Sat. Jun 15th, 2024

O motim tomou conta da Ilha Mackinac.

A reverenciada reunião política e política de dois dias do Partido Republicano de Michigan, a Conferência de Liderança Republicana Mackinac, foi uma bagunça total.

O comparecimento despencou. Os principais candidatos presidenciais não compareceram ao evento de setembro e alguns oradores não compareceram. Os convidados ficaram perplexos com um sistema de pontuação que classificava a sua ideologia numa escala, desde um verdadeiro conservador até um chamado RINO, ou Republicano apenas no nome.

E o partido estatal, já profundamente endividado, contraiu um empréstimo de 110 mil dólares para pagar o orador principal, Jim Caviezel, um actor que conquistou seguidores fervorosos entre a extrema direita depois de estrelar um filme de sucesso este Verão sobre o tráfico sexual de crianças. O empréstimo veio de um fundo fiduciário vinculado à esposa do diretor executivo do partido, segundo registros do partido.

Para alguns republicanos do Michigan, foi a gota d’água para uma liderança caótica do partido estadual que tem sido atormentada por crescentes problemas financeiros, falta de arrecadação de fundos, reuniões secretas e lutas internas persistentes. A culpa centrou-se na impetuosa presidente, Kristina Karamo, que disparou até ao topo do partido estatal através de um tipo combativo de negação eleitoral, mas não conseguiu cumprir as suas promessas de novas fontes de angariação de fundos e exércitos de activistas.

Este mês, a dissidência interna eclodiu numa tentativa de destituir a Sra. Karamo, que, se bem-sucedida, seria a primeira destituição de um líder do Partido Republicano de Michigan em décadas. Quase 40 membros do comitê estadual do Partido Republicano de Michigan convocaram uma reunião no final de dezembro para explorar a saída da Sra. Pouco antes do Natal, Malinda Pego, companheira de chapa de Karamo para presidente do partido estadual e copresidente do comitê, aderiu a esse esforço, em um sinal ameaçador para a presidente em apuros. E na quinta-feira, oito dos 13 presidentes republicanos do partido distrital do Congresso pediram à Sra. Karamo que renunciasse em uma carta conjunta, implorando-lhe que “acabasse com o caos” renunciando.

Mas essa reunião foi adiada, sem data definida no calendário. Karamo prometeu revidar, criticando o esforço como ilegítimo.

A batalha campal pelo controlo do partido estadual num campo de batalha presidencial preeminente é o exemplo mais extremo dos conflitos que estão a fermentar nos partidos republicanos estaduais em todo o país. Outrora dominados em grande parte por doadores endinheirados do establishment e seus aliados, muitos partidos estaduais foram assumidos por activistas republicanos de base, energizados pelo antigo Presidente Donald J. Trump e pelos seus ataques contra a legitimidade das eleições.

Estes activistas, que agora ocupam cargos de poder estatal e local, elevaram outros que partilham os seus pontos de vista, dando prioridade à negação eleitoral em detrimento da experiência e das credenciais.

O resultado foram problemas e divisão na arrecadação de fundos. O Partido Republicano do Arizona passou grande parte deste ano endividado.

O Partido Republicano da Geórgia teve dificuldades semelhantes, causadas principalmente por honorários advocatícios relacionados com os esforços para subverter as eleições de 2020. O governador do estado, Brian Kemp, um raro líder republicano que resistiu a Trump, foi forçado a formar seu próprio aparato político fora do partido estadual para sua campanha de reeleição em 2022. Os líderes do partido em ambos os estados se alinharam com o movimento de negação eleitoral.

Veteranos da política republicana dizem que os partidos estaduais desempenham um papel vital na vitória eleitoral, agindo como uma câmara de compensação para a distribuição de grandes doações de grupos nacionais não familiarizados com o terreno local e oferecendo descontos em custos dispendiosos de campanha, como correio. Eles ajudam a identificar potenciais candidatos e corridas vencíveis. Eles são uma fonte dos tipos de ativistas e voluntários essenciais para impulsionar campanhas em todo o estado. E eles arrecadam dinheiro.

Tudo isso está em risco em lugares como Michigan.

“É preciso que as pessoas façam coisas do tipo couro de sapato em campanhas além do dinheiro, e é aí que acho que Michigan será prejudicado”, disse Jeff Timmer, ex-diretor executivo do Partido Republicano de Michigan. “Você não pode substituir tudo por dinheiro. Algumas coisas ainda levam as pessoas ao controle, e elas não podem comprar mercenários para fazer isso.”

Isso poderá ter um impacto significativo no Michigan, onde sondagens recentes mostraram que Trump tem apenas uma pequena vantagem sobre o Presidente Biden e onde, em 2022, uma onda democrata varreu o estado.

Mas antes que o Partido Republicano estadual possa ajudar a tentar virar o estado para o vermelho, ele deve liquidar sua dívida, que era de cerca de US$ 620 mil no início de dezembro, de acordo com registros bancários divulgados em um relatório de republicanos estaduais visando Karamo. O partido terá de angariar dinheiro por conta própria simplesmente para pagar a sua contabilidade.

As finanças precárias deixaram os republicanos nacionais preocupados em dar dinheiro ao partido estatal para actividades relacionadas com as eleições, temendo que este fosse simplesmente aplicado na dívida, de acordo com duas pessoas familiarizadas com as deliberações do Comité Nacional Republicano.

Os legisladores estaduais republicanos estão cada vez mais frustrados.

“O Partido Republicano de Michigan está à beira de implodir; Tenho mais dinheiro na minha conta de campanha do que o partido estadual tem na sua”, disse o deputado estadual Mark Tisdel em uma reunião na prefeitura em dezembro. “Mais cedo ou mais tarde, os credores vão ligar.”

Karamo não respondeu aos pedidos de comentários, mas divulgou uma carta dois dias antes do Natal proclamando que “não seremos dissuadidos” e denunciando as “lutas internas”.

“Esses esforços enganosos e dissimulados colocam em risco o impulso do Partido Republicano de Michigan rumo à vitória em 2024”, escreveu ela. “Eles também perturbam a determinação dos homens e mulheres republicanos que trabalham incansavelmente para vencer a guerra espiritual travada num campo de batalha cultural.”

Daniel Hartman, advogado do Partido Republicano de Michigan, descreveu o esforço para remover a Sra. Karamo como “cerca de 15 agitadores”, acrescentando que “outras 15 pessoas em 120 são membros do comitê que se opõem à administração desde o primeiro dia”.

As regras do partido, acrescentou, não permitem a destituição de qualquer dirigente, a menos que 50 por cento dos delegados do partido estadual assinem uma petição solicitando uma votação e 75 por cento do comitê estadual vote para destituir o dirigente.

O Comitê Nacional Republicano se recusou a responder a perguntas sobre o Partido Republicano de Michigan

Com a fuga dos principais doadores, Karamo lançou uma nova direção para o partido estadual: tentar persuadir quase 500 mil proprietários de pequenas empresas em Michigan, que ela alegou serem de direita, a contribuir com US$ 10 a US$ 50 todos os meses. Após um “tempo de expansão da infraestrutura de 60 dias”, ela projetou que o partido arrecadaria até US$ 60 milhões anualmente.

Isso não aconteceu.

Em julho, o partido tinha menos de US$ 150 mil no banco. Sob cerco, a liderança do partido estadual começou a realizar reuniões em privado. Uma reunião naquele mês evoluiu para uma briga que quebrou a dentadura de um presidente do condado e o deixou com fraturas por estresse na coluna, informou o Detroit News.

A Sra. Karamo logo começou a expulsar dirigentes dissidentes do partido. Os vice-presidentes começaram a reclamar na mídia que se sentiam marginalizados. Dois membros do comité orçamental demitiram-se por medo de serem responsabilizados, de acordo com o relatório compilado pelos republicanos anti-Karamo. E ela dissolveu o comitê de resolução de conflitos do partido.

A tumultuada reunião de Mackinac deixou os republicanos de Michigan ainda mais alienados.

“Eles nos classificaram como sendo republicanos sólidos – um, dois, três ou quatro – e o número quatro sendo um RINO”, disse Pete Hoekstra, ex-embaixador na Holanda durante a administração Trump e ex-congressista republicano de Michigan. “Deveríamos estar construindo um partido, não dividindo um partido em nossas próprias categorias.”

Em novembro, Karamo estava tentando vender a antiga sede do partido, um prédio a poucos passos do Capitólio do Estado em Lansing, que havia sido pago por dois doadores ricos. A Sra. Karamo e o partido estatal não são proprietários do edifício; é propriedade de um fundo controlado por ex-presidentes de partidos estaduais.

A Sra. Karamo havia desocupado a sede meses antes, argumentando que as taxas de manutenção eram um custo desnecessário. Ao sair, Karamo permitiu que a eletricidade fosse desligada, o que liberou as fechaduras eletrônicas do prédio e o deixou aberto ao público, segundo o relatório dos republicanos que se opõem à presidente.

O principal autor do relatório, Warren Carpenter, é um líder republicano local e ex-aliado de Karamo. Com a ajuda de um ex-procurador-geral do estado, ele compilou o documento de 140 páginas, intitulado “A liderança fracassada da administração Karamo”. O New York Times obteve uma cópia do relatório.

O relatório detalha favores de Karamo a aliados políticos, como o pagamento de quase US$ 90 mil a uma empresa administrada pelo homem que a nomeou presidente; contabilidade desleixada; e a dívida crescente do partido.

Logo, presidentes de condado proeminentes pediram a remoção da Sra. Karamo.

Mark Forton, presidente do Partido Republicano do Condado de Macomb, que foi uma força chave na ascensão de Karamo, apelou no final de Novembro a “uma mudança completa na liderança” numa carta ao comité estadual que foi obtida pelo The Times.

No início de dezembro, Vance Patrick, presidente do Partido Republicano do condado de Oakland, a maior organização partidária do condado no estado, encorajou sua remoção, citando “uma nova controvérsia a cada semana, desviando a atenção da importante tarefa de organizar o partido para vencer as eleições. ”

Carpenter disse em uma entrevista que tinha votos suficientes para destituir Karamo, mas que ele e os republicanos com ideias semelhantes estavam agindo com cautela, acreditando que ela poderia processar.

Ao mesmo tempo, os republicanos anti-Karamo procuram um novo líder. Uma pessoa citada é Hoekstra, que disse não estar considerando tal medida “até que haja uma abertura”, mas que havia indicado uma “clara disposição nos últimos meses de ajudar o partido”.

“Para vencer em Michigan, você precisa de republicanos, de independentes e de atrair democratas”, disse ele, apontando para a coalizão de Trump em 2016, quando ele venceu no estado por cerca de 10 mil votos. “Precisamos que todos se sintam bem-vindos na festa.”

Muitos dos antigos aliados de Karamo, entretanto, sentem-se desiludidos.

“Senhoras e senhores, não há forma de observarmos os acontecimentos dos últimos nove meses e defendermos esta administração usando comentários como ‘inexperiência’ ou ‘incompetência’”, escreveu o Sr. Forton na sua carta de Novembro. “Simplificando, fomos enganados.”

Kitty Bennet contribuiu com pesquisas.

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *