Wed. Feb 21st, 2024

A ideologia política conhecida como “Macronismo” sempre foi sobre acção, até mesmo agitação, pelo menos na forma verbal. Emmanuel Macron entrou em cena em 2017 prometendo uma “revolução”. Desde então, ao longo de mais de seis anos como presidente de França, abraçou uma “refundação” e rebatizou o seu partido político de “Renascença”. Agora, ele pede um “rearmamento” cívico.

Talvez não seja evidente, a partir deste léxico revigorante de um homem inquieto, que, em muitos aspectos, Macron, 46 anos, tenha seguido uma direcção conservadora. A outra palavra que começa com “R” e que caracteriza um presidente cujas raízes estão no Partido Socialista é “direita”.

A coletiva de imprensa de Macron no horário nobre desta semana foi repleta de palavras “ordem” e “respeito”, enquanto o presidente apelou para que “La Marseillaise”, o hino nacional da França, fosse aprendido na escola primária e para a reintrodução experimental de uniformes escolares .

Ele iria, disse ele, dedicar-se a garantir que “a França continua a ser França”, reintroduzindo lições de educação cívica, instituindo uma forma de serviço comunitário obrigatório para adolescentes, combatendo a imigração ilegal e duplicando a presença da polícia nas ruas para combater as drogas e a “incivilidade”. Macron tinha claramente libertado o seu De Gaulle interior.

À medida que acena com a cabeça e pisca para a direita, seu desempenho foi notável. “O macronismo está morto, viva o SarkoMacronismo!” Franz-Olivier Giesbert escreveu na revista semanal Le Point, aludindo ao ex-presidente Nicolas Sarkozy, um político de direita com um estilo Energizer Bunny.

Isto talvez tenha sido um pouco injusto para com Macron, que fez um tour de force de 150 minutos que abordou todos os dossiês, desde a guerra na Ucrânia até à propagação da infertilidade na sociedade francesa. Seu desempenho também foi um lembrete para os americanos do que a juventude pode oferecer na política.

O objectivo de Macron era definir um rumo para o seu novo governo, liderado por Gabriel Attal, que, aos 34 anos, é o primeiro-ministro mais jovem da história francesa moderna.

A composição do governo de Attal, com oito dos 15 ministérios ocupados por políticos vindos do partido de centro-direita Les Républicains, já era uma indicação clara de que Macron havia acabado com a ambiguidade que lhe valeu o apelido de “ ao mesmo tempo” presidente.

A virada decisiva para a juventude e para a direita refletiu várias coisas, disseram autoridades próximas a Macron. O moral no Palácio do Eliseu estava baixo, com murmúrios de “pato manco” a multiplicarem-se à medida que o presidente, cujo mandato está limitado e deve deixar o cargo em 2027, enfrentava a impopularidade crescente e procurava um sentido de orientação. Cerca de dois terços do país são hostis a ele, segundo pesquisas.

Como o principal desafio para Macron vem da extrema direita, na forma da candidata presidencial perene Marine Le Pen, e porque ele depende do apoio na Assembleia Nacional do partido Republicano de centro-direita para aprovar legislação, o presidente tem um forte incentivo para agir.

Ele não tem maioria absoluta no Parlamento, um dilema que nenhuma acrobacia verbal poderá dissipar.

Na coletiva de imprensa, Macron chamou o Comício Nacional de Le Pen de “o partido do empobrecimento coletivo” e prometeu remediar “o sentimento de despossessão” sentido por alguns franceses – uma aparente referência às consequências da imigração, especialmente de Norte de África, que a Sra. Le Pen explorou com as suas injúrias xenófobas.

O teste político mais imediato às decisões do Sr. Macron ocorrerá nas eleições para o Parlamento Europeu, em junho.

O presidente quer evitar uma vitória da extrema direita contrariando o apelo carismático de Jordan Bardella, o presidente do National Rally, de 28 anos. Macron enviou agora Attal, cuja segurança telegénica e pronta adaptabilidade fazem dele um protegido natural do presidente, contra o jovem líder direitista.

Depois das eleições, Macron contará com Attal para minar a popularidade de Le Pen através de medidas duras em matéria de imigração e segurança. “A França nunca rimará com declínio”, disse Attal no seu discurso de aceitação no início deste mês. Ele usou as palavras “forte” e “força” seis vezes.

As Olimpíadas de Paris estão chegando neste verão, e o presidente conta com um momento triunfante de beleza e pompa das margens do Sena até os subúrbios do norte para dar um impulso à sua presidência. Ele anunciou na quinta-feira que o acesso a apresentações culturais de todos os tipos seria gratuito durante dois meses durante o verão para marcar as Olimpíadas.

O enigma da impopularidade de Macron é que, em muitos níveis, ele tem sido um presidente de sucesso – superando a onda de protestos dos Coletes Amarelos, vencendo o pior da pandemia de Covid-19, reduzindo drasticamente o desemprego para pouco mais de 7%, manter um crescimento modesto apesar dos efeitos da guerra na Ucrânia e atrair elevados níveis de investimento estrangeiro.

Na verdade, a França teve recentemente motivos para se vangloriar. A sua vizinha Alemanha, que entrou em recessão no ano passado, cresceu apenas 0,7% desde 2019 e enfrenta protestos generalizados nas ruas, provocados em parte pela decisão de eliminar gradualmente os subsídios ao gasóleo – a mesma questão que desencadeou o movimento francês dos Coletes Amarelos em 2018.

O argumento actual de que a economia francesa é hoje mais forte do que a antiga potência alemã parece convincente.

A França, com a sua dependência bem sucedida da energia nuclear para cerca de 60 a 70 por cento da sua produção de electricidade, gosta de ridicularizar a falta de fontes de energia domésticas na Alemanha. Ao mesmo tempo, a rápida ascensão na Alemanha do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha, conhecido como AfD, reflectiu uma crise de confiança e mal-estar mais normalmente associada a França. A Reunião Nacional é um fenómeno antigo que agora entrou na corrente política dominante; a força da AfD na Alemanha é uma novidade chocante.

Poderá Macron traduzir alguma destas conquistas em maior popularidade? A resposta não é clara porque grande parte da antipatia por ele reside mais no sentimento do que na análise – uma sensação de que ele é de alguma forma estranho, muito egoísta, muito apaixonado por sua própria voz, um homem de “Júpiter” que não sabe como dar tapinhas nas costas de uma vaca, uma qualificação política francesa essencial.

Uma coisa é certa: ele lançou os dados para manter Le Pen no cargo mais alto do país, e o tempo está a contar. Quanto ao facto de a França continuar a ser França, isso sem dúvida resolver-se-á por si próprio.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *