Tue. May 21st, 2024

O número de mortos em Gaza ultrapassou um marco sombrio na quinta-feira, quando o Ministério da Saúde local informou que mais de 30 mil pessoas foram mortas na guerra desde 7 de outubro.

O número de mortes desde que Israel lançou a sua ofensiva militar contra o Hamas em Gaza já tinha ultrapassado o número de mortos em qualquer conflito árabe anterior com Israel, quando ultrapassou os 20.000 em Dezembro. Muitos especialistas dizem que o número oficial é muito provavelmente subestimado, dada a dificuldade de contabilizar com precisão as mortes em meio a combates incessantes, interrupções nas comunicações, um sistema médico em colapso e pessoas que ainda se acredita estarem sob os escombros.

Ainda assim, o número divulgado é surpreendente – cerca de uma pessoa morta por cada 73 palestinianos em Gaza, cuja população é de cerca de 2,2 milhões.

Os números fornecidos pelo Ministério da Saúde de Gaza não fazem distinção entre civis e combatentes. Muitos observadores internacionais disseram acreditar que o número global de vítimas do ministério é fiável, enquanto a proporção de combatentes afiliados ao Hamas entre os mortos permanece incerta.

Um artigo publicado em novembro na revista médica britânica The Lancet disse que uma análise das primeiras semanas de relatórios de mortalidade do Ministério da Saúde “sugeriu dados de qualidade razoável” e que as mortes ocorreram “entre grupos populacionais de Gaza que provavelmente serão em grande parte civis”. .”

Israel tem estado sob crescente pressão internacional para parar a sua ofensiva, e até o Presidente Biden, o seu aliado mais forte, expressou crescente frustração com o aumento do número de mortos e o agravamento da crise humanitária em Gaza. Mas os líderes israelitas insistiram que continuarão a lutar para eliminar o Hamas, o grupo armado que liderou o ataque de 7 de Outubro a Israel, no qual as autoridades dizem que pelo menos 1.200 pessoas foram mortas e outras 240 feitas reféns, dando início à guerra.

Mediadores dos EUA, do Egipto e do Qatar estão a trabalhar para mediar um cessar-fogo e a libertação de reféns, mas as perspectivas de que tal aconteça permanecem obscuras.

Na quarta-feira, o líder político do Hamas disse num discurso televisionado que embora o grupo estivesse aberto a fazer um acordo com Israel, também estava pronto para continuar a lutar. Ele apelou aos palestinos para marcharem até ao complexo da mesquita de Aqsa, em Jerusalém, em Março, levantando a perspectiva de novos confrontos com as forças de segurança israelitas em torno de um local sagrado tanto para muçulmanos como para judeus.

Além de correrem o risco de serem mortos em greves ou combates, os palestinianos vivem com o espectro crescente da fome e das doenças.

O Ministério da Saúde disse que crianças morreram de desidratação e desnutrição nos últimos dias. Um médico que esteve em Gaza no final de Janeiro disse esta semana ao programa “60 Minutes” da CBS que as pessoas estavam a morrer “numa situação totalmente tratável” devido à falta de fornecimentos médicos básicos.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, disse na quinta-feira em uma postagem nas redes sociais marcando o 30.000 mortes que a maioria dos mortos em Gaza eram mulheres e crianças.

“Esta horrível violência e sofrimento devem acabar”, escreveu ele. “Cessar-fogo.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *