Tue. Feb 27th, 2024

O presidente Biden vetou na quarta-feira um esforço liderado pelos republicanos que poderia ter frustrado os planos do governo de investir US$ 7,5 bilhões para construir estações de carregamento de veículos elétricos em todo o país.

Ao emitir o veto, Biden argumentou que a resolução do Congresso teria prejudicado a indústria nacional, bem como a transição para energia limpa.

“Se aprovada, esta resolução prejudicaria as centenas de milhões de dólares que o setor privado já investiu na produção doméstica de carregamento de veículos elétricos e reduziria ainda mais o investimento doméstico neste mercado crítico”, disse Biden num comunicado.

A mudança ocorre em meio a uma crescente divisão política sobre os veículos elétricos. A administração Biden está a promovê-los agressivamente como uma parte importante da luta para abrandar o aquecimento global. A histórica lei climática assinada em 2022 por Biden, a Lei de Redução da Inflação, oferece incentivos aos consumidores para comprarem veículos eléctricos e aos fabricantes para os construírem nos Estados Unidos.

Os republicanos, incluindo o ex-presidente Donald J. Trump, o provável adversário de Biden nas eleições de 2024, atacaram os veículos elétricos como não confiáveis, inconvenientes e cedendo a fabricação de automóveis dos EUA à China, que domina a cadeia de fornecimento de veículos elétricos.

Os republicanos, juntamente com alguns democratas, votaram pela revogação de uma isenção emitida pela administração Biden que permite que carregadores de veículos eléctricos financiados pelo governo federal sejam fabricados a partir de ferro e aço importados, desde que sejam montados nos Estados Unidos.

O requisito “comprar americano” da lei de infraestrutura de 2021 diz que o ferro e o aço produzidos nos Estados Unidos devem ser usados ​​para projetos financiados pela Lei de Administração Rodoviária Federal. A lei inclui US$ 7,5 bilhões para construir uma rede nacional de recarga de veículos elétricos.

A instalação de estações de carregamento de veículos eléctricos é uma das principais prioridades da administração porque os inquéritos mostram que muitos condutores interessados ​​em comprar VE hesitam em fazê-lo devido à falta de estações de carregamento convenientes.

O senador Marco Rubio, republicano da Flórida, apresentou o esforço para acabar com a renúncia. “Isso prejudica as empresas americanas e permite que adversários estrangeiros, como a China, controlem a nossa infraestrutura energética”, disse ele em julho. “Nunca deveríamos usar dólares americanos para subsidiar produtos fabricados na China.”

Na quarta-feira, ao saber do veto de Biden, Rubio escreveu na plataforma de mídia social X: “Por que ele está enviando dólares dos contribuintes americanos para empresas chinesas?”

A Casa Branca argumentou que, ao revogar a isenção, os legisladores estavam, na verdade, bloqueando os requisitos fabricados na América.

Isto porque uma revogação teria provocado o regresso a uma política de 1983 que dispensava as exigências nacionais para muitos produtos manufaturados. Isso teria tornado mais provável que os fundos federais fossem “gastos em carregadores fabricados em países concorrentes como a República Popular da China”, disse Biden na sua declaração de veto.

O Senado votou, por 50-48, em novembro, para revogar a isenção, com os democratas Sherrod Brown, de Ohio, Joe Manchin, da Virgínia Ocidental, e Jon Tester, de Montana, juntando-se aos republicanos para remover a isenção. O senador Rand Paul, do Kentucky, foi o único republicano a se opor à medida.

A Câmara votou, por 209 a 198, em janeiro, pela revogação. Dois democratas, Jared Golden do Maine e Donald Davis da Carolina do Norte, votaram com os republicanos a favor da medida. Dois republicanos, Brian Fitzpatrick da Pensilvânia e Tom McClintock da Califórnia, opuseram-se.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *