Wed. Feb 21st, 2024

Durante décadas, os aiatolás muçulmanos xiitas que chegaram ao poder no Irão através da Revolução Islâmica de 1979 trabalharam para construir um arco de forças por procuração com ideias semelhantes em todo o Médio Oriente.

Treinar e armar grupos de milícias extremistas e não estatais em toda a região tem sido pilares da política externa e de segurança do Irão. O que a República Islâmica chama de “Eixo da Resistência”, outros descrevem frequentemente como um “Crescente Xiita” que se estende desde o Iémen, no sul da Península Arábica, passando pelo Iraque, Síria e Líbano, e de volta à Faixa de Gaza.

O Hamas, que controla a faixa e é uma rara organização muçulmana sunita entre militantes maioritariamente xiitas, catapultou o Irão e os seus aliados de volta ao radar global em 7 de Outubro com um brutal ataque transfronteiriço a Israel. Em resposta, Israel lançou um bloqueio e uma campanha de bombardeamentos sustentados que devastou Gaza, bem como preparativos para uma possível invasão terrestre, provocando rumores sobre uma conflagração regional.

O grau de influência directa do Irão sobre esta rede regional frouxa é obscuro. Aqui está um resumo das principais forças proxy e suas localizações na região.

O Hezbollah, que significa “Partido de Deus” em árabe, emergiu na década de 1980 do caos da longa guerra civil do Líbano para se tornar uma das forças mais poderosas da região.

Quando Israel se retirou da maior parte do vizinho Líbano, três anos após a invasão de 1982, o seu exército permaneceu ao longo de uma estreita faixa fronteiriça. Mas o impacto dos constantes confrontos com o Hezbollah forçou uma retirada em 2000. O Hezbollah travou uma guerra de 33 dias com Israel novamente em 2006, e tem havido trocas de tiros quase diárias desde 7 de outubro.

Acredita-se que o Irão tenha fornecido ao Hezbollah mísseis poderosos que poderiam atingir a maioria das cidades israelitas, e Israel teria dificuldade em lutar tanto em Gaza como no norte se o Hezbollah lançasse uma campanha significativa. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, prometeu consequências devastadoras para qualquer esforço desse tipo.

Além de ser uma milícia xiita, porém, o Hezbollah é também um partido político que busca apelo popular entre outras seitas libanesas. Assim, apesar da virulenta retórica anti-Israel do Hezbollah, uma nova guerra causaria estragos num país que já se recupera de uma crise económica e de infra-estruturas sem precedentes e correria o risco de irritar a maior parte da população estimada em 5,5 milhões de habitantes do Líbano.

A família governante Assad, membros da seita minoritária alauita, uma dissidência do xiismo, há muito que reforçou o seu domínio interno ao aliar-se ao Irão. Essa aliança revelou-se especialmente útil depois de 2011, quando o Presidente Bashar al-Assad enfrentou uma revolta antigovernamental e, eventualmente, uma guerra civil com forças extremistas muçulmanas sunitas.

O Irão forneceu tropas da milícia – Israel acusou-o de enviar até 80 mil homens – para reforçar as forças terrestres sírias, enquanto a Rússia forneceu poder aéreo. O Hezbollah também despachou combatentes do Líbano.

A linha de cessar-fogo de 1974 entre Israel e a Síria nas Colinas de Golã ocupadas por Israel permaneceu silenciosa durante décadas, embora tenha havido trocas de tiros ocasionais desde o início da revolta. Nos últimos dias, Israel lançou ataques aéreos para responder ao fogo de artilharia da Síria, que, segundo analistas da oposição, foi provavelmente disparado pelo Hezbollah.

O regime de Assad apoia há muito tempo facções palestinianas radicais, mas o Hamas rompeu com Damasco em 2012 devido à detenção, tortura e assassinato generalizados de incontáveis ​​insurgentes muçulmanos sunitas. É pouco provável que Assad queira abrir outra frente para ajudar o Hamas, especialmente porque continua a lutar para obter o controlo do seu país.

A administração Biden, entretanto, culpou as forças por procuração do Irão na Síria e no Iraque pelos ataques contra alvos militares dos EUA. E na manhã de sexta-feira, os Estados Unidos, que enviaram dois grupos de porta-aviões para o Mediterrâneo Oriental, anunciaram que tinham realizado dois ataques aéreos contra instalações militares utilizadas pelo Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irão na Síria.

Os ataques aéreos pretendiam sinalizar a Teerã que ele deveria conter os ataques contra instalações militares dos EUA, disseram autoridades norte-americanas.

Uma consequência não intencional da invasão do Iraque pelos EUA em 2003 foi que o Irão foi capaz de estender a sua influência profundamente dentro do seu antigo inimigo, criando milícias leais, ganhando ampla influência política e colhendo benefícios económicos.

O Iraque e o Irão são os dois maiores países do Médio Oriente com uma maioria muçulmana xiita, e também saíram da guerra fortalecidos em toda a região, de uma forma que enervou os seus antigos rivais sectários, os muçulmanos sunitas, que dominam a maioria dos países árabes.

O esforço para expulsar primeiro as forças americanas e depois o grupo terrorista Estado Islâmico permitiu ao Irão e aos seus aliados aperfeiçoar o uso de milícias e da violência para atingir os seus objectivos.

Após ataques com foguetes e drones de militantes apoiados pelo Irã na semana passada, 19 soldados dos EUA baseados no Iraque e na Síria sofreram lesões cerebrais traumáticas, disse o Pentágono na quinta-feira.

No Golfo Pérsico, as monarquias que governam a Arábia Saudita e o Bahrein acusaram o Irão de tentar fomentar a instabilidade, encorajando revoltas entre a maioria xiita na pequena nação insular do Bahrein e a minoria xiita concentrada ao longo da costa oriental rica em petróleo da Arábia Saudita. Em ambos os países, a dissidência foi reprimida com força brutal.

Contudo, o Irão teve sucesso no Iémen, onde o movimento militante xiita Houthi, armado por Teerão, passou a dominar o país numa guerra por procuração prolongada, colocando o Irão contra a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

O movimento emergiu com força depois de 2014 como uma organização política e armada cuja liderança vem da tribo Houthi, antigos governantes do norte do Iémen cuja fé é uma ramificação xiita conhecida como Xiismo Zaidi. O movimento inspirou-se no Hezbollah.

A Brookings Institution estimou que a guerra – que criou uma das piores catástrofes humanitárias do mundo – custa a Teerão alguns milhões de dólares por mês, enquanto custa a Riade 6 mil milhões de dólares por mês.

O Irão está há muito envolvido numa guerra paralela com Israel, o seu inimigo designado. Mas ainda não está claro até que ponto Teerão ajudou o Hamas a levar a cabo o recente ataque a Israel. Analistas de inteligência em Washington e Tel Aviv acreditam que Teerã pelo menos forneceu os meios.

O líder supremo do Irão, o aiatolá Ali Khamenei, e outros altos responsáveis ​​iranianos aplaudiram o Hamas, e o Irão ameaçou transformar os seus habituais ataques de gato e rato numa guerra real, a menos que Israel interrompa os seus ataques retaliatórios a Gaza.

Um dos objectivos da sangrenta incursão do Hamas, que matou pelo menos 1.400 israelitas, e pelo menos mais 229 foram feitos reféns, poderia muito bem ter sido perturbar um acordo de paz em formação entre Israel e a Arábia Saudita, que teria deixado o Irão isolado na região.

O número de mortos em Gaza, que as autoridades de saúde palestinianas estimam em mais de 6.700, provocou protestos de rua em todo o mundo árabe e, se aumentarem, poderão ameaçar a estabilidade dos governantes autocráticos no Egipto, na Jordânia e noutros Estados, que serviriam os interesses do Irão. interesses.

Na sexta-feira, a mídia estatal do Egito disse que pelo menos seis pessoas foram feridas por dois drones que voaram da parte sul do Mar Vermelho para o norte, atingindo Taba e Nuwaiba, cidades turísticas do Sinai, não muito longe de Israel e Gaza.

O Egito não especificou de onde foram lançados, mas os Estados Unidos disseram na semana passada que um navio de guerra da Marinha no norte do Mar Vermelho interceptou projéteis possivelmente lançados contra Israel pela milícia armada Houthi do Iêmen.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *