Sun. May 26th, 2024

Dois anos após a invasão da Ucrânia pela Rússia, os Estados Unidos têm a capacidade de manter Kiev abastecida com armas, tecnologia e inteligência para evitar uma tomada de poder por Moscovo. Mas agora considera-se que Washington perdeu a sua vontade em toda a Europa.

Os europeus, pelo contrário, têm vontade – acabaram de comprometer mais 54 mil milhões de dólares para reconstruir o país – mas quando se trata de repelir a ofensiva revivida da Rússia, não têm capacidade.

Esta é a essência do enigma que a Ucrânia e os aliados da NATO enfrentam no triste segundo aniversário da guerra. É uma inversão impressionante. Há apenas um ano, muitos aqui previram que a contra-ofensiva da Ucrânia, reforçada por tanques e mísseis europeus e pela artilharia e defesas aéreas americanas, poderia empurrar os russos de volta para onde estavam em 24 de Fevereiro de 2022.

Agora, algumas lições duras surgiram. As sanções que deveriam colocar a economia da Rússia de joelhos – “o rublo é quase imediatamente reduzido a escombros”, declarou o Presidente Biden em Varsóvia em Março de 2022 – perderam o seu efeito. A previsão do Fundo Monetário Internacional de que a economia russa iria encolher consideravelmente só foi brevemente verdadeira; com o enorme estímulo dos gastos militares, está a crescer mais rapidamente do que o da Alemanha. As receitas provenientes das exportações de petróleo são maiores do que eram antes da invasão.

Com os reveses e o fracasso da contra-ofensiva ucraniana, a esperança quase ruiu de que o Presidente Vladimir V. Putin da Rússia concluirá em breve que não poderá obter mais ganhos e deverá iniciar uma negociação séria para acabar com a guerra.

Autoridades de inteligência americanas e europeias avaliam agora que Putin está determinado a resistir, mesmo ao custo de enormes baixas, na esperança de que um fracasso no Congresso em financiar suficientemente o esforço da Ucrânia ou uma vitória do ex-presidente Donald J. Trump em novembro compensará os muitos erros iniciais do líder russo.

Funcionários do governo Biden ainda insistem que Putin já sofreu uma “derrota estratégica”. As suas forças armadas são humilhadas pelos seus primeiros fracassos e enormes baixas, e a Rússia pode contar apenas com a China, o Irão e a Coreia do Norte como fornecedores fiáveis.

Ao mesmo tempo, a NATO alargou-se. A Suécia deverá tornar-se o 32.º Estado-Membro dentro de poucos dias, após a adição da Finlândia no ano passado, e dois terços dos seus membros gastarão cada um 2% do seu produto interno bruto na defesa este ano, um aumento significativo.

Pela primeira vez desde a fundação da NATO em 1949, os europeus estão finalmente a levar a sério a necessidade de uma infra-estrutura de defesa independente dos Estados Unidos.

Ainda assim, como recentes relatórios de inteligência na Europa indicam que as nações da NATO poderão ser o alvo de Putin nos próximos três a cinco anos, a questão permanece: Sem um compromisso americano duradouro, conseguirão a Ucrânia e a Europa defender-se contra uma nova ameaça russa?

No centro do actual impasse estratégico está a ausência de qualquer perspectiva séria de uma solução negociada.

Ainda no Verão passado, altos membros da administração Biden mantinham a esperança de que os avanços ucranianos no campo de batalha forçariam Putin a encontrar uma saída que salvasse a sua aparência. A possibilidade mais discutida foi um acordo negociado que não deixasse claro o futuro das partes da Ucrânia capturadas ou anexadas pela Rússia, mas que pelo menos poria fim aos combates.

Ao mesmo tempo, numa cimeira da NATO em Vilnius, Lituânia, o Sr. Biden e os seus assessores discutiam com o Presidente Volodymyr Zelensky a elaboração de um “modelo Israelita” de ajuda à Ucrânia. Mesmo que não fosse uma adesão efectiva, o plano aspirava fornecer uma garantia de uma década de armas e treino de que a Ucrânia necessitaria para manter a Rússia sob controle.

Mas mesmo a esperança desses resultados confusos foi posta de lado no meio do debate no Congresso sobre a renovação da ajuda a curto prazo à Ucrânia, e à medida que se instala o pessimismo de que a Ucrânia pode resistir o tempo suficiente para pensar no longo prazo.

À medida que o isolacionismo aumenta num Congresso controlado pelos republicanos e em dívida com Trump, Biden deixou de prometer dar à Ucrânia “tudo o que ela precisa, pelo tempo que for necessário” para a promessa menos ambiciosa de Dezembro passado “enquanto pudermos”.

Na Conferência de Segurança de Munique, no fim-de-semana passado, o senador JD Vance, republicano do Ohio, fez uma nota ainda mais sóbria: a Ucrânia teria de aprender a lutar com um orçamento apertado.

Mesmo que os “61 mil milhões de dólares de ajuda suplementar à Ucrânia sejam aprovados, tenho de ser honesto convosco, isso não vai mudar fundamentalmente a realidade no campo de batalha”, disse ele. “A quantidade de munições que podemos enviar para a Ucrânia neste momento é muito limitada.”

Vance prosseguiu, salientando um segundo ponto: esses recursos limitados deveriam ser poupados para competir com a China e defender Taiwan.

“Há muitos bandidos em todo o mundo”, disse ele. “E estou muito mais interessado em alguns dos problemas do Leste Asiático neste momento do que na Europa.”

A avaliação do Sr. Vance foi recebida com um silêncio pétreo. Pouco depois, um alto oficial militar americano que se recusou a falar oficialmente disse que o debate republicano em Washington e o sentimento entre as forças terrestres da Ucrânia estavam a reforçar-se mutuamente, “e não de uma forma positiva”.

Na opinião de Charles A. Kupchan, professor da Universidade de Georgetown que serviu como oficial de segurança nacional na administração Obama, isso significa que os Estados Unidos deveriam explorar formas de iniciar negociações para pôr fim à guerra.

“Mesmo que a Rússia consiga manter o rumo, não creio que a Ucrânia consiga”, disse ele. Após dois anos de guerra, disse Kupchan, “não há nenhum caminho previsível para uma vitória no campo de batalha para a Ucrânia”, mesmo com a chegada iminente de mísseis de longo alcance ou F-16.

Zelensky enfrenta uma escolha difícil, disse ele: manter cada centímetro do território soberano ucraniano ou encontrar uma maneira de garantir um Estado economicamente viável, com um futuro democrático, garantias de segurança ocidentais e eventual adesão à União Europeia e à OTAN. .

Em privado, alguns altos funcionários da administração Biden dizem que têm tentado empurrar Zelensky nessa direção. Mas Biden instruiu a sua equipa a não se desviar do slogan usado no início da guerra: “Nada sobre a Ucrânia sem a Ucrânia”.

O resultado é que os responsáveis ​​militares americanos na Europa, liderados pelo general Christopher G. Cavoli, têm alertado discretamente que o melhor que os ucranianos podem esperar é um conflito em grande parte congelado.

O General Cavoli raramente fala publicamente, mas os responsáveis ​​resultantes de recentes briefings com ele descreveram uma avaliação pessimista, na qual, na melhor das hipóteses, os ucranianos usam 2024 para defender, reconstruir e tentar outra contra-ofensiva no próximo ano.

Mesmo na Europa, onde o apoio à Ucrânia tem sido mais forte, a opinião pública também está a mudar. Numa recente sondagem de opinião realizada em Janeiro para o Conselho Europeu de Relações Exteriores em 12 países, apenas 10 por cento dos europeus disseram acreditar que a Ucrânia venceria a guerra, embora o que constituiria uma vitória não estivesse claramente definido. Vinte por cento disseram acreditar que a Rússia venceria, e uma pluralidade, 37 por cento, pensava que a guerra terminaria com algum tipo de acordo.

Mas se os Estados Unidos retirarem o apoio à Ucrânia e pressionarem Kiev para um acordo, 41 por cento dos europeus inquiridos disseram que os seus governos deveriam aumentar o apoio para tentar substituir Washington ou continuar o apoio ao nível actual. Cerca de um terço disse que os países europeus deveriam seguir Washington e pressionar Kiev para um acordo.

“As coisas não estão a correr bem”, disse Gabrielius Landsbergis, ministro dos Negócios Estrangeiros da Lituânia, sem rodeios, ao deixar a Conferência de Segurança de Munique, na semana passada.

“A Ucrânia está sem munições e é forçada a recuar, a Europa enfrenta desafios que podem pôr à prova o Artigo 5º e a instabilidade global emerge porque os autocratas são encorajados pela acção da Rússia e pela nossa resposta cautelosa.” Landsbergis disse na plataforma de mídia social X, numa referência à secção do tratado da NATO que apela a que cada membro venha em auxílio de qualquer membro sob ataque. “Isso não é pessimismo. Isso é fato.”

Durante anos, as autoridades americanas instaram a Europa a gastar mais na sua defesa. Agora, os europeus começam a enfrentar o custo da complacência.

Independentemente de quem os americanos elejam como seu próximo presidente em Novembro, os Estados Unidos podem já não estar dispostos a assumir a sua liderança tradicional na dissuasão da Rússia ou na defesa do Ocidente. Isto irá inevitavelmente colocar mais peso sobre uma Europa que ainda não está totalmente preparada.

As forças armadas da Alemanha estão mais bem equipadas, mas não têm a dimensão ou o nível de competências necessários para enfrentar os desafios futuros, alertou o seu secretário da Defesa, Boris Pistorius. A Finlândia acrescenta uma capacidade tecnológica considerável à NATO, mas as forças armadas da Suécia, dizem as autoridades americanas, terão de ser reconstruídas.

Entretanto, a Europa está a reunir pacotes de ajuda para a Ucrânia que inicialmente se destinavam a complementar, mas que agora podem destinar-se a substituir, a ajuda dos Estados Unidos.

Este mês, os líderes da União Europeia prometeram mais 50 mil milhões de euros, cerca de 54 mil milhões de dólares, em nova ajuda à Ucrânia durante os próximos quatro anos. No total, os países europeus ultrapassaram os Estados Unidos na ajuda prestada à Ucrânia.

Até à data, disse Victoria Nuland, subsecretária de Estado para os Assuntos Políticos, os Estados Unidos forneceram 75 mil milhões de dólares em assistência económica, humanitária e de segurança. Mas, disse ela, “a Europa e os nossos parceiros globais forneceram ainda mais, 107 mil milhões de dólares, além de acolherem 4,5 milhões de refugiados ucranianos em países de toda a Europa”.

No entanto, para substituir totalmente a assistência militar americana este ano, de acordo com uma avaliação do Instituto Kiel para a Economia Mundial, a Europa ainda teria “de duplicar o seu actual nível e ritmo de assistência armamentista”.

E os esforços europeus para fornecer mais 5 mil milhões de euros, cerca de 5,4 mil milhões de dólares, ao longo de cada um dos próximos quatro anos para comprar armas para a Ucrânia, estagnaram devido a objecções da Alemanha e da França.

Os alemães dizem que estão a investir demasiado no fundo, dado o seu grande financiamento bilateral de ajuda à Ucrânia, a segunda maior do mundo depois dos Estados Unidos.

Os franceses insistem, como sempre, que as armas compradas com dinheiro europeu devem ser fabricadas, ou pelo menos parcialmente fabricadas, na Europa – embora a Europa não tenha capacidade para as fornecer.

E as promessas europeias de entregar um milhão de obuses de artilharia à Ucrânia até Março ficaram muito aquém.

Ainda assim, a produção de armas europeia tem vindo a aumentar, com altos responsáveis ​​europeus a dizerem que o continente deverá ser capaz de produzir um milhão de munições por ano até ao final deste ano, em comparação com cerca de 350 mil munições há 18 meses.

Embora os europeus apontem com orgulho para as mudanças que fizeram, continua longe de ser certo que essas mudanças estejam a acontecer tão rapidamente quanto o mundo exige, especialmente quando se trata da Ucrânia.

“Estrategicamente, o objectivo deveria ser mudar os cálculos de Putin”, disse Kupchan, antigo funcionário da administração Obama. “Atrapalhar o campo. Eu sei que não é fácil, mas é melhor admitir os erros e traçar um novo caminho a seguir do que se envolver em autocongratulação vazia.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *