Sat. Jun 15th, 2024

Os eleitores na Irlanda rejeitaram duas propostas de alterações à Constituição do país que teriam eliminado a linguagem sobre os deveres das mulheres no lar e alargado a definição de família para além do casamento.

Os resultados, anunciados no sábado, foram uma derrota inesperada para os defensores da igualdade e para Leo Varadkar, o taoiseach, ou primeiro-ministro.

Varadkar, falando no final da tarde de sábado, após a contagem da maioria dos votos, disse que estava claro que as propostas foram derrotadas e que o governo respeitou os resultados.

“Como chefe de governo e em nome do governo, assumimos a responsabilidade pelo resultado”, disse ele. “Era nossa responsabilidade convencer a maioria das pessoas a votar ‘Sim’, e claramente não conseguimos fazê-lo.”

Os cidadãos irlandeses foram às urnas na sexta-feira para votar em dois referendos para alterar a Constituição do país, de 87 anos, que foi elaborada numa altura em que a influência da Igreja Católica Romana em muitos aspectos da vida na Irlanda era imensa.

Os apoiantes consideraram as alterações propostas, apoiadas por todos os partidos políticos da Irlanda, como vitais para garantir que a Constituição reflectisse a identidade moderna mais secular e liberal do país. Mas muitos dos que votaram nos referendos disseram “não” a ambas as questões que estavam a ser consideradas.

Muitos analistas e políticos disseram que os resultados eram mais complexos do que uma simples rejeição das mudanças propostas. Uma participação eleitoral inferior ao esperado e mensagens confusas da campanha do “Sim” podem ter contribuído para o fracasso das propostas.

Nos referendos de sexta-feira, os eleitores foram convidados a considerar duas questões distintas.

A primeira era a possibilidade de alterar o Artigo 41 da Constituição para prever um conceito mais amplo de família. A linguagem sugerida teria reconhecido uma família, “seja fundada no casamento ou em outras relações duradouras, como o grupo natural primário e fundamental da sociedade”, e eliminado outra cláusula.

A segunda dizia respeito ao Artigo 41.2, ao qual activistas pela igualdade e grupos de direitos das mulheres se opuseram durante décadas. Afirma que o Estado “reconhece que, através da sua vida dentro de casa, a mulher dá ao Estado um apoio sem o qual o bem comum não pode ser alcançado” e que “se esforçará para garantir que as mães não sejam obrigadas por necessidade económica a envolver-se em trabalho de parto, negligenciando seus deveres no lar”.

O público votou contra a substituição dessa linguagem por um novo artigo reconhecendo todos os cuidadores familiares.

O resultado da cláusula “vida dentro de casa” foi recebido com decepção por grupos de direitos das mulheres que há muito faziam campanha para que a língua, vista como uma relíquia de um passado patriarcal, fosse removida.

Mesmo antes de a Constituição ter sido ratificada pela primeira vez em 1937, algumas mulheres opuseram-se à introdução da língua e, este ano, o Conselho Nacional das Mulheres da Irlanda recriou o seu protesto à porta dos edifícios governamentais.

Nas últimas décadas, o público irlandês realizou uma série de mudanças significativas que fizeram retroceder políticas socialmente conservadoras. Em 1995, a Irlanda votou pelo fim da proibição do divórcio, com um referendo posterior em 2019 que liberalizou ainda mais as leis de divórcio. Em 2015, o país votou pela legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo e, em 2018, foi realizado um referendo que revogou a emenda que proibia o aborto.

Os últimos referendos foram convocados após a realização de uma Assembleia de Cidadãos em 2020 e 2021 sobre a igualdade de género, que fez uma série de recomendações, incluindo uma alteração à Constituição. Algumas pessoas argumentaram que as mudanças planeadas não foram suficientemente longe e isso pode ter sido parte da razão pela qual as propostas foram rejeitadas.

Alguns opositores às alterações argumentaram que a linguagem proposta sobre “relações duradouras” era definida de forma demasiado ampla. Outros afirmaram que as disposições relativas aos cuidados delineadas para substituir a linguagem sobre os deveres das mulheres não foram suficientemente longe para obrigar o Estado a proteger os cuidadores.

Michael McDowell, um advogado que é membro independente da câmara alta da legislatura da Irlanda e antigo vice-chefe do governo, fez campanha pelo voto “Não”.

“O governo avaliou mal o estado de espírito do eleitorado e apresentou-lhes propostas que não explicaram, propostas que poderiam ter consequências graves”, disse ele à RTÉ, a emissora pública, acrescentando que a linguagem foi aprovada apressadamente pela legislatura sem muita consulta.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *