Wed. Jun 19th, 2024


O Irão realiza eleições parlamentares na sexta-feira, a primeira votação geral desde que uma revolta, liderada por mulheres e meninas, varreu o país em 2022, apelando ao fim do domínio da República Islâmica. O governo reprimiu violentamente os protestos, mas as exigências de mudança perduram e muitos iranianos encaram o boicote à votação como um acto de protesto.

A participação eleitoral deverá ser baixa, especialmente na capital, Teerão, e noutras grandes cidades, de acordo com as sondagens do próprio governo citadas nos meios de comunicação iranianos. A eleição é importante porque a participação eleitoral é vista tanto pelos apoiantes como pelos críticos do governo como um barómetro da legitimidade. Os oponentes dizem que estão de fora da votação para sinalizar que não acreditam mais que mudanças significativas possam ocorrer através das urnas no sistema atual.

Haverá uma eleição separada na sexta-feira para eleger os membros de um órgão de 88 assentos denominado Assembleia de Peritos. A Constituição do Irão determina que a assembleia escolha o líder supremo, a mais alta autoridade clerical, que tem a última palavra em todos os assuntos fundamentais do Estado e serve como comandante-em-chefe das forças armadas. A assembleia também funciona como órgão consultivo do líder supremo e pode supervisioná-lo ou demiti-lo, embora nunca o tenha feito.

O atual líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, tem 84 anos e está no cargo há mais de três décadas. Espera-se em grande parte que a próxima assembleia escolha o seu sucessor.

As eleições no Irão não são consideradas justas e livres, de acordo com críticos e grupos de direitos humanos, devido ao processo obscuro de verificação de candidatos e às desqualificações em massa por parte do Conselho Guardião. O conselho é acusado de arquitetar eleições, tanto presidenciais como parlamentares, porque essencialmente remove o elemento de escolha do público e limita as suas escolhas aos candidatos que considera aptos para o cargo.

As eleições no Irão já foram competitivas, com candidatos de todos os principais partidos políticos nas urnas. Os resultados foram imprevisíveis e a participação foi elevada. Mas nos últimos anos, os eleitores só tiveram de escolher entre candidatos conservadores.

Nas próximas eleições parlamentares, os nomes dos candidatos finais foram anunciados menos de duas semanas antes da votação de sexta-feira, e a campanha começou 10 dias antes dela. Para os iranianos que planeiam votar, há pouco tempo para aprender sobre os candidatos e compreender as questões que pretendem abordar uma vez eleitos. Para aqueles que boicotam a votação, o anúncio de última hora dos candidatos e a campanha apressada são mais razões para considerar as eleições nem livres nem justas.

Os candidatos devem ser todos examinados e aprovados por um órgão clerical nomeado por 12 membros, denominado Conselho Guardião, que desqualificou uma série de candidatos, desde independentes a centristas, até quase todos os nomes apresentados pela facção política reformista. A Frente de Reforma, a coligação de partidos reformistas que geralmente defendem mais liberdade social e envolvimento com o Ocidente, anunciou que não tinha candidatos nestas eleições e chamou-as de “eleições sem sentido, não competitivas e ineficazes”.

A maioria dos 15.200 candidatos autorizados a concorrer provêm de partidos políticos conservadores. Eles concorrem para ocupar os 290 assentos do Parlamento, cada um com mandato de quatro anos. Os candidatos incluem 1.713 mulheres, o que é mais do dobro do número que concorreu nas últimas eleições parlamentares de 2020.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *