Sun. Apr 14th, 2024

O presidente Biden classificou na terça-feira a decisão da Suprema Corte da Flórida de defender uma lei restritiva ao aborto de “ultrajante” e “extrema”, dizendo que ela efetivamente eliminou o acesso ao procedimento em todo o sul dos Estados Unidos.

O presidente disse em um comunicado que as restrições na Flórida e outras decretadas pelos republicanos em todo o país “estão colocando em risco a saúde e a vida de milhões de mulheres”. Mas Biden disse que os eleitores “teriam a oportunidade de fazer ouvir as suas vozes”, depois de o tribunal ter decidido separadamente que os habitantes da Florida poderiam decidir sobre a expansão do acesso ao aborto em Novembro.

A declaração de Biden sobre a decisão, que abre caminho para uma proibição do aborto de seis semanas, ocorreu no momento em que sua campanha e uma série de autoridades democratas iniciaram um esforço total para atribuir a responsabilidade pela diminuição do acesso à assistência ao aborto diretamente no ex-presidente Donald Trump. J. Trump.

“Donald Trump é diretamente culpado pelo fato de o aborto ter sido agora efetivamente proibido em todo o sudeste dos Estados Unidos”, disse Julie Chávez Rodríguez, gerente de campanha de Biden, aos repórteres na terça-feira. “Não se engane, Donald Trump fará tudo o que estiver ao seu alcance para tentar decretar uma proibição nacional do aborto se for reeleito.”

Trump indicou apoio à proibição do aborto por cerca de 15 semanas, com exceções para estupro ou incesto, ou para salvar a vida da mãe. Um representante da campanha de Trump não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre a decisão do tribunal da Flórida.

Os democratas acreditam que as decisões da Flórida atrairão eleitores e talvez até virarão o estado – um tiro no escuro em um estado onde o candidato de Biden é um eleitor registrado.

“Temos clareza sobre o quão difícil será vencer na Flórida”, disse Chávez Rodríguez, “mas também sabemos que Trump não tem tudo sob controle”.

Como prova, ela e outras autoridades apontaram iniciativas eleitorais noutros estados onde os eleitores optaram por proteger o direito ao aborto nos meses desde que o Supremo Tribunal dos EUA revogou Roe v. Wade, a decisão de 1973 que estabeleceu o direito federal ao aborto.

A decisão na Florida coloca um escrutínio intenso num estado que tem sido historicamente um refúgio para pessoas de estados com medidas mais restritivas que procuram o aborto. A Suprema Corte do estado, de tendência conservadora, decidiu na segunda-feira que a proibição do aborto de 15 semanas promulgada em 2022 era constitucional. Essa decisão permitirá que uma proibição de seis semanas defendida por Ron DeSantis, o governador republicano do estado, entre em vigor até 1º de maio.

Ao mesmo tempo, o tribunal também decidiu que uma proposta de alteração constitucional que garante o direito ao aborto até à viabilidade fetal, geralmente por volta das 24 semanas, poderia ser votada em Novembro.

Os democratas dizem que restringir o acesso ao aborto é uma questão perdida para os republicanos. No Congresso, alguns republicanos, especialmente os que vivem em distritos indecisos, afastaram-se silenciosamente da legislação restritiva sobre o aborto, tentando em vez disso atacar os democratas noutras questões como a imigração, o crime e a economia.

Na verdade, na terça-feira, a campanha de Trump partilhou os nomes e fotografias de pessoas que as autoridades disseram terem sido vítimas de crimes cometidos por imigrantes indocumentados, enquanto o antigo presidente se preparava para visitar Michigan e Wisconsin.

Os democratas continuaram focados no aborto.

“Quanto mais os republicanos fizerem aqui, pior será para eles nas urnas, como deveria, porque esta é uma questão com a qual as pessoas se preocupam em todo o país”, disse o governador Roy Cooper, democrata da Carolina do Norte.

A campanha de Biden também divulgou um anúncio em estados decisivos na terça-feira, no qual o presidente acusava seu concorrente de apoiar a proibição nacional do aborto. O anúncio começa com Trump dizendo que estava “orgulhoso” por ter ajudado a derrubar Roe.

“Donald Trump não confia nas mulheres”, diz Biden no anúncio. “Eu faço.”

O comercial faz parte de um gasto de US$ 30 milhões em publicidade em estados competitivos. Os espectadores verão o filme durante os jogos da Liga Principal de Beisebol, no “Saturday Night Live” e na programação do horário nobre, incluindo os prêmios da Country Music Television, de acordo com a campanha. A campanha também tem como alvo plataformas de mídia social, incluindo Instagram, YouTube e Facebook, para que os usuários da Flórida possam vê-la.

Pessoas familiarizadas com a estratégia da campanha de Biden disseram que não estava claro se a campanha investiria recursos significativos para virar a Florida, mas vários disseram que a decisão do tribunal de permitir um referendo sobre a protecção do direito ao aborto atrairia eleitores às urnas em Novembro. Pesquisas recentes mostram que há apoio suficiente para que a medida seja aprovada, um sinal que os ativistas dizem ser encorajador, faltando meses para as eleições.

“Penso que neste ciclo eleitoral, com estes contrastes, tudo é possível e temos de correr para todo o lado como é possível”, disse Mini Timmaraju, presidente da Liberdade Reprodutiva para Todos, numa entrevista.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *