Sat. Jun 15th, 2024

Quando a Boeing nomeou Dave Calhoun como seu executivo-chefe em 2019, seu mandato era claro: tirar a empresa de uma crise de reputação após dois acidentes mortais em seus aviões. Mas na segunda-feira, a Boeing anunciou que Calhoun partiria no final de 2024, enquanto a empresa tentava administrar outra crise de segurança.

Aqui estão alguns dos episódios mais notáveis ​​​​do mandato de Calhoun, incluindo o encalhe de jatos 737 Max, interrupções no fornecimento causadas pela pandemia de Covid-19 e o incidente de 5 de janeiro deste ano, em que um painel de porta explodiu um jato Max em 16.000 pés.

Dezembro de 2019

Calhoun, que fazia parte do conselho de administração da Boeing desde 2009, é nomeado presidente-executivo após a destituição de Dennis A. Muilenburg, o líder combativo que foi criticado por ter lidado com dois acidentes em aviões Boeing Max 8 que mataram quase 350 pessoas. pessoas em 2018 e 2019. Os aviões Max foram aterrados após esses acidentes.

Uma semana antes de a empresa anunciar a nova função de Calhoun, a Boeing diz que está suspendendo a produção global do Max. Já havia reduzido a produção de 52 para 42 aviões por mês.

Março de 2020

Depois de dois meses no cargo, Calhoun culpa seu antecessor por promover uma cultura interna falha. Numa entrevista aos repórteres do New York Times, Calhoun critica Muilenburg por aumentar as taxas de produção a um nível que comprometeu a segurança do avião.

“Os conselhos investem em seus CEOs até que não o façam”, diz Calhoun.

“Tínhamos um plano de backup”, acrescenta. “Eu sou o plano reserva.”

Abril de 2020

Lidando com as consequências da pandemia de Covid-19, a Boeing anuncia que irá despedir cerca de 16.000 trabalhadores, ou 10% da sua força de trabalho. Meses depois, a empresa transfere a produção do 787 Dreamliner de uma fábrica sindicalizada em Everett, Washington, para uma fábrica não sindicalizada na Carolina do Sul. Outras centenas de engenheiros se aposentaram no final de 2022.

Desde então, a Boeing e seus fornecedores têm lutado para contratar trabalhadores de volta, complicando os esforços para aumentar a produção dos jatos Max. Agora, a empresa está em desacordo com o sindicato que representa mais de 30 mil mecânicos da área de Seattle, que estão à mesa de negociações em busca de um novo contrato.

18 de novembro de 2020

A Administração Federal de Aviação autoriza o jato Max a retomar os voos, após o que a agência chama de “mudanças de design”, juntamente com “mudanças nos procedimentos da tripulação e melhorias no treinamento”.

As paralisações custaram à Boeing cerca de US$ 20 bilhões quando os jatos Max retornarem ao serviço.

7 de janeiro de 2021

Nos últimos dias da administração Trump, o Departamento de Justiça chega a um acordo para que a Boeing pague mais de 2,5 mil milhões de dólares em troca de imunidade de processo criminal pelos acidentes do jato Max.

O Departamento de Justiça está agora a analisar se a Boeing cumpriu os termos do acordo depois de um incidente de segurança a bordo de um voo da Alaska Airlines ter levantado questões sobre os processos de segurança e controlo de qualidade da empresa.

Abril de 2021

Meses depois que os jatos Max voltaram a voar, a Boeing notifica 16 companhias aéreas e outros clientes sobre um possível problema elétrico com o Max e recomenda que parem temporariamente de voar em alguns aviões. A empresa se recusou a dizer quantos aviões foram afetados. (A FAA aprovou uma solução um mês depois para permitir que os aviões voltassem a operar.)

28 de dezembro de 2023

A Boeing instrui as companhias aéreas a inspecionar seus aviões em busca de possíveis parafusos soltos depois que uma companhia aérea descobriu o problema durante uma inspeção de rotina.

Um terrível incidente em um jato Boeing 737 Max – um painel de porta voa de um voo da Alaska Airlines a 16.000 pés – lança uma nova luz sobre os procedimentos de segurança da empresa sob o comando de Calhoun.

Um relatório do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes afirma que quatro parafusos destinados a fixar o painel foram removidos e aparentemente não substituídos nas instalações da Boeing em Renton, Washington.

A FAA aterra mais de 170 jatos Boeing Max para passar por inspeções de segurança adicionais. Executivos de clientes da Boeing, incluindo os executivos-chefes da United Airlines e da Alaska Air, atacam a Boeing. A Alaska Air disse que a paralisação dos jatos Max custaria US$ 150 milhões.

24 de janeiro de 2024

A FAA anuncia que a Boeing será impedida de expandir a produção até que a empresa resolva seus processos de controle de qualidade, um golpe nas aspirações da empresa de aumentar a produção dos aviões Max ao nível que tinha antes dos acidentes mortais.

“Isso não representará o retorno aos negócios normais para a Boeing”, diz Mike Whitaker, administrador da FAA. Ele acrescenta que a agência não aprovará nenhuma expansão na produção ou linhas de produção adicionais para o jato Max “até que estejamos satisfeitos de que os problemas de controle de qualidade descobertos durante este processo sejam resolvidos”.

Um mês depois, a FAA afirma que está dando à Boeing 90 dias, aproximadamente até o final de maio, para desenvolver um plano para resolver problemas de controle de qualidade.

31 de janeiro de 2024

A Boeing suspende as suas perspectivas financeiras para 2024, indicando que está a redobrar os seus esforços para se concentrar em questões de segurança e controlo de qualidade. O efeito financeiro total do incidente de 5 de janeiro ainda não é conhecido.

Desde o incidente de 5 de janeiro, o preço das ações da Boeing caiu mais de 20%.

11 de março de 2024

Um relatório do New York Times conclui que a Boeing foi reprovada em 33 das 89 auditorias de segurança da FAA. O relatório também mostra que a Spirit AeroSystems, fornecedora que fabrica a carroceria do 737 Max, foi reprovada em sete das 13 auditorias.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *