Tue. May 21st, 2024

A África do Sul disse na terça-feira que as políticas de Israel em relação aos palestinianos eram “uma forma mais extrema de apartheid”, invocando a sua própria história carregada de discriminação racial para aumentar a pressão global sobre Israel no Tribunal Internacional de Justiça em Haia.

O tribunal, o mais alto órgão judicial das Nações Unidas, está a ouvir há seis dias argumentos sobre a “ocupação, colonização e anexação” de territórios palestinianos por Israel, incluindo a Cisjordânia e Jerusalém Oriental. A Assembleia Geral da ONU pediu ao tribunal que analisasse a legalidade das políticas israelitas nos territórios palestinianos há mais de um ano, antes da guerra de Israel contra o Hamas em Gaza.

No processo, que começou na segunda-feira, mais de 50 países estavam programados para discutir perante a bancada de 15 juízes durante a próxima semana, um nível de participação nunca antes visto no tribunal. Espera-se que o tribunal emita um parecer consultivo que não seja vinculativo. Israel disse que não participará das alegações orais, alegando que as questões apresentadas ao tribunal eram tendenciosas.

O embaixador da África do Sul nos Países Baixos, Vusi Madonsela, dirigiu-se aos juízes na manhã de terça-feira, semanas depois de o seu país ter argumentado no tribunal que Israel estava a cometer genocídio contra os palestinianos em Gaza. Nesse caso, o tribunal ordenou que Israel, que negou as acusações, tomasse medidas para prevenir o genocídio em Gaza, mas ainda não se pronunciou sobre se tal está a ocorrer.

Madonsela, recordando a “experiência dolorosa” da África do Sul de décadas de apartheid e discriminação, traçou paralelos com o que chamou de colonização dos territórios palestinianos por Israel em 1967. Citando os sistemas judiciais separados, as regras de zoneamento de terras, as estradas e os direitos de habitação para os palestinos , ele disse que Israel implementou um “sistema de duas camadas de leis, regras e serviços” que beneficia os colonos judeus enquanto “nega os direitos dos palestinos”.

Israel há muito nega que opera um sistema de apartheid, chamando tais alegações de calúnia.

Os sul-africanos veem “uma forma ainda mais extrema de apartheid que foi institucionalizada contra os negros no meu país”, disse Madonsela. Ele disse que a África do Sul tinha a obrigação especial de denunciar as práticas do apartheid onde quer que ocorressem. Ele também apelou a Israel para desmantelar o muro de separação entre Israel e a Cisjordânia, que o tribunal ordenou que fosse removido em 2004 e que ainda existe.

Os Estados Unidos devem apresentar argumentos na quarta-feira.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *