Tue. May 28th, 2024

Paul Chan, o principal responsável financeiro de Hong Kong, viajou para Paris, Londres, Frankfurt e Berlim em Setembro passado para atrair investidores estrangeiros. No mês passado, ele aboliu os impostos sobre as compras de imóveis em Hong Kong por estrangeiros. E em breve ele deverá sediar uma exposição de arte internacional, bem como conferências para grandes fundos financeiros e conselheiros para famílias ricas.

O ritmo de trabalho acelerado de Chan representa uma tentativa de reforçar o papel e a imagem de Hong Kong como centro financeiro da Ásia. Mas esse esforço está agora a colidir com uma medida dos líderes da cidade nomeados por Pequim para reforçar ainda mais a sua repressão às restantes liberdades políticas na cidade.

A legislatura de Hong Kong aprovou na quarta-feira uma legislação de segurança redigida de forma ampla. Os líderes da cidade descreveram a lei como necessária para impedir a interferência estrangeira na política local, mas os críticos caracterizaram-na como um esforço abrangente para amordaçar a dissidência.

Sob o seu líder máximo, Xi Jinping, a China tem afirmado maior influência nos últimos quatro anos sobre as leis e os procuradores de Hong Kong. Isto levantou o alarme para as empresas americanas e europeias que utilizam a cidade e os seus mercados financeiros abertos como porta de entrada para a China. As dificuldades económicas do continente, especialmente no sector imobiliário, abalaram ainda mais a confiança em Hong Kong como um lugar para colocar dinheiro.

Muitos investidores e empresas já começaram a transferir atividades para Singapura, um rival que tem a vantagem de ser um país independente, 1.900 quilómetros a sudoeste da China.

“As novas regras de segurança nacional corroeram a distinção de Hong Kong para as empresas estrangeiras e os exportadores chineses – a sua vantagem comparativa é menos clara do que era antes para muitas empresas”, disse Mark Wu, diretor do Centro Fairbank de Estudos Chineses da Universidade de Harvard.

Shiu Sin-por, ex-chefe da agência de revisão de políticas do governo de Hong Kong e agora conselheiro sênior de Pequim para questões de Hong Kong, disse que a legislação não teria um efeito prático no comércio ou nos mercados financeiros. “Isso poderia criar um problema de imagem, mas não faria qualquer diferença para os investidores comuns”, disse ele.

A repressão coincide com um momento já difícil para a economia de Hong Kong e o seu setor financeiro. As suas ligações estreitas com a economia do continente têm sido a maior força da cidade – e agora tornaram-se um risco à medida que a actividade económica da China abranda. O mercado de ações da cidade perdeu quase metade do seu valor em três anos. Dezenas de promotores imobiliários do continente deixaram de pagar obrigações emitidas em Hong Kong, infligindo perdas de milhares de milhões de dólares aos fundos de investimento da cidade e prejudicando a imagem do seu mercado obrigacionista.

Para piorar a situação, as taxas de juro dispararam em Hong Kong, aproximadamente em linha com as dos Estados Unidos. Isto acontece porque a moeda da cidade está fortemente indexada ao dólar e é totalmente convertível em dólares – uma política monetária que é fundamental para o papel da cidade como centro financeiro global. Mas as altas taxas de juros prejudicaram o enorme setor imobiliário da cidade.

Hong Kong impôs quarentenas prolongadas durante a pandemia, minando o seu papel como centro de viagens aéreas. Cidades da China continental, como a vizinha Shenzhen, construíram portos de contentores extensos e ultramodernos, apagando a liderança de Hong Kong em logística.

Pequim também introduziu extensas compras isentas de impostos na ilha chinesa de Hainan. Isso eliminou grande parte da necessidade de os compradores do continente atravessarem a fronteira para Hong Kong para evitarem a combinação do continente de impostos exorbitantes sobre importações e elevados impostos sobre vendas.

Os bancos e as empresas de consultoria já começaram a transferir pessoal para Singapura para actividades politicamente sensíveis, como avaliar o desempenho da economia da China continental. A nova lei de Hong Kong também representa um desafio adicional para o outrora vibrante sector dos meios de comunicação social da cidade, que agora enfrenta a ameaça de ser processado por sedição por críticas ao governo.

Hong Kong foi território britânico de 1842 a 1997, quando Londres a devolveu ao controle da China continental. A cidade mantém um sistema jurídico baseado no sistema de direito consuetudinário da Grã-Bretanha.

Muitas empresas da China continental continuam a assinar contratos ao abrigo da lei de Hong Kong. Os tribunais da cidade são considerados livres de interferência política em questões comerciais, embora os críticos avisem que o governo de Hong Kong nomeia agora juízes pró-Pequim.

O código legal de Hong Kong desde 1997, conhecido como Lei Básica, exige que a cidade aprove legislação contra sedição, secessão, traição, subversão e roubo de segredos de Estado, bem como proíba organizações políticas estrangeiras de conduzirem atividades políticas em Hong Kong. Os líderes da cidade tentaram aprovar a legislação em 2003, mas recuaram após um enorme protesto de rua. Pequim impôs então a sua própria legislação de segurança nacional em 2020, após uma onda de protestos no ano anterior.

Regina Ip, um dos principais membros do gabinete de Hong Kong, disse que a nova lei permitiria que os líderes se concentrassem na economia. “Estamos 26 anos atrasados ​​e, mais importante, precisamos de nos concentrar em impulsionar a economia na próxima fase do nosso desenvolvimento”, disse ela.

O ponto de vista da Sra. Ip foi repetido por Leung Chun-ying, um conselheiro sênior dos líderes de Pequim e ex-chefe do executivo de Hong Kong, o principal cargo governamental. “É hora de Hong Kong, e não Pequim, aprovar”, disse ele.

As críticas internacionais à nova lei têm sido amplas e ferozes.

“Isso poderia levar a restrições significativas à liberdade de expressão, à liberdade de reunião e ao direito à dissidência”, disse Nicholas Burns, embaixador dos Estados Unidos na China.

Os líderes de Hong Kong argumentaram que a lei foi retratada como mais drástica do que realmente é. Afirmaram que o que Hong Kong estava a fazer para limitar a interferência estrangeira era menos extenso do que os esforços recentes de países como Singapura e Austrália, dois dos principais destinos para onde muitas empresas e investidores se deslocam.

A lei de Hong Kong permite ao poder judiciário um amplo papel na revisão das decisões do governo em casos de segurança nacional, disse Leung numa entrevista em Pequim.

Os empresários de Hong Kong dizem que muitas das atividades proibidas pela nova legislação já poderiam ser consideradas ilegais de alguma forma ao abrigo da legislação de Pequim em 2020. Por isso, estão atentos para ver como a nova lei é implementada.

“É justo dizer que a maioria das mudanças já está incorporada”, disse Steve Vickers, presidente-executivo da Steve Vickers and Associates, uma empresa regional de consultoria de risco corporativo em Hong Kong.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *