Wed. Jun 19th, 2024

Os especialistas prevêem que o norte de Gaza enfrentará condições de fome ainda este mês, e que metade da população do enclave sofrerá níveis mortais de fome, de acordo com um novo relatório da autoridade global que classifica as crises de segurança alimentar há décadas.

O relatório, divulgado segunda-feira pela iniciativa global Classificação Integrada da Fase de Segurança Alimentar, projectou que a fome é “iminente” para os 300.000 civis palestinianos no norte de Gaza, onde tais condições se desenvolverão até ao final de Maio. E em meados de Julho, cerca de 1,1 milhões de pessoas em Gaza poderão enfrentar aquilo que o grupo caracterizou como a pior fase da fome: uma “extrema falta de alimentos” e níveis graves de fome, morte, miséria e desnutrição aguda.


O gráfico de barras mostra a proporção de províncias do norte e do sul de Gaza que enfrentam diferentes níveis de insegurança alimentar, desde stress (nível 2) até fome (nível 5).

Níveis de insegurança alimentar por região

Deir al-Balah e Khan Younis

Níveis de insegurança alimentar por região

Deir al-Balah e Khan Younis

O grupo – criado em 2004 por agências da ONU e grupos de ajuda internacional, e conhecido como IPC – classificou a situação de fome apenas duas vezes: em 2011, em partes da Somália, e em 2017, em partes do Sudão do Sul. Nesses países, proporções relativamente pequenas da população cumpriam os critérios do grupo para condições de fome. Em Gaza, os residentes do norte criticamente ameaçado representam mais de 13 por cento da população.

De acordo com o IPC, a fome ocorre quando são satisfeitas três condições: pelo menos 20 por cento das famílias têm uma falta extrema de alimentos; pelo menos 30% das crianças sofrem de desnutrição aguda; e pelo menos dois adultos, ou quatro crianças, em cada 10.000 pessoas morrem diariamente de fome ou de doenças ligadas à desnutrição. (Embora os especialistas do IPC conduzam e analisem as análises necessárias para classificar uma fome, apenas o governo e os principais funcionários da ONU podem fazer oficialmente uma declaração oficial.)

O relatório observou que a primeira condição já foi cumprida e a segunda provavelmente foi alcançada. A recolha de dados sobre o terceiro, as mortes relacionadas com a desnutrição, é imensamente difícil numa zona de guerra, afirmou o grupo. A taxa de mortalidade entre crianças parecia mais elevada do que entre adultos, acrescentou, mas disse que era “impossível determinar”.

Pelo menos 27 pessoas, incluindo 23 crianças, morreram de desnutrição, desidratação e falta de fórmula infantil, segundo o Ministério da Saúde de Gaza.

O economista-chefe do Programa Alimentar Mundial, Arif Husain, disse que “o tempo está a esgotar-se” para muitos habitantes de Gaza. “É por isso que as crianças estão morrendo”, disse ele. “Se não chegarmos lá, eles não morrerão em 20 ou 30 anos, morrerão às centenas e milhares.”

Alex de Waal, especialista em crises humanitárias que escreveu um livro sobre a fome em massa, disse que a situação em Gaza era “sem precedentes”.

“Nenhum de nós que trabalhamos nesta área jamais viu algo assim”, disse ele. “É absolutamente chocante.”

O IPC classifica a insegurança alimentar aguda em cinco fases, que vão da mínima à catastrófica.

Todos os 2,2 milhões de habitantes de Gaza estão pelo menos no terceiro nível, ou crise, de insegurança alimentar, o que significa que não comem o suficiente e estão subnutridos. Quase 40 por cento estão na quarta fase, ou fase de emergência, enfrentando escassez extrema de alimentos e correndo um risco aumentado de morte relacionada com a fome. E 30 por cento estão na fase mais grave, indicando que quase não têm comida e enfrentam níveis críticos de fome e morte.

Em Dezembro, o grupo alertou que a fome poderia ocorrer dentro de seis meses, a menos que os combates parassem imediatamente e mais suprimentos humanitários chegassem ao território. “Desde então, as condições necessárias para prevenir a fome não foram cumpridas”, afirma o último relatório.

O Comité de Revisão da Fome, um grupo dentro do IPC que estudou a análise nutricional do relatório, disse que a fome poderia ser evitada por “uma decisão política imediata para um cessar-fogo, juntamente com um aumento significativo e imediato no acesso humanitário e comercial a toda a população de Gaza.”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, chamou o relatório de “uma terrível acusação das condições no terreno para os civis”. A crise da fome, disse ele, “é um desastre inteiramente provocado pelo homem – e o relatório deixa claro que pode ser travado”.

Mais de cinco meses após o início da campanha de Israel contra o Hamas, os especialistas em fome estimam que quase toda a população de Gaza depende de ajuda alimentar. Israel aliviou as restrições às entregas humanitárias que estabeleceu imediatamente após os ataques liderados pelo Hamas em 7 de Outubro, mas grupos de ajuda dizem que a ajuda que chega a Gaza não é suficiente.

A UNRWA, a agência da ONU que apoia os palestinos, disse que Gaza está recebendo apenas uma fração do que é necessário para evitar que as condições continuem a deteriorar-se. Grande parte dessa ajuda não vai muito além do local onde atravessa a fronteira.

Josep Borrell Fontelles, o principal diplomata da União Europeia, instou Israel a permitir “acesso humanitário livre, desimpedido e seguro”.

“A fome não pode ser usada como arma de guerra”, disse ele num comunicado.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, rejeitou as críticas de Borrell, dizendo que o país permite ampla ajuda por via aérea, terrestre e marítima.

Amy SchoenfeldWalker, Elena Shao e Farnaz Fassihi relatórios contribuídos.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *