Mon. May 27th, 2024

Os principais líderes da China estabeleceram na terça-feira uma meta ambiciosa de crescimento, numa altura em que a sua economia enfrenta uma forte queda no mercado imobiliário, o mal-estar dos consumidores e a cautela dos investidores.

O primeiro-ministro Li Qiang, a segunda autoridade do país depois de Xi Jinping, disse no seu relatório à sessão anual da legislatura que o governo procuraria um crescimento económico de cerca de 5 por cento. É a mesma meta que a liderança da China estabeleceu para o ano passado, quando as estatísticas oficiais acabaram por mostrar que o produto interno bruto do país cresceu 5,2 por cento.

Alguns economistas questionam se o crescimento foi tão elevado como a China afirma. Além disso, o ano passado trouxe uma recuperação modesta porque medidas rigorosas de “zero Covid” estiveram em vigor até Dezembro de 2022. Alcançar o mesmo crescimento este ano, sem o benefício dessa recuperação, poderia ser muito mais difícil.

Os consumidores e os investidores têm-se mostrado cépticos quanto às perspectivas de uma recuperação duradoura. Os mercados bolsistas na China caíram fortemente em Janeiro e no início de Fevereiro, antes de recuperarem nas últimas quatro semanas, à medida que o governo tomava medidas para incentivar a compra de acções. Mas Li afirmou que a China estava no caminho certo.

A China “resistiu às pressões externas e superou as dificuldades internas”, disse Li ao Congresso Nacional do Povo, um órgão controlado pelo Partido Comunista que aprova leis e orçamentos. “A economia está geralmente se recuperando.”

A Assembleia Popular Nacional, um evento coreografado com a duração de uma semana, concentra-se normalmente nas iniciativas de curto prazo do governo, especialmente nos objectivos económicos. O objectivo de crescimento da China e as formas como o governo está a tentar alcançá-lo estão sob intenso escrutínio internacional este ano.

Os líderes do Partido Comunista estão a tentar restaurar a confiança nas perspectivas de longo prazo da China e aproveitar novos motores de crescimento, como a energia limpa e os veículos eléctricos. O relatório do Sr. Li também sinalizou novos gastos em inteligência artificial e no “aprimoramento da pesquisa tecnológica disruptiva e de ponta”, segundo a Xinhua.

Mas esses esforços poderão ser prejudicados por um emaranhado de problemas em torno do sector da habitação: um excesso de apartamentos, empresas imobiliárias e governos locais com problemas de dívida, e compradores de casas relutantes em investir dinheiro em imóveis quando os valores estão em declínio.

Alcançar a meta de crescimento da China este ano poderá ser difícil sem outra grande ronda de gastos estatais alimentados pela dívida. Alcançar um crescimento anual de cerca de 5% “exigirá um apoio político decisivo, abrangente e coordenado”, afirmaram economistas do HSBC na sexta-feira.

Viviane Wang contribuiu com reportagens de Pequim.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *