Fri. Jul 19th, 2024

Uma auditoria de seis semanas realizada pela Administração Federal de Aviação sobre a produção do jato 737 Max pela Boeing encontrou dezenas de problemas em todo o processo de fabricação da fabricante de aviões e de um de seus principais fornecedores, de acordo com uma apresentação de slides analisada pelo The New York Times.

O regulador de segurança aérea iniciou o exame depois que um painel de porta explodiu em um 737 Max 9 durante um voo da Alaska Airlines no início de janeiro. Na semana passada, a agência anunciou que a auditoria encontrou “múltiplos casos” em que a Boeing e o fornecedor, Spirit AeroSystems, não cumpriram os requisitos de controlo de qualidade, embora não tenha fornecido detalhes sobre as conclusões.

A apresentação analisada pelo The Times, embora altamente técnica, oferece uma imagem mais detalhada do que a auditoria revelou. Desde o episódio da Alaska Airlines, a Boeing tem estado sob intenso escrutínio sobre as suas práticas de controlo de qualidade, e as conclusões somam-se ao conjunto de provas sobre lapsos de produção na empresa.

Para a parte do exame focada na Boeing, a FAA realizou 89 auditorias de produtos, um tipo de revisão que analisa aspectos do processo de produção. A fabricante de aviões passou em 56 auditorias e foi reprovada em 33 delas, com um total de 97 casos de suposto descumprimento, segundo a apresentação.

A FAA também conduziu 13 auditorias de produtos na parte da investigação que se concentrou na Spirit AeroSystems, que fabrica a fuselagem, ou corpo, do 737 Max. Seis dessas auditorias resultaram em notas de aprovação e sete em notas de reprovação, disse a apresentação.

A certa altura durante o exame, a agência de segurança aérea observou mecânicos do Spirit usando um cartão-chave de hotel para verificar a vedação de uma porta, de acordo com um documento que descreve algumas das descobertas. Essa ação “não foi identificada/documentada/declarada na ordem de produção”, afirma o documento.

Em outro caso, a FAA viu os mecânicos da Spirit aplicarem sabão líquido Dawn na vedação de uma porta “como lubrificante no processo de montagem”, de acordo com o documento. A vedação da porta foi então limpa com uma gaze úmida, dizia o documento, observando que as instruções eram “vagas e pouco claras sobre quais especificações/ações deveriam ser seguidas ou registradas pelo mecânico”.

A Spirit não comentou imediatamente quando questionada pelo The Times sobre a adequação de usar um cartão-chave de hotel ou sabonete Dawn nessas situações.

A Boeing não comentou imediatamente os resultados da auditoria. No final de fevereiro, a FAA deu à empresa 90 dias para desenvolver um plano de melhorias no controle de qualidade. Em resposta, o seu executivo-chefe, Dave Calhoun, disse que “temos uma imagem clara do que precisa ser feito”, citando em parte as conclusões da auditoria.

A Boeing disse este mês que estava em negociações para adquirir a Spirit, que foi desmembrada em 2005. Joe Buccino, porta-voz da Spirit, disse na segunda-feira que a empresa recebeu resultados preliminares de auditoria da FAA e planejava trabalhar com a Boeing para resolver o que o regulador havia levantado. Sr. Buccino disse que o objetivo da empresa é reduzir a zero o número de defeitos e erros em seus processos.

“Enquanto isso, continuamos com vários esforços empreendidos para melhorar nossos programas de segurança e qualidade”, disse o Sr. Buccino. “Essas melhorias concentram-se em fatores humanos e outras etapas para minimizar as não conformidades.”

A FAA disse que não poderia divulgar detalhes sobre a auditoria devido à investigação em andamento sobre a Boeing em resposta ao episódio da Alaska Airlines. Além dessa investigação, o Conselho Nacional de Segurança nos Transportes está investigando o que causou a explosão do painel da porta do avião, e o Departamento de Justiça iniciou uma investigação criminal.

Durante o exame da FAA, a agência enviou até 20 auditores para a Boeing e cerca de meia dúzia para a Spirit, de acordo com a apresentação de slides. A Boeing monta o 737 Max em sua fábrica em Renton, Washington, enquanto a Spirit constrói a fuselagem do avião em sua fábrica em Wichita, Kansas.

A auditoria na Boeing foi ampla, abrangendo muitas partes do 737 Max, incluindo as asas e uma variedade de outros sistemas.

Muitos dos problemas encontrados pelos auditores enquadraram-se na categoria de não seguir um “processo, procedimento ou instrução de fabricação aprovado”, de acordo com a apresentação. Algumas outras questões tratavam da documentação de controle de qualidade.

Uma auditoria tratou do componente que explodiu o jato da Alaska Airlines, conhecido como tampão de porta. A Boeing falhou nessa verificação, de acordo com a apresentação. Algumas das questões assinaladas por essa auditoria estavam relacionadas com a documentação de inspecção e controlo de qualidade, embora as conclusões exactas não tenham sido detalhadas na apresentação.

O exame da FAA também explorou até que ponto os funcionários da Boeing entendiam os processos de controle de qualidade da empresa. A agência entrevistou seis engenheiros da empresa e avaliou suas respostas, e a pontuação média geral foi de apenas 58%.

Uma auditoria na Spirit que se concentrou no componente do plugue da porta encontrou cinco problemas. Um desses problemas, disse a apresentação, foi que a Boeing “não forneceu evidências de aprovação de pequenas alterações no projeto sob um método aceitável para a FAA”. Não ficou claro na apresentação qual era a mudança no projeto.

Outra auditoria tratou da instalação da tampa da porta, e foi entre elas que o Spirit falhou. A auditoria levantou preocupações sobre os técnicos da Spirit que realizaram os trabalhos e constatou que a empresa “não conseguiu determinar os conhecimentos necessários ao funcionamento dos seus processos”.

Outras auditorias nas quais o Spirit falhou incluíram uma que envolveu uma porta de carga e outra que tratou da instalação de janelas da cabine.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *