Tue. May 21st, 2024

No final de Abril de 2015, durante uma viagem de reportagem a Moscovo, visitei os escritórios da campanha anticorrupção dirigida por Aleksei Navalny.

Na altura, o seu partido político estava a preparar-se para as eleições russas de 2016 e o ​​seu perfil internacional estava a crescer. Para muitos, ele parecia ser o único líder em potencial que poderia oferecer à Rússia um caminho diferente – uma possibilidade que parecia ainda mais significativa depois que a Rússia invadiu a Crimeia em 2014, e após o assassinato de Boris Nemtsov, um conhecido político e crítico liberal. do presidente Vladimir Putin, em fevereiro de 2015.

Não conheci Navalny, mas passei algum tempo conversando com vários dos jovens que estavam trabalhando em sua campanha política e iniciativa anticorrupção.

Lembro-me bem do dia. A neve derretida no caminho para o prédio da campanha era traiçoeira, com finas crostas de gelo sobre a lama suja que encharcava a parte superior das minhas botas. Por dentro, o escritório tinha a decoração colorida de uma startup de tecnologia. E a energia dos jovens funcionários que conheci era palpável. Muitos deles continuaram a trabalhar enquanto escurecia lá fora, e perguntei-me se a ameaça iminente de retaliação do governo emprestaria urgência às suas tarefas.

Ao contrário de outras figuras da oposição, Navalny não era apenas um dissidente, mas também um político convincente: alguém que tinha construído seguidores genuínos, um partido político nascente e uma causa anticorrupção que lhe estava a atrair a atenção e a aclamação entre os russos comuns.

Conversando com algumas pessoas daquele gabinete, foi possível ver os contornos nebulosos de um futuro mais democrático para a Rússia: o apoio popular à campanha anticorrupção de Navalny poderá crescer, minando a popularidade que era um dos maiores trunfos políticos de Putin; as instituições podem demonstrar alguma independência; o apoio da elite pode falhar; Os antigos aliados de Putin poderão forçá-lo a sair do poder.

Ninguém com qualquer compreensão da situação esperava que fosse fácil. Mas a história está repleta de exemplos de mudanças democráticas que pareciam impossíveis até acontecerem subitamente.

Na semana passada, Navalny morreu na prisão do Ártico para onde Putin o enviou sob acusações que se acredita terem sido inventadas para silenciá-lo. Sua esposa prometeu continuar seu trabalho e sua morte pode torná-lo uma figura de mártir. Mas mesmo que isso aconteça, o caminho para uma Rússia diferente tornou-se muito mais difícil de ver.

Todos os políticos estão empenhados em mitificar a si mesmos, e a maneira mais fácil de compreender a vida e a campanha de Navalny como ele queria que fossem vistas é assistir ao documentário homônimo e vencedor do Oscar sobre ele. Isso o mostra como um dissidente da era da internet: um homem que não apenas continua seu trabalho político depois de sobreviver a uma tentativa de assassinato, mas que também faz trotes com o assassino, faz com que ele admita tudo enquanto as câmeras rodam e depois carrega a gravação para o YouTube.

Para compreender a sua morte, é necessário ir além dessa auto-apresentação e compreender o sistema político russo no qual ele tentava operar. “Nada é verdade e tudo é possível: aventuras na Rússia moderna”, de Peter Pomerantsev, capta a estranha manipulação da realidade sob o sistema autoritário de Putin. Num tal ambiente, ninguém pode ter a certeza da verdade, tornando impossível confiar em qualquer instituição ou líder, e todos estão constantemente na defensiva.

Ao mesmo tempo, num lugar onde “tudo é possível”, como diz Pomerantsev, uma figura que tem um perfil público, mas sem uma posição real ou autoridade política como Navalny, ainda pode parecer uma ameaça.

Desde o início, Navalny tentou fazer nome ao abraçar políticas ultranacionalistas, cultivando o apoio entre a extrema direita que exigia “Rússia para os Russos”. Mas sua postura evoluiu e ele não repetiu tais afirmações nos últimos anos. (Em um dos episódios mais surreais da minha carreira no jornalismo, certa vez entrevistei um ativista russo de extrema direita em um café com tema de anime dentro de um luxuoso shopping center de Moscou. Ele examinou um menu de sobremesas em forma de gatos de desenho animado enquanto criticava Navalny por sua amizade nos bons tempos.)

Em vez disso, foi o trabalho anticorrupção que realmente trouxe Navalny à proeminência, como escreveu Julia Ioffe num perfil de 2011 da New Yorker. Para entender por que a raiva pública em relação à corrupção era um território político tão fértil, e por que a oposição efetiva a ela era tão ameaçadora para Putin, considere “Putin’s People”, de Catherine Belton, que pinta um retrato detalhado de como a corrupção foi tecida no tecido político da Rússia. após o colapso da União Soviética e como isso alimentou a carreira de Putin.

Os membros da equipe de Navalny foram generosos com seu tempo no dia em que visitei, guiando-me por vários projetos com um entusiasmo vacilante – uma iniciativa para melhorar os serviços do governo local aqui, um esforço de organização política ali. Lembro-me de muitos jovens com roupas interessantes, muitos quadros brancos e marcadores, muitas planilhas nas telas dos laptops da Apple.

Às vezes, quando me encontro com organizações políticas, descubro que elas têm opções que eu não conhecia, alavancas de poder que estão dispostas e são capazes de exercer. Mas falar com a organização de Navalny fez-me perceber que eles tinham ainda menos opções do que eu pensava. Embora alegres face à crescente repressão estatal às suas actividades, e determinados a continuar, os seus esforços não conseguiram ultrapassar a barreira entre a sociedade civil e o poder estatal.

Na semana em que estive lá, o governo anunciou que o partido de Navalny não estaria nas urnas, alegando problemas técnicos com o processo de registo de filiais regionais. Fazer planilhas de buracos não preenchidos e postes de iluminação queimados — um dos projetos que a equipe me mostrou — era uma boa maneira de rastrear pequenos casos de corrupção oficial e construir a confiança do público, mas não os aproximava de cargos políticos.

A teoria de que Navalny poderia ser uma verdadeira força de oposição política na Rússia baseava-se na ideia de que mesmo Putin não estava totalmente imune ao escândalo e à responsabilização pública. Mas a força com que o governo russo reprimiu Navalny e o seu movimento mostrou de facto o quanto o Estado já se tinha endurecido no autoritarismo.

Esse foi o paradoxo de Navalny. Ao pretender tornar-se político e agir como se a responsabilização democrática fosse possível, ele veio a personificar o fim da experiência da Rússia na política democrática. Ao desafiar o poder de Putin, Navalny mostrou o controle de ferro que o presidente russo tinha sobre ele.


Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *