Tue. May 28th, 2024

A Rússia intensificou os seus esforços online para inviabilizar o financiamento militar da Ucrânia nos Estados Unidos e na Europa, em grande parte através da utilização de tecnologias mais difíceis de rastrear para amplificar os argumentos a favor do isolacionismo antes das eleições nos EUA, de acordo com especialistas em desinformação e avaliações de inteligência.

Nos últimos dias, as agências de inteligência alertaram que a Rússia encontrou melhores formas de esconder as suas operações de influência, e o Departamento do Tesouro emitiu sanções na semana passada contra duas empresas russas que afirmou apoiarem a campanha do Kremlin.

As operações intensificadas, dirigidas por assessores do Presidente Vladimir V. Putin e agências de inteligência militar russas, surgem num momento crítico no debate nos Estados Unidos sobre o apoio à Ucrânia na sua guerra contra a Rússia. Embora a oposição à ajuda adicional possa ter começado sem a influência russa, o Kremlin vê agora uma oportunidade.

Operativos russos estão a preparar o terreno para o que poderá ser um impulso mais forte para apoiar candidatos que se opõem à ajuda à Ucrânia, ou que apelam à retirada dos Estados Unidos da NATO e de outras alianças, dizem responsáveis ​​norte-americanos e investigadores independentes.

Os investigadores dizem que as empresas que trabalham na rede “Doppelgänger” – e as agências de inteligência russas que duplicam as tácticas – estão a utilizar as técnicas para replicar e distorcer sites de notícias legítimos, a fim de minar a ajuda contínua à Ucrânia.

Estas técnicas são subtis e muito mais hábeis do que as que a Rússia tentou em 2016, quando criou publicações no Facebook ou tweets em nome de americanos inexistentes e utilizou-as para alimentar protestos sobre a imigração ou outras questões controversas.

O “Doppelgänger”, vagamente vinculado, cria versões falsas de sites de notícias reais nos Estados Unidos, Israel, Alemanha e Japão, entre outros países. Frequentemente promove sites anteriormente associados à agência de inteligência militar da Rússia, conhecida como GRU

O resultado é que grande parte do discurso original é protegido pela Primeira Emenda – digamos, um membro do Congresso declarando que os recursos enviados para a Ucrânia deveriam, em vez disso, ser usados ​​para patrulhar a fronteira sul dos Estados Unidos. Mas a amplificação é projetada na Rússia ou por influenciadores russos.

Putin atribuiu a responsabilidade por um número crescente de operações de influência a um tenente-chave, Sergei Kiriyenko, segundo autoridades americanas e europeias. O Departamento do Tesouro impôs sanções na quarta-feira passada a pessoas associadas às operações de Kiriyenko.

Pesquisadores da Alethea, uma empresa antidesinformação, identificaram um grupo afiliado ao GRU que utiliza técnicas difíceis de detectar para espalhar mensagens semelhantes nas redes sociais. Um relatório de Alethea ecoou uma avaliação recente das agências de inteligência americanas, segundo a qual a Rússia continuaria a “esconder melhor a sua mão” enquanto conduzia operações de influência.

“A rede demonstra uma evolução dos objectivos russos com as suas operações de informação”, disse Lisa Kaplan, fundadora e executiva-chefe da empresa, numa entrevista. “Onde os russos anteriormente procuravam semear o caos, agora parecem estar singularmente concentrados em influenciar as democracias para elegerem candidatos que não apoiam o envio de ajuda à Ucrânia – que por sua vez apoia candidatos e políticas isolacionistas e protecionistas.”

“Esta estratégia de longo prazo, se for eficaz, resultaria na redução do apoio à Ucrânia a nível mundial”, disse ela.

As autoridades americanas observam, no entanto, que estas técnicas tornam particularmente difícil identificar – e denunciar – as operações russas.

Nas eleições de 2016, a Internet Research Agency, uma fazenda de trolls russa que travou uma guerra de informação contra os Estados Unidos, divulgou milhares de publicações nas redes sociais, fingindo que eram de americanos. Nas eleições de 2020, a Agência de Segurança Nacional aprendeu como interromper as operações dentro da Rússia.

Moscovo decidiu encerrar a Agência de Investigação da Internet depois do seu fundador, Yevgeny V. Prigozhin, ter organizado um motim de curta duração contra os militares russos no ano passado. As pessoas afiliadas ao grupo permanecem ativas. Mas autoridades e especialistas dos EUA dizem que este não é mais o principal esforço de influência russo.

“A Internet Research Agency, em muitos aspectos, foi apenas um substituto para o que se tornou um esforço de informação muito mais expansivo na mídia tradicional e nas mídias sociais”, disse Clint Watts, gerente geral do Centro de Análise de Ameaças da Microsoft.

Os esforços mais recentes são controlados mais diretamente pelo Kremlin. Antes das sanções do Tesouro na semana passada, o Departamento de Estado delineou o que considerou serem esforços das duas empresas russas, a Social Design Agency, uma empresa de relações públicas, e a Structura National Technologies, uma empresa de tecnologia da informação, para criar campanhas de desinformação.

As agências de inteligência americanas não acreditam que o Kremlin tenha iniciado o seu esforço de influência total. Putin irá provavelmente mudar, em algum momento, das mensagens anti-Ucrânia para influenciar operações que apoiam mais directamente a candidatura do antigo Presidente Donald J. Trump, o presumível candidato republicano.

É provável que Putin não ordene um grande esforço nas eleições presidenciais antes das convenções do partido neste verão, disseram autoridades e especialistas.

“O que observámos foram os russos, e uma série de outros países adversários, a pensar em como e quando poderão influenciar as eleições”, disse Jim Himes, democrata do Connecticut e membro sénior do Comité de Inteligência da Câmara.

Putin argumenta que os Estados Unidos tentaram influenciar a política russa, incluindo as eleições presidenciais deste mês, nas quais foi, sem surpresa, reeleito por uma margem esmagadora. Não está claro até que ponto Putin considera as sanções dos EUA emitidas após a morte do líder da oposição Aleksei A. Navalny como uma espécie de interferência na sua política.

“Putin acredita do fundo do coração que nos intrometemos em suas eleições”, disse Himes. “Coisas como o contacto com grupos dissidentes ou a amplificação da mensagem de Navalny. Putin vê tudo isso como uma interferência por parte dos EUA. Ele considera coisas como senadores e congressistas criticando a sua eleição como interferência eleitoral.”

A actividade russa que cativa a atenção americana não se limita às operações de influência. A SVR da Rússia, a agência de inteligência que esteve mais ativa nas eleições de 2016 e que esteve por trás do hack “SolarWinds” que conseguiu acesso a dezenas de agências governamentais e grandes empresas americanas, está em um ataque de meses à Microsoft. O esforço parece ter como objetivo obter acesso a e-mails e dados corporativos.

E as autoridades dos EUA dizem que os ataques de ransomware continuam a surgir em território russo.

Uma onda de tais ataques levou à única cimeira entre líderes do Presidente Biden e do Sr. Putin, em 2021. Um esforço para trabalhar em conjunto para conter esses ataques ruiu quando a invasão da Ucrânia pela Rússia começou no ano seguinte. Hoje, as campanhas de pirataria informática rendem milhões de dólares a grupos criminosos, ao mesmo tempo que servem frequentemente a agenda do Kremlin de perturbar os cuidados de saúde, os serviços governamentais e os serviços públicos norte-americanos.

Na sua avaliação anual da ameaça, as agências de inteligência afirmaram que a Rússia estava a tentar semear a discórdia entre os eleitores dos Estados Unidos e dos seus aliados em todo o mundo, e que a guerra na Ucrânia “continuará a ter um forte destaque nas suas mensagens”.

“Moscou vê as eleições nos EUA como oportunidades e conduz operações de influência há décadas”, disse o relatório de inteligência. “A Rússia está a ponderar como os resultados eleitorais dos EUA em 2024 poderão impactar o apoio ocidental à Ucrânia e provavelmente tentará afectar as eleições da forma que melhor apoie os seus interesses e objectivos.”

A Rússia será provavelmente a potência estrangeira mais activa na tentativa de influenciar as eleições presidenciais, embora a China e o Irão também tenham intensificado os seus esforços, disse Himes.

“É importante lembrar que a natureza da interferência eleitoral é muito diferente quando se trata dos russos”, disse Himes. “Os russos são muito mais intensos e mais focados no que vimos dos chineses, iranianos e outros.”

Após a votação de 2016, Democratas e Republicanos debateram ferozmente se Putin queria simplesmente criar o caos no eleitorado americano ou se apoiava activamente Trump. As agências de inteligência concluíram naquela eleição, e em 2020, que a Rússia procurava apoiar Trump.

As agências de inteligência acreditam que o governo russo favorece novamente a eleição de Trump, em grande parte devido ao seu cepticismo em relação à ajuda à Ucrânia. Mas não se sabe até que ponto as operações de influência russas apoiarão explicitamente Trump ou denegrirão Biden, segundo autoridades americanas.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *