Sat. Jun 15th, 2024

Altos responsáveis ​​de pelo menos 10 administrações diferentes estão a tentar forjar um conjunto de acordos surpreendentes para acabar com a guerra em Gaza e responder à questão divisiva de como o território será governado depois de os combates cessarem.

O conjunto mais restrito de discussões importantes centra-se em alcançar um cessar-fogo entre Israel e o Hamas. Isto envolveria a troca de mais de 100 reféns israelitas detidos pelo Hamas para um cessar-fogo e milhares de palestinianos detidos em prisões israelitas.

Uma segunda vertente centra-se na remodelação da Autoridade Palestiniana, o órgão semiautónomo que administra partes da Cisjordânia ocupada por Israel. Autoridades americanas e árabes estão a discutir a revisão da liderança da autoridade e fazer com que esta assuma o controlo de Gaza após o fim da guerra, assumindo o poder de Israel e do Hamas.

Numa terceira via, as autoridades americanas e sauditas estão a pressionar Israel a concordar com as condições para a criação de um Estado palestiniano em troca de a Arábia Saudita estabelecer laços formais com Israel pela primeira vez.

As exigências e os resultados discutidos nos três processos estão interligados e as conversações são, na sua maioria, vistas como possibilidades remotas. A guerra começou com o ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro, que matou cerca de 1.200 pessoas, disseram autoridades israelenses. O contra-ataque israelense deixou mais de 25 mil palestinos mortos em Gaza, dizem funcionários do Ministério da Saúde local. O presidente Biden deu a Israel total apoio à guerra.

Obstáculos significativos precisam ser superados em cada conjunto de negociações. O mais notável é que o governo de Israel afirma que não permitirá a plena soberania palestina, levantando dúvidas sobre se será possível fazer progressos nas principais frentes. E a campanha militar israelita não destruiu o Hamas, por isso não é claro como o Hamas seria persuadido a afastar-se enquanto ainda controla parte de Gaza.

Os Estados Unidos são a potência que está tentando unir tudo. Brett McGurk, o principal funcionário da Casa Branca para o Médio Oriente, esteve na região na semana passada, e o secretário de Estado Antony J. Blinken falou com ele por telefone várias vezes durante uma viagem a África, disse um alto funcionário do Departamento de Estado. A administração Biden quer garantir que um alto funcionário dos EUA fale sempre cara a cara com os líderes israelenses e árabes.

As autoridades estão a lançar muitas ideias, a maioria das quais são provisórias, remotas ou fortemente contestadas por alguns partidos. Várias sugestões controversas são:

  • Transferir o poder dentro da Autoridade Palestiniana do presidente em exercício, Mahmoud Abbas, para um novo primeiro-ministro, deixando ao mesmo tempo que Abbas mantenha um papel cerimonial.

  • Enviar uma força árabe de manutenção da paz para Gaza para reforçar ali uma nova administração palestina.

  • Aprovar uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, apoiada pelos Estados Unidos, que reconheceria o direito dos palestinos à condição de Estado.

O que se segue é um roteiro para as três vertentes, baseado em entrevistas com mais de uma dúzia de diplomatas e outros funcionários envolvidos nas conversações, todos os quais falaram anonimamente para discuti-las mais livremente.

Os americanos vêem o fim da guerra como a primeira coisa que as partes precisam de concretizar. Essas conversações estão entrelaçadas com negociações para a libertação de mais de 100 reféns capturados durante os ataques de 7 de Outubro e detidos pelo Hamas e seus aliados. O Hamas disse que não libertará os reféns até que Israel concorde com um cessar-fogo permanente, uma posição que é incompatível com o objectivo declarado de Israel de lutar até que o Hamas seja removido de Gaza.

Autoridades dos EUA, Israel, Egipto e Qatar estão a discutir um acordo que interromperia os combates por até dois meses. Em Novembro, as partes concordaram com uma breve pausa que resultou na libertação de mais de 100 reféns pelo Hamas.

Numa proposta, os reféns seriam libertados por fases durante uma pausa de até 60 dias em troca dos palestinianos presos por Israel. Algumas autoridades sugeriram que os civis israelenses seriam libertados primeiro, em troca de mulheres palestinas e menores detidos por Israel. Depois, os soldados israelitas capturados seriam trocados por líderes militantes palestinianos que cumpriam penas de longa duração.

Diplomatas de vários lados dizem esperar que discussões mais detalhadas possam ser realizadas durante a pausa sobre uma trégua permanente que possa envolver a retirada da maioria ou de todas as tropas israelenses, a saída dos líderes do Hamas da Faixa e uma transição de poder para a Autoridade Palestina. . Por enquanto, Israel e o Hamas rejeitaram algumas dessas condições.

Para tentar fazer avançar estas negociações, William J. Burns, o diretor da CIA, planeia reunir-se na Europa nos próximos dias com altos homólogos israelitas, egípcios e catarianos.

Alguns observadores esperam que o apelo do Tribunal Mundial na sexta-feira para que Israel cumpra a Convenção do Genocídio dê impulso e cobertura política às autoridades israelitas que pressionam internamente para acabar com a guerra.

A Autoridade Palestina controlou brevemente Gaza após a saída das tropas israelenses em 2005, mas o Hamas forçou-a a deixar o poder dois anos depois. Agora, alguns querem que a autoridade regresse a Gaza e desempenhe um papel na governação do pós-guerra. Para tornar essa ideia mais atraente para Israel, que se opõe a ela, há uma pressão por parte dos Estados Unidos, Jordânia, Egipto, Arábia Saudita e outros estados árabes para rever a autoridade e mudar a sua liderança.

Sob o seu actual presidente, Mahmoud Abbas, 88 anos, a autoridade é amplamente vista como corrupta e autoritária. Os mediadores estão a encorajá-lo a assumir um papel mais cerimonial e a ceder o poder executivo a um novo primeiro-ministro que poderia supervisionar a reconstrução de Gaza e reduzir a corrupção. Autoridades dos EUA dizem que o objetivo é tornar a autoridade um administrador mais plausível de um futuro Estado palestino. As autoridades israelitas também afirmam que a autoridade precisa de mudar o seu sistema educativo, que dizem não promover a paz, e acabar com os pagamentos de assistência social aos condenados por violência contra israelitas.

Alguns críticos de Abbas querem que ele seja substituído por Salam Fayyad, um professor de Princeton que recebeu o crédito por modernizar a autoridade durante um período como primeiro-ministro há uma década, ou Nasser al-Kidwa, um ex-enviado palestino à ONU que rompeu com Abbas. três anos atrás. Mas diplomatas dizem que Abbas está a pressionar por um candidato sobre o qual tenha mais influência, como Mohammad Mustafa, o seu conselheiro económico de longa data.

Algumas autoridades propuseram uma força árabe de manutenção da paz para ajudar o novo líder palestiniano a manter a ordem na Gaza do pós-guerra. As autoridades israelitas rejeitam essa ideia, mas lançaram a ideia de uma força multinacional sob a supervisão de Israel na Faixa. Diplomatas americanos disseram aos israelenses este mês que os líderes árabes se opõem à sua ideia.

No conjunto de conversações mais ambicioso, a administração Biden reavivou as discussões com a Arábia Saudita para que os sauditas concordassem com relações diplomáticas formais com Israel.

O acordo tripartido estava em discussão antes dos ataques de 7 de outubro, e o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, da Arábia Saudita, parecia receptivo a ele porque a administração Biden estava oferecendo um tratado de defesa EUA-Saudita, cooperação em um programa nuclear civil e maior vendas de armas. Segundo esse acordo, dizem as autoridades americanas, os sauditas teriam aceitado as concessões relativamente pequenas de Israel sobre a questão palestina em troca do reconhecimento saudita.

Esse reconhecimento seria uma vitória política importante para os líderes americanos e israelitas devido ao estatuto da Arábia Saudita como uma nação árabe e muçulmana líder.

Contudo, desde o início da guerra, a Arábia Saudita e os Estados Unidos aumentaram o preço para Israel, insistindo agora que Israel se comprometa com um processo que conduza a um Estado palestiniano e inclua a governação palestiniana de Gaza. Autoridades dos EUA também disseram aos israelitas que a Arábia Saudita e outras nações árabes concordariam em dar dinheiro para a reconstrução de Gaza apenas se os líderes israelitas se comprometessem com um caminho para a criação de um Estado palestiniano.

Esses novos termos foram anunciados publicamente pela primeira vez por Blinken depois que ele se encontrou com o príncipe Mohammed em um acampamento no deserto na Arábia Saudita este mês. Ele os entregou ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, depois de voar de lá para Tel Aviv. Ele os reiterou novamente num discurso público em Davos, na Suíça, assim como Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional da Casa Branca.

Netanyahu rejeitou publicamente essa proposta – comprometendo-se recentemente a manter o controlo militar de Israel sobre toda a Cisjordânia e Gaza. Muitos israelitas apoiam isso, embora alguns responsáveis ​​norte-americanos se perguntem se se trata de uma posição de negociação aberta por parte de Netanyahu.

Para tranquilizar os sauditas e os palestinianos, alguns responsáveis ​​sugeriram uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, apoiada pelos Estados Unidos, que consagraria o direito dos palestinianos à soberania. Mas a ideia ainda não ganhou força.

Há também a questão de saber se a administração Biden pode entregar ao príncipe Mohammed um tratado de defesa mútua aprovado pelo Senado. Alguns senadores democratas já levantaram preocupações sobre isso. E espera-se que as hipóteses de os senadores republicanos se oporem a ela aumentem à medida que as eleições presidenciais de Novembro nos EUA se aproximam.

Patrick Kingsley relatado de Abu Dhabi, e Eduardo Wong de Washington. O relatório foi contribuído por Aaron Boxerman, Adam Rasgon e Isabel Kershner de Jerusalém; Ronen Bergman de Tel Aviv; Farnaz Fassihi de nova York; e Julian E. Barnes de Washington.

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *