Tue. May 21st, 2024

O prêmio principal do Festival Internacional de Cinema de Berlim deste ano foi concedido a “Dahomey”, um documentário do cineasta francês Mati Diop sobre 26 obras de arte saqueadas que foram devolvidas da França ao Benin em 2021.

A característica não convencional, narrada em parte pela voz rouca e imaginada de uma das obras de arte, é uma exploração lúdica do legado do colonialismo e da interação entre história e identidade no Benin atual. É o primeiro longa de Diop desde “Atlantics”, drama sobre migrantes senegaleses que ganhou o Grande Prêmio do Festival de Cinema de Cannes em 2019.

No discurso de aceitação do prêmio, conhecido como Urso de Ouro, Diop disse que “Daomé” fazia parte do “muro de silêncio em colapso” em torno da necessidade de devolver obras de arte saqueadas pelas potências coloniais aos seus proprietários originais. “Podemos nos livrar do passado como um fardo aprisionador”, disse ela, “ou podemos assumir a responsabilidade por ele”.

O júri deste ano foi liderado pela actriz queniana mexicana Lupita Nyong’o e incluiu o realizador alemão Christian Petzold, cujo filme “Afire” ganhou o segundo prémio no festival do ano passado em Berlim, e o realizador espanhol Albert Serra.

O segundo prêmio deste ano foi entregue a “A Traveller’s Needs”, do prolífico cineasta coreano Hong Sang-soo, que também ganhou prêmios em três das últimas cinco edições do evento. Seu filme tipicamente discreto é estrelado por Isabelle Huppert como uma francesa excêntrica que tem uma série de encontros em Seul.

O Prêmio Especial do Júri foi concedido a “O Império”, uma sátira criticamente polêmica e visualmente pródiga de “Guerra nas Estrelas”, do diretor Bruno Dumont, ambientada em uma cidade costeira francesa.

O prêmio de melhor diretor foi para Nelson Carlos De Los Santos Arias por “Pepe”, uma das participações mais estranhas do festival, sobre um hipopótamo que já foi propriedade do chefão do tráfico Pablo Escobar. O prêmio de melhor desempenho de gênero neutro foi para o ator Sebastian Stan por seu trabalho em “A Different Man”, no qual interpreta um homem que é submetido a um procedimento para desfiguração facial.

O Urso de Prata de melhor roteiro foi para Matthias Glasner, o escritor e diretor alemão de “Dying”, um drama sobre uma família que enfrenta a mortalidade dos pais. O prêmio de melhor atuação coadjuvante foi para Emily Watson por seu papel como uma sinistra freira irlandesa em “Small Things Like These”.

O festival deste ano, conhecido como Berlinale na Alemanha, é o último a ser liderado por Mariëtte Rissenbeek e Carlo Chatrian, que assumiram a dupla liderança do festival em 2019 com o objetivo de aumentar a sua visibilidade. Grande parte da discussão em torno do evento actual centrou-se no facto de terem cumprido o seu mandato.

A programação da competição contou com uma mistura de grandes nomes da Berlinale, incluindo Sang-soo e o diretor alemão Andreas Dresen, juntamente com filmes mais esotéricos e explicitamente políticos de países como o Irã. Mas muitos críticos reclamaram que a escalação era mais desigual e menos ousada do que a dos anos anteriores. No meio do festival, Susan Vahabzadeh, do Süddeutsche Zeitung, escreveu em alemão que “a densidade de filmes verdadeiramente bem-sucedidos não tinha sido alta”.

Outros reclamaram que, apesar das aparições de Adam Sandler e Kristen Stewart, o evento atual carecia de poder de estrela. No The New York Times, a crítica Jessica Kiang escreveu que o festival “raramente se sentiu tão conflituoso e instável, ou inseguro de si mesmo”.

Isso define o que está em jogo para Tricia Tuttle, uma americana que já liderou o Festival de Cinema de Londres e que em abril assumirá o comando da Berlinale, o maior festival de cinema do mundo em número de audiência. Além de atrair talentos de alto nível, ela terá que conduzir o festival em meio a um clima financeiro e político perigoso.

Numa conferência de imprensa anunciando a sua nomeação em dezembro, Tuttle disse que o seu objetivo era equilibrar “cineastas consagrados” com “vozes sub-representadas”, mas observou que as dificuldades enfrentadas pela Berlinale não eram únicas. “Os últimos anos têm sido desafiadores para todos os festivais”, disse ela.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *