Sat. Jun 15th, 2024

Ontem, os legisladores da Gâmbia votaram a favor da legislação que legalizaria a mutilação genital feminina. Analistas locais acreditam que é provável que seja aprovado.

As mulheres alcançaram muito progresso social em todo o mundo. No entanto, a mutilação genital continua a aumentar. Hoje, 230 milhões de mulheres e raparigas em todo o mundo foram mutiladas, um aumento de 15 por cento em relação a 2016. Em África e no Médio Oriente, vários países ainda permitem esta prática e, em muitos outros, as leis são aplicadas de forma irregular.

No boletim informativo de hoje, explicarei por que o corte — que para a maioria das comunidades significa remover o clitóris e os pequenos lábios, ou quase selar a vagina — tem sido tão difícil de eliminar.

A maioria das pessoas que foram cortadas são da África. A prática é quase universal na Somália e na Guiné, e mais de 80 por cento das raparigas são submetidas ao procedimento no Egipto, Sudão, Djibuti, Mali e Serra Leoa. Mas também acontece em algumas comunidades no Iraque, Iémen, Indonésia e Malásia.

Em África, a população está a crescer mais rapidamente do que os esforços para acabar com a mutilação genital, o que explica por que razão o número de raparigas mutiladas está a aumentar.

A maioria dos activistas anti-mutilação localizam as raízes do costume em ideias sobre a virgindade e o controlo sobre a sexualidade das mulheres. Arqueólogos no Egito descobriram múmias do século V aC com órgãos genitais mutilados. Um arqueólogo que estuda locais na Somalilândia diz que o corte começou como uma forma de sacrifício divino. Outros estudiosos argumentam que está espalhado por uma gama tão vasta de culturas que foi adotado de forma independente por diferentes grupos.

O corte foi reconhecido pela primeira vez como uma violação dos direitos humanos em 1993, numa resolução das Nações Unidas. Em 1995, os governos reuniram-se em Pequim e comprometeram-se a trabalhar para eliminar a mutilação genital feminina. Organizações como a agência das Nações Unidas para a criança, a UNICEF, lideraram o ataque na década de 2000, enquadrando-o como uma questão de direitos humanos.

Mas foi difícil fazer com que as comunidades abandonassem tradições culturais de longa data. As leis muitas vezes não eram aplicadas. Mesmo quando estão no poder, os pais podem fazer com que as suas filhas sejam decepadas porque consideram o ostracismo social mais severo do que as sanções legais.

A Gâmbia proibiu a mutilação genital em 2015. O governo só tentou seriamente fazer cumprir a proibição no ano passado. Então os líderes religiosos locais revoltaram-se. Eles iniciaram um movimento para derrubar a medida.

Os activistas tiveram mais sucesso em ouvir as comunidades e falar com elas sobre as desvantagens da mutilação — incluindo dores intensas, infecções, complicações no parto e, claro, a recusa em deixar que as mulheres e as raparigas determinem o que acontece aos seus corpos.

A minha colega Stephanie Nolen escreveu recentemente sobre o Burkina Faso. Lá, os defensores anti-corte trabalharam com líderes religiosos, especialmente os jovens, para mudar a opinião das pessoas. Como resultado, a percentagem de raparigas entre os 15 e os 19 anos que foram cortadas caiu cerca de metade nas últimas três décadas, para 39 por cento.

Vozes pró-corte muitas vezes retratam as proibições como uma imposição ocidental. As críticas ao Ocidente e ao neocolonialismo estão a aumentar em toda a África, especialmente entre os jovens conectados digitalmente, pelo que esta mensagem poderá ser difundida. Prevê-se que a população de África quase duplique nos próximos 25 anos. E a população está a crescer rapidamente em países onde o corte de cabelo está mais arraigado, o que significa que muito mais raparigas poderão ser cortadas nas próximas décadas.

Um defensor anti-corte da Gâmbia com quem falei, Fatou Baldeh, pensava que o corte poderia acabar dentro de uma geração. Afinal, é improvável que uma mulher que não tenha sido cortada tenha sua filha cortada. Mas os activistas terão de trabalhar de forma mais rápida e inteligente para conquistar as pessoas que acreditam que se trata de um ritual cultural sacrossanto. Em alguns lugares, mais mulheres do que homens dizem que a prática deveria persistir. Alcançá-los exigirá divulgação e persuasão. Especialistas dizem que não houve o suficiente na Gâmbia.

Baldeh disse que o projeto de lei para derrubar a proibição – e o silêncio das pessoas que ela pensava que iriam falar contra ela – a fizeram perceber que o corte tinha raízes mais profundas do que ela imaginava. Os legisladores gambianos tiveram medo de tocá-lo. Eles votaram 42-4 para avançar o projeto de lei que acabaria por revogar a medida.

Relacionado: As mulheres jovens na Serra Leoa estão a desafiar as suas mães e avós ao recusarem submeter-se à mutilação genital.

  • A EPA proibiu um tipo de amianto ligado ao cancro do pulmão, juntando-se a mais de 50 países que o fizeram. A eliminação progressiva da substância levará anos.

  • Novos estudos não encontraram evidências de lesões cerebrais em americanos que sofriam da chamada síndrome de Havana, doenças misteriosas que afetaram diplomatas e espiões norte-americanos no exterior.

  • As flores de cerejeira em Washington, DC, floresceram cedo devido ao inverno quente.

Opiniões

Wall Street está monetizando antigos sucessos. Isso dá à indústria musical menos incentivo para ser criativa, Marc Hogan escreve.

Bill Gates e elefantes adornados com joias: uma luxuosa cerimônia pré-casamento mostra como os oligarcas alcançaram um novo nível de riqueza na Índia de Narendra Modi, Sonia Faleiro argumenta.

À medida que as sociedades ficam mais ricas, as famílias ficam menores. Jennifer D. Sciubbaum demógrafo, junta-se Ezra Klein para discutir por que as taxas de natalidade estão caindo em todo o mundo.

Animais selvagens: Um novo estudo complica a ideia de que os animais prosperaram enquanto as pessoas ficavam presas em casa durante a pandemia.

Pergunte a Vanessa: “Minhas calças não servem mais. Devo me livrar deles ou mantê-los para o caso?”

Vidas vividas: Andrew Crispo era um galerista de arte de Manhattan atingido por uma série de escândalos dignos de tablóide, incluindo evasão fiscal, extorsão e implicação no assassinato de um estudante de arte. Crispo morreu aos 78 anos.

MLB: O atual vencedor do Cy Young Award, Blake Snell, concordou com um contrato de dois anos no valor de US$ 62 milhões com o San Francisco Giants na noite passada, encerrando uma prolongada agência gratuita.

NBA: Anthony Edwards, do Minnesota Timberwolves, eletrizou a liga com uma enterrada estrondosa que também deixou seu dedo deslocado.

Transmissão: LeBron James se unirá ao ex-jogador que virou estrela da mídia JJ Redick para um novo podcast.

Basquete universitário: A conferência Big East disse estar “muito decepcionada” com o comitê de seleção da NCAA por não escolher três de suas equipes.

Lembrando, esquecendo: Em 2004, “Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças”, de Charlie Kaufman, surpreendeu o público. Vinte anos depois, o filme – sobre uma mulher chamada Clementine (Kate Winslet) que apaga a memória de seu namorado Joel (Jim Carrey) – “permaneceu na consciência muito depois da data de expiração da história de amor”, escreve Madeleine Connors.

Clementine é evocada no TikTok e no Tumblr e é vista como a consumada Manic Pixie Dream Girl, enquanto Joel costuma servir como avatar para nossos momentos de solidão. Leia a retrospectiva de Madeline.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *