Fri. Feb 23rd, 2024

Para uma visão histórica, eu recomendo “Lagos: uma história cultural,” por Kaye Whiteman. Ele traça a história da cidade desde a chegada dos exploradores portugueses em 1472 até a conquista britânica em 1861 e na contemporaneidade. Leva-nos pela topografia de Lagos (a dicotomia Ilha-Continente), pelas ruas e suas histórias, pela vida noturna da cidade e pelo seu cenário cinematográfico, musical, artístico e literário.

Quase o romance de ColeTodo dia é para o ladrãotem o estilo de um diário de viagem. O narrador anônimo acaba de retornar de Nova York a Lagos após 15 anos. Ele vagueia pela cidade refletindo sobre sua confuso ônibus, golpistas da internet, meninos da área, policiais, centro de música e assim por diante. Ele caracteriza a linguagem corporal dos lagosianos como de “autoconfiança pura”, suas expressões faciais proclamando: “Confie em mim, você não quer mexer comigo”, tudo para contrariar os garotos da área. Você encontrará Lagos no seu melhor (seu povo caloroso, estóico, extremamente criativo) e no seu pior (linchamentos de rua). Ao longo da narrativa, há uma sensação de decadência, que reflete a de toda a nação. Num episódio comovente, o narrador visita o Museu Nacional da Nigéria, no bairro de Onikan, e encontra as exposições escassas, as esculturas e placas “cobertos de pó” e “muito mofados”.

O pós-moderno de Chris Abani “GraceLand” se passa principalmente na Lagos dos anos 1980, nas favelas pantanosas de Maroko. Elvis, 16 anos, abandonou o ensino médio. Ele aspira se tornar um dançarino profissional. No início, ele tenta sobreviver se passando por Elvis Presley para expatriados brancos, usando peruca e molhando o rosto com talco. Sua amiga Redenção o leva ao crime, com consequências devastadoras. Às vezes brutal e horrível, o romance também é terno e esperançoso ao retratar a privação, a ditadura e a desilusão. Além disso, sua narrativa pastiche inclui notas sobre a filosofia Igbo e receitas de deliciosos pratos nigerianos.

Em contraste com o Elvis de Abani, Enitan, o protagonista do filme de Sefi Atta “Tudo de bom virá,cresce na classe média. Nascida em 1960, ano em que a Nigéria conquistou a independência, a transição de Enitan para a feminilidade ocorre num contexto de guerra civil nigeriana, juntas militares e corrupção generalizada. Apesar de sua posição privilegiada (ela trabalha como advogada e depois como banqueira), ela luta para navegar em sua sociedade patriarcal, no sexismo recorrente que sofre (até mesmo do pai) e no trauma do estupro de uma amiga. A narrativa comovente oferece soluções feministas para uma nação conturbada.

Em Lagos, você vai querer experimentar a comida nigeriana. O clássico jollof nigeriano? O aromático suya ou moin-moin? Seja qual for o seu apetite, “Memórias da garganta comprida: sopas, sexo e papilas gustativas nigerianas”, por Yemisi Aribisala, foi construído para isso. Esta fascinante coleção de ensaios é parte memórias, parte livro de receitas e parte tratado epicurista – e emprega a culinária nigeriana como estrutura para analisar a sociedade, a cultura e o folclore nigerianos. Temas significativos incluem a divisão urbano-rural, a irritação do tradicional contra o “moderno” e a ética subjacente ao consumo de alimentos controversos, como a carne de cão. A prosa de Aribisala é enérgica, hábil e agradável de ler. O livro complementa as receitas do Abani “GraceLand.”

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *