Mon. May 27th, 2024

O presidente Biden disse na sexta-feira que os Estados Unidos começariam a lançar suprimentos de ajuda humanitária em Gaza, uma decisão motivada pelas dezenas de palestinos que foram mortos quando as forças israelenses abriram fogo perto de um comboio de ajuda na cidade de Gaza um dia antes.

“Pessoas inocentes foram apanhadas numa guerra terrível, incapazes de alimentar as suas famílias, e vimos a resposta quando tentaram obter ajuda”, disse Biden antes de se reunir com a primeira-ministra Giorgia Meloni, da Itália. “E precisamos fazer mais, e os Estados Unidos farão mais.”

Biden disse que os Estados Unidos trabalhariam com a Jordânia, que tem estado na vanguarda dos esforços de lançamento aéreo para Gaza, bem como com outros aliados para entregar ajuda por via aérea e que os suprimentos poderiam, eventualmente, ser entregues por via marítima.

“A ajuda que flui para Gaza não é suficiente agora”, disse Biden. “Vidas inocentes estão em risco e vidas de crianças estão em risco.”

Biden e Meloni discutiram os esforços para evitar que a guerra em Gaza se torne um conflito maior, bem como o apoio à Ucrânia e as medidas para enfrentar o tráfico de seres humanos e a migração global.

John F. Kirby, um alto funcionário do Conselho de Segurança Nacional, disse que os primeiros lançamentos aéreos se concentrariam em alimentos, seguidos de água e remédios. Um oficial militar dos EUA disse que a Força Aérea planeja reduzir 50 mil rações de refeição.

A administração Biden tem vindo a considerar lançamentos aéreos há algum tempo, mas até agora optou por não o fazer, em parte devido aos desafios logísticos de lançar ajuda numa zona de guerra densa. Mas Kirby disse que o caos de quinta-feira sublinhou a necessidade de “encontrar formas mais criativas de obter assistência mais rapidamente e em maior escala”.

As mortes em torno do comboio colocaram a crise humanitária em Gaza no centro das atenções dos funcionários da administração, dizem. As autoridades disseram não saber exatamente o que aconteceu no comboio, mas acreditam que os acontecimentos desastrosos de quinta-feira mostram a falta de segurança em Gaza, evidenciando o fracasso da guerra de Israel e a situação cada vez mais desesperadora para os palestinos ali.

As mortes podem revelar-se uma espécie de ponto de inflexão, incitando a Casa Branca a exercer maior pressão sobre Israel para permitir a entrada de mais ajuda humanitária.

Kirby disse que as mortes mostram a necessidade de o Hamas e Israel concordarem com um cessar-fogo e libertarem os reféns detidos em Gaza. Uma pausa nas operações militares de Israel permitiria que mais ajuda humanitária chegasse ao território mais rapidamente, disse ele.

Muitas questões permanecem sem resposta sobre os assassinatos em torno do comboio de ajuda na quinta-feira, para os quais os militares israelitas e as autoridades de Gaza ofereceram relatos divergentes.

Autoridades de saúde de Gaza afirmam que mais de 100 palestinos foram mortos e mais de 700 feridos na quinta-feira, quando as forças israelenses abriram fogo contra multidões reunidas perto de um comboio de ajuda humanitária na Cidade de Gaza. Testemunhas disseram que viram pessoas baleadas enquanto corriam em direção aos caminhões de ajuda.

Os militares israelitas disseram que uma grande multidão avançou contra o comboio e as forças israelitas dispararam contra uma multidão que “se movia de uma forma que os colocava em perigo”. Os militares israelitas afirmaram que a maior parte das mortes foi causada por atropelamentos e que as pessoas também foram atropeladas pelos camiões de ajuda.

Kirby disse que o governo Biden acredita que Israel está conduzindo uma investigação justa sobre a violência.

“As indicações são de que eles estão levando isso a sério”, disse Kirby, acrescentando que os Estados Unidos querem respostas o mais rápido possível. “Vamos ver o que eles descobrem e o que aprendem.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *