Mon. Feb 26th, 2024

Nenhuma imagem conseguiu capturar completamente a confluência de eventos climáticos extremos que estão perturbando os Estados Unidos esta semana, fustigando o país de costa a costa com tempestades de neve, inundações intensas, ventos fortes e até tornados.

Mas um mapa chega perto.

Todos os dias da semana, precisamente às 8h30, a Agência Federal de Gestão de Emergências divulga o que chama de mapa de “perspectivas de perigos”, concebido para mostrar as ameaças esperadas nos próximos dias. O objetivo é ajudar os gestores de emergência e outras autoridades em todo o país a se prepararem para o que está por vir.

Ultimamente, esses mapas têm se parecido com arte abstrata, ou apenas com lápis de cera enlouquecidos. Na segunda-feira, o mapa de risco da FEMA mostrou áreas de chuva forte, chuva congelante, neve intensa, precipitação intensa, frio perigoso, ventos fortes e clima severo em geral. Aparentemente, apenas quatro dos 50 estados não enfrentavam algum tipo de perigo preocupante.

Na quinta-feira, o quadro de alguma forma ficou ainda pior. Além de fortes nevascas, chuvas fortes e ventos fortes, o risco de inundação estendia-se desde a fronteira entre Maine e New Hampshire até o Alabama.

Nem sempre foi assim. Durante a segunda semana de Janeiro há uma década, por exemplo, os mapas de risco da FEMA eram simples em comparação: ventos fortes nas planícies superiores, chuvas fortes em torno da região da Florida, pequenas bolsas de inundação, seca em partes do oeste. A navegação foi tranquila em áreas inteiras do país – sem problemas, pelo menos do ponto de vista da gestão de emergências.

Esse padrão – preocupações localizadas em partes do país, com grande parte do mapa não mostrando perigos – foi praticamente o mesmo durante esta semana, há cinco anos.

É claro que as fortes tempestades de Inverno não são novidade e nenhum acontecimento meteorológico isolado pode ser automaticamente atribuído às alterações climáticas. Mas à medida que o planeta aquece, a atmosfera pode reter mais água, o que torna mais provável o clima severo.

Jeremy Greenberg, diretor da divisão de operações da Diretoria de Resposta da FEMA, notou que o mapa de perigos ficou mais movimentado.

“A duração, frequência e intensidade dos perigos estão a aumentar ao longo do tempo”, disse Greenberg. “Está se tornando um pouco mais comum que este mapa tenha esta aparência e temos uma variedade de perigos.”

Os desastres nos Estados Unidos costumavam seguir um padrão bastante previsível, disse Greenberg. O inverno trouxe neve; a primavera trouxe inundações e o verão e o início do outono geraram furacões, com esperança de algum tempo de inatividade antes que o ciclo recomeçasse.

Agora, essas mudanças sazonais estão a tornar-se menos significativas. “Uma tempestade de neve nas Montanhas Rochosas no inverno é muito normal”, disse ele. “Um tornado no Alabama no inverno não é.”

Brock Long, que atuou como administrador da FEMA durante a administração Trump, disse que o número crescente de desastres está sobrecarregando não apenas a agência, mas também os gestores de emergência em todos os níveis do governo.

O mapa diário de perspectivas de perigo da FEMA tornou-se uma espécie de guia ilustrado para a catástrofe, um alerta multicolorido sobre a calamidade que está por vir.

Greenberg vê uma fresta de esperança no implacável desfile de condições climáticas adversas: ele pode chamar a atenção dos americanos, ajudando-os a compreender que o mundo está mudando ao seu redor e que eles precisam estar preparados.

“Os perigos são reais”, disse Greenberg.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *