milhões de utilizadores nos Estados Unidos, contra 100 milhões em 2020. Tem uma presença global ainda maior, com cerca de mil milhões de utilizadores em 140 países. A versão chinesa do TikTok da ByteDance, Douyin, tinha mais de 600 milhões de usuários ativos diários em meados de 2020, a última vez que relatou essas estatísticas.

Em Washington, os legisladores dizem que Pequim poderia usar o TikTok para divulgar mensagens do Partido Comunista Chinês ou obter acesso a dados confidenciais sobre os usuários americanos do TikTok.

O presidente Biden disse que assinaria o projeto de lei da Câmara se este chegasse à sua mesa. Mas a oposição de Trump à legislação sinalizou a Pequim que pode manter a pólvora seca.

“A visão oposta de Trump tirou o fôlego deste projeto de lei, então há motivos para Pequim e ByteDance acreditarem que esta questão acabará desaparecendo”, disse Kevin Xu, fundador da Interconnected Capital, com sede nos EUA, um fundo de hedge que investe em tecnologias de inteligência artificial.

A TikTok afirma que tomou medidas para proteger os dados e a privacidade dos usuários americanos. Propôs um acordo para armazenar dados de usuários dos EUA em servidores domésticos controlados pela Oracle. Mas esse esforço para abordar as preocupações de segurança dos legisladores não deu certo, deixando “absolutamente zero confiança entre TikTok e Washington neste momento”, disse Xu.

Apesar de anos de escrutínio, uma empresa chinesa ainda possui a TikTok. E mesmo que os legisladores em Washington concordem em forçar uma venda, as autoridades em Pequim alertaram no passado que tal transação exigiria a sua aprovação.

Em 2020, quando a venda do TikTok a investidores americanos, incluindo Oracle e Microsoft, parecia estar próxima, o governo chinês afirmou a sua autoridade sobre as exportações que considerava sensíveis; os especialistas acreditam que essas regras abrangem tecnologias como o algoritmo que alimenta o TikTok. A medida frustrou efetivamente as tentativas de colocar o TikTok nas mãos de proprietários americanos.

Os controles de exportação significam que a China poderia bloquear a venda daquilo que torna o TikTok tão viciante: seu poderoso algoritmo que adivinha os interesses dos usuários para atendê-los vídeo após vídeo.

Dentro da China, a crença entre académicos e comentadores é que Pequim não permitiria que a ByteDance vendesse esta tecnologia a uma empresa estrangeira.

Qualquer venda do TikTok sem seu algoritmo central deixaria um potencial comprador com um produto muito menos atraente, disse Jin Canrong, professor de relações internacionais na Universidade Renmin, em Pequim, na plataforma de mídia social chinesa Weibo, em uma postagem na quinta-feira que atraiu 184 mil pessoas. Visualizações.

A mídia controlada pelo Estado da China divulgou na quinta-feira um comunicado do Ministério das Relações Exteriores que citava o tratamento dado ao TikTok como prova dos “padrões duplos” dos Estados Unidos na proteção da liberdade de expressão. Nas plataformas de redes sociais da China, que são censuradas, a pressão em Washington provocou indignação sobre o tratamento dispensado às empresas chinesas.

No Weibo esta semana, “TikTok revida” tornou-se um trending topic depois que a plataforma instou seus usuários a se mobilizarem contra o projeto de lei da Câmara. Muitos comentadores caracterizaram o projecto de lei como roubo e questionaram o compromisso de Washington com a concorrência no mercado livre. Eles também temiam que o projeto de lei pudesse ser um modelo a ser usado por Washington contra outras empresas de tecnologia de propriedade chinesa.

“Podemos realmente fazer negócios assim?” perguntou Shen Yi, estudioso de governança do ciberespaço na Universidade Fudan, em Xangai. Washington brandiu o conceito de segurança nacional como uma arma “para o chefe de qualquer empresa de qualquer país, dizendo ‘vender ou encontrar outras empresas com quem trabalhar, é para o seu próprio bem’”, disse Shen.

Em uma coletiva de imprensa na sexta-feira, Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, hesitou quando questionado sobre os últimos acontecimentos no furor do TikTok em Washington. “Respondemos a perguntas sobre o TikTok ontem”, disse ele.

Olivia Wang contribuiu com pesquisas de Hong Kong.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *