Mon. Jul 15th, 2024

O secretário de Estado Antony J. Blinken disse na sexta-feira que o governo americano considera agora os novos assentamentos israelenses em territórios palestinos “inconsistentes com o direito internacional”, revertendo uma política definida sob a administração Trump e retornando a uma posição dos EUA de décadas.

Blinken falou em entrevista coletiva em Buenos Aires, depois que o ministro das Finanças de Israel, Bezalel Smotrich, fez um anúncio na quinta-feira indicando que milhares de novas residências seriam adicionadas aos assentamentos. Blinken disse que ficou “decepcionado” com o anúncio.

“Tem sido uma política de longa data dos EUA, tanto sob administrações republicanas como democratas, que novos colonatos são contraproducentes para alcançar uma paz duradoura”, disse ele. “Eles são inconsistentes com o direito internacional. Nossa administração mantém firme oposição à expansão dos assentamentos. E, na nossa opinião, isto apenas enfraquece – e não fortalece – a segurança de Israel.”

Blinken esteve na Argentina para reuniões com o presidente recentemente eleito, Javier Milei, e com a ministra das Relações Exteriores, Diana Mondino.

Em Washington, John F. Kirby, porta-voz da Casa Branca, reiterou essa posição em comentários aos repórteres. “Esta é uma posição que tem sido consistente ao longo de uma série de administrações republicanas e democratas – se há uma administração que está a ser inconsistente, foi a anterior”, disse ele.

Funcionários do Departamento de Estado recusaram-se a dizer que ações, se houver, os Estados Unidos poderão tomar para responsabilizar legalmente os colonos israelitas ou o governo pela construção de novos colonatos.

Ao longo de muitos anos, os colonatos proliferaram em toda a Cisjordânia, território palestiniano ocupado por Israel, sem que os Estados Unidos pressionassem por qualquer acção legal. Cerca de 500 mil residentes vivem agora na Cisjordânia ocupada e mais de 200 mil em Jerusalém Oriental.

Em Novembro de 2019, o secretário de Estado do Presidente Trump, Mike Pompeo, reverteu quatro décadas de política dos EUA ao dizer que os colonatos não violavam o direito internacional. Os advogados do Departamento de Estado nunca emitiram uma nova determinação legal que apoiasse essa mudança de política, e a mudança do Sr. Blinken de volta à antiga política é consistente com uma conclusão jurídica de longa data do departamento.

A partir de 2021, quando o presidente Biden assumiu o cargo, repórteres diplomáticos perguntaram aos funcionários do Departamento de Estado se Blinken planejava reverter a medida de Pompeo, mas os funcionários sempre disseram que não houve mudança na política.

Alguns funcionários do Departamento de Estado ficaram preocupados no ano passado com o forte aumento de actos de violência por parte de colonos extremistas. Após os ataques de 7 de outubro do Hamas, a violência aumentou na Cisjordânia e Biden e Blinken começaram a denunciar as ações e a expansão dos assentamentos.

Na tarde de sexta-feira, Jeremy Ben-Ami, presidente do J Street, um grupo liberal de defesa dos judeus americanos que tenta moldar a política para Israel, elogiou o anúncio de Blinken.

“Agora, a administração deve deixar claro que, particularmente à luz da volatilidade da situação actual entre israelitas e palestinianos, não deve haver mais expansão do empreendimento dos colonatos”, disse ele num comunicado. Ele acrescentou que a administração Biden deveria mostrar que “tomará novas medidas para fazer cumprir a sua opinião – e a visão da comunidade internacional – de que a anexação progressiva da Cisjordânia deve parar”.

A decisão de Pompeo em 2019 reforçou a posição do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, que prometeu durante duas eleições naquele ano anexar a Cisjordânia. A nova coligação governamental de Netanyahu tem vários ministros de extrema-direita que apoiam essa direção, e foram esses políticos que ajudaram Netanyahu a permanecer no poder, apesar das críticas generalizadas a ele sobre a sua incapacidade de proteger Israel dos ataques de 7 de outubro. O Hamas e as suas medidas para minar o poder judicial.

Na quinta-feira à noite, o gabinete de um desses ministros, o Sr. Smotrich, anunciou que seria convocado um comité de planeamento israelita existente que supervisiona a construção na Cisjordânia.

Ele disse que o comitê avançaria com os planos para mais de 3.000 unidades habitacionais, a maioria delas em Ma’ale Adumim, perto do local de um ataque palestino a tiros naquele mesmo dia. O gabinete do Sr. Smotrich descreveu a expansão do assentamento como uma “resposta sionista apropriada” ao ataque.

“Que todo terrorista que planeja nos prejudicar saiba que levantar a mão contra os cidadãos de Israel resultará em morte, destruição e no aprofundamento de nosso controle eterno sobre toda a Terra de Israel”, disse Smotrich em um comunicado.

O gabinete de Smotrich não informou quando o comitê seria convocado, se as unidades habitacionais seriam novas casas ou em que estágio do processo de planejamento elas se encontravam.

Blinken também disse que não faria qualquer julgamento sobre o plano pós-guerra para Gaza que Netanyahu começou a circular entre as autoridades israelenses. Blinken disse que qualquer plano deve estar alinhado com três princípios: Gaza não deve ser uma base para o terrorismo; o governo israelita não deveria reocupar Gaza; e a dimensão do território de Gaza não deve ser reduzida.

“Há certos princípios básicos que estabelecemos há muitos meses”, disse ele, referindo-se ao resultado de um conclave diplomático em Tóquio, “que consideramos muito importantes no que diz respeito ao futuro de Gaza”.

Aaron Boxerman contribuiu com reportagens de Jerusalém.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *