Mon. Feb 26th, 2024

Um juiz japonês condenou à morte um homem que matou 36 pessoas num incêndio criminoso num estúdio de anime em Quioto em 2019, um dos ataques mais mortíferos do país em décadas, depois de ter sido considerado culpado de homicídio na quinta-feira.

Shinji Aoba, o réu, foi acusado de homicídio em 2020, um ano depois de atear fogo ao estúdio da Kyoto Animation. Ele próprio sofreu queimaduras graves no incêndio e ficou inconsciente durante semanas, o que levou as autoridades a esperar para acusá-lo até que ele estivesse suficientemente recuperado.

O Sr. Aoba tinha um histórico de doença mental. O Tribunal Distrital de Kyoto disse que o considerou mentalmente capaz de enfrentar punição por seus crimes, informou a Associated Press.

Em julho de 2019, Aoba invadiu o estúdio com gasolina, borrifou-o com força e ateou fogo com um isqueiro a gás, disse o juiz na quinta-feira, segundo relatos locais. Aoba fez isso, acrescentou o juiz, por causa de rancor – ele estava convencido de que o estúdio havia roubado um romance dele.

O incêndio criminoso chocou o Japão, onde ataques violentos são raros. Aoba comprou cerca de 10 galões de gasolina em um posto de gasolina perto do estúdio antes do ataque, de acordo com relatórios policiais da época, e gritou “Morra!” enquanto ele ateava fogo ao prédio, que foi rapidamente envolvido pelas chamas. Muitas das vítimas, quase dois terços delas mulheres, morreram de envenenamento por monóxido de carbono.

O juiz, Keisuke Masuda, disse na quinta-feira que Aoba já havia planejado um ataque a uma estação ferroviária, mas abandonou a ideia. “Em meio à sua pobreza e isolamento, ele tentou cometer um assassinato em massa na estação Omiya, na cidade de Saitama, um mês antes do incidente”, disse o juiz Masuda, segundo a NHK, a emissora pública japonesa.

O número de vítimas foi o maior em qualquer julgamento criminal em mais de 30 anos no país, segundo a NHK.

A Kyoto Animation, conhecida pelos fãs como KyoAni, há muito tempo é uma presença constante no mundo do anime. É conhecido por histórias de “fatias de vida” e cenários detalhados. A maior parte da produção do estúdio ocorreu no prédio que estava em chamas.

“Meu coração dói ao pensar em meus colegas que foram mortos e feridos”, disse Hideaki Hatta, presidente do estúdio, em comunicado na quinta-feira. “Temos muitos jovens criadores que aderiram após o caso”, disse ele. “Continuaremos produzindo grandes obras tanto quanto possível.”

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *