Mon. Jun 24th, 2024

Um ataque israelense na semana passada reduziu um dos maiores hospitais de Gaza a pouco mais do que um abrigo para uma pequena e aterrorizada equipe de pacientes e equipe médica, enquanto as autoridades de saúde alertaram na segunda-feira que os suprimentos de alimentos e combustível estavam quase acabando em outro hospital que sofreu um cerco de quase um mês na mesma cidade, Khan Younis.

Israel diz que está a erradicar a actividade do Hamas nos centros médicos, que afirma que o Hamas usou para esconder operações militares – acusações que fez sobre vários hospitais em Gaza, apoiando algumas afirmações com provas de túneis do Hamas. O Hamas e as autoridades de saúde negam essas acusações, e grupos de ajuda apelaram a Israel para respeitar as leis internacionais que protegem os hospitais contra ataques.

Não foi possível verificar as declarações feitas pelos militares israelenses ou pelo ministério da saúde.

No Complexo Médico Nasser, o segundo maior hospital de Gaza, 14 pacientes foram evacuados em uma missão das Nações Unidas no domingo, disse a Organização Mundial da Saúde. A Sociedade do Crescente Vermelho Palestino disse que mais 18 pessoas foram evacuadas na segunda-feira. As Nações Unidas afirmaram que prosseguem as negociações para que os militares israelitas permitam que os restantes pacientes – num total de mais de 150, segundo a Organização Mundial de Saúde – sejam evacuados.

O êxodo foi provocado por um ataque na quinta-feira de tropas israelenses que entraram no hospital e detiveram o que Israel disse serem centenas de pessoas, incluindo algumas que teriam participado do ataque liderado pelo Hamas em 7 de outubro contra Israel. Milhares de palestinos deslocados que ali abrigavam foram evacuados antes e durante o ataque.

Cuidando dos pacientes restantes estão 15 profissionais de saúde, sem água encanada, pouca comida e oxigênio, poucos suprimentos médicos e sem eletricidade, exceto um gerador de reserva que mantém alguns equipamentos salva-vidas, disse a OMS. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse no domingo que Nasser não estava mais funcional.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que as forças israelenses prenderam 70 profissionais médicos, incluindo o diretor de cirurgia, e que oito pacientes morreram em Nasser por falta de oxigênio.

Israel enfatizou que invadiu o hospital para impedir a atividade do Hamas. Afirmou que, além de deter as pessoas que acusou de participarem no ataque de 7 de outubro, descobriu armas no complexo médico e provas ligadas ao ataque.

O Crescente Vermelho disse na segunda-feira que a situação no outro hospital em Khan Younis, Al-Amal, era “altamente perigosa” após 28 dias de cerco, com os alimentos quase esgotados e o combustível para os equipamentos salva-vidas acabando. Ele disse que o hospital foi atacado repetidamente e bombardeado pelas forças israelenses no domingo, e que as tropas israelenses prenderam 12 funcionários médicos e administrativos.

Um porta-voz dos militares israelenses encaminhou um pedido de comentários sobre a Al-Amal à agência israelense que supervisiona as relações com Gaza, que não comentou imediatamente.

Na segunda-feira, Nebal Farsakh, porta-voz do Crescente Vermelho, disse que os militares israelenses bombardearam várias vezes a área ao redor de Al-Amal, danificando o prédio do hospital e aterrorizando quem estava lá dentro. Ela disse que as tropas israelenses atiraram na estação de dessalinização de água do hospital, desativando-a e deixando Al-Amal com menos de três dias de abastecimento de água potável. Cerca de 180 pessoas estão lá dentro, incluindo pacientes, equipe médica e pessoas deslocadas, disse ela.

Vídeo postado pelo Crescente Vermelho nas redes sociais na segunda-feira mostraram pessoas com uniformes do grupo circulando pelo hospital escuro, usando lanternas enquanto passavam por camas nos corredores. Em outro vídeo postado no Instagram no domingo, um jovem com uniforme médico descreveu as condições no hospital, dizendo que Al-Amal estava sitiado há tanto tempo que parou de contar.

“Nosso maior sonho é poder ficar perto das janelas. Para ver o sol, as ruas. Mas, infelizmente, não podemos fazer isso”, disse o homem, Saleem Aburas, cuja conta no Instagram o identifica como coordenador de ajuda humanitária do Crescente Vermelho. “Porque ficar perto da janela significa morte. Os atiradores da ocupação estão atirando em tudo que se move dentro do hospital.”

Oito vezes consecutivas, disse o Crescente Vermelho no domingo, grupos de ajuda pediram às forças israelenses uma passagem segura para entregar alimentos, suprimentos médicos, combustível e combustível para geradores a Al-Amal. Oito vezes, disse, eles não conseguiram obter essa garantia.

O estado dos dois hospitais agravava uma situação já terrível para o sistema de saúde do território, que as Nações Unidas e grupos de ajuda humanitária afirmam estar em colapso após os repetidos ataques de Israel aos hospitais.

Nada Rashwan e Ameera Harouda relatórios contribuídos.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *