Tue. Feb 27th, 2024

Esta semana, em Banguecoque, membros de um grupo de rock anti-guerra de língua russa lutavam contra a deportação para a Rússia, detidos no que os seus apoiantes descreveram como uma cela de imigração apertada e quente, com 80 pessoas.

Na quarta-feira, em Moscovo, a câmara baixa do Parlamento aprovou uma lei que permitirá ao governo russo confiscar a propriedade de russos que vivem no estrangeiro e que, nas palavras do presidente da legislatura, “mancham o nosso país”.

Os dois acontecimentos, embora separados por milhares de quilómetros, reflectiram o mesmo cálculo sombrio do Kremlin: recorrendo à nova legislação e à aparente pressão diplomática sobre outros países, está a apertar os parafusos à crescente diáspora anti-guerra da Rússia.

“A Rússia histórica levantou-se”, disse o presidente Vladimir V. Putin numa reunião com apoiantes da sua campanha presidencial na quarta-feira, retomando a sua afirmação de que chegou o momento de limpar a sociedade russa de elementos pró-Ocidente. “Toda essa escória que está sempre presente em qualquer sociedade está sendo lentamente eliminada.”

Segundo a lei, qualquer russo, mesmo aqueles no exílio, que se encontre envolvido em “crimes contra a segurança nacional” – incluindo criticar a invasão da Ucrânia – poderia ter os seus bens confiscados. Espera-se que Putin assine a lei, embora ainda não esteja claro até que ponto o Kremlin planeja usá-la de forma ampla ou agressiva.

Mas a rápida aprovação da lei – que foi aprovada por unanimidade pela Duma de Estado – é outro sinal de que o Kremlin, tendo reprimido a dissidência interna, está a voltar cada vez mais a sua atenção para as críticas vindas do exterior. Centenas de milhares de russos fugiram após o início da guerra, incluindo muitas celebridades que ainda conseguem contactar os seus fãs através de plataformas como o YouTube, que continua acessível dentro da Rússia.

Entre os primeiros a sentir esta pressão crescente estão artistas populares que atraíram grandes audiências em locais populares entre os emigrados russos, como Dubai e o Sudeste Asiático. Nas últimas semanas, celebridades anti-guerra russas acusaram a Tailândia e a Indonésia de ceder à pressão russa para cancelar os seus espectáculos, enquanto um rapper anti-guerra se viu proibido de voltar a entrar nos Emirados Árabes Unidos, o seu país adoptivo.

O caso mais dramático aconteceu depois de membros do grupo de rock Bi-2, originário da Bielorrússia e uma das bandas mais populares da Rússia, terem sido presos na Tailândia na semana passada por violação de imigração. Os seus apoiantes disseram que as autoridades russas passaram dias a pressionar a Tailândia a deportar alguns deles para a Rússia, onde os músicos poderiam ter enfrentado processos por criticarem a guerra.

Na quarta-feira, os roqueiros escaparam desse destino graças à intervenção de diplomatas israelenses e australianos, que providenciaram a deportação de todos os sete membros da banda para Israel, segundo o advogado do grupo, que pediu anonimato por razões de segurança. (Quatro são cidadãos de Israel e um da Austrália.)

A extensão dos esforços do Kremlin para enviar os roqueiros para a Rússia não estava clara, mas na terça-feira, o grupo disse em comunicado que as autoridades tailandesas cancelaram um plano anterior para deportar alguns deles para Israel depois que diplomatas russos visitaram o centro de imigração. onde estavam detidos.

Analistas e defensores dos direitos humanos consideram o caso uma demonstração gritante dos esforços cada vez mais agressivos do Kremlin para punir os russos que se manifestam contra Putin no estrangeiro – especialmente quando o fazem em países não ocidentais que estão interessados ​​em manter boas relações com Moscovo.

“Esta é uma operação especial”, disse Dmitri Gudkov, um político da oposição russa exilado que é próximo do Bi-2, referindo-se ao que descreveu como os esforços da Rússia para enviar os membros da banda para a Rússia. “A tarefa deles é capturar alguém grande fora do país para mostrar que podem capturar qualquer um, em qualquer lugar.”

Os sucessos melancólicos do grupo de rock fazem parte da trilha sonora do início da era Putin e, nos anos posteriores, o grupo esteve lado a lado com a elite russa em eventos marcantes – apresentando-se, por exemplo, na conferência econômica anual de Putin em São Petersburgo, em 2019. Mas no ano passado, o vocalista do Bi-2, Igor Bortnik, escrevia que a Rússia de Putin evocava “apenas nojo e melindres”.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia negou ter interferido no caso Bi-2 na Tailândia, mas referiu-se aos membros da banda logo após a sua detenção como “patrocinadores do terrorismo”. Um legislador russo, Andrei Lugovoi, disse que o país aguardava a deportação do Bi-2 “de braços abertos” e previu: “Em breve eles estarão tocando e cantando em colheres e pratos de metal, sapateando na frente de seus companheiros de cela”.

(Lugovoi conhece bem a intervenção russa no estrangeiro, tendo sido acusado pela Grã-Bretanha em 2007 de envenenar um crítico de Putin em Londres.)

A Tailândia, que manteve uma posição amplamente neutra em relação à guerra na Ucrânia e é um destino privilegiado para turistas russos, disse que estava seguindo o procedimento estabelecido. Questionado por um repórter na quarta-feira sobre a potencial deportação para a Rússia de membros da banda Bi-2, o ministro das Relações Exteriores do país, Parnpree Bahiddha-Nukara, disse que se for descoberto que eles “cometeram atos ilegais”, então a Tailândia “tem que seguir o processo.”

A banda divulgou um comunicado do organizador do show, VPI Event, reconhecendo que não conseguiu obter os vistos certos para o show da banda em 24 de janeiro na ilha tailandesa de Phuket. Mas a VPI afirmou que a decisão das autoridades tailandesas de prender os artistas – em vez de sancionar os organizadores do concerto – foi invulgarmente dura.

“Estamos fazendo todos os esforços para libertar os artistas, mas enfrentamos uma pressão sem precedentes em todas as fases”, disse o comunicado da empresa enquanto os músicos ainda estavam atrás das grades, acrescentando que shows na Tailândia de dois outros artistas russos anti-guerra foram cancelados recentemente. semanas. “A campanha para cancelar concertos sob pressão do consulado russo começou em dezembro.”

Algumas figuras pró-Kremlin começaram a elogiar o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia por ter sido mais agressivo na pressão sobre os russos anti-guerra no estrangeiro.

“O MFA realmente começou a trabalhar neste sentido”, disse Sergei Markov, um analista político pró-Kremlin que aparece frequentemente na televisão estatal russa, numa entrevista por telefone. Os diplomatas russos, acrescentou, têm “informado activamente” governos estrangeiros nos últimos meses sobre os russos que “passaram para o lado do inimigo”.

Alisher Morgenshtern, um rapper que criticou a guerra e se mudou para Dubai, disse na sexta-feira passada que os Emirados Árabes Unidos o proibiram de reentrar no país. Ruslan Bely, um comediante anti-guerra, teve dois shows na Tailândia cancelados em janeiro.

Outro comediante russo que se opõe à guerra, Maksim Galkin, anunciou na semana passada um show em Bali, na Indonésia, dias depois que a mídia estatal russa informou que seus dois shows planejados na Tailândia haviam sido cancelados.

Mas no fim de semana passado, Galkin disse a seus 9 milhões de seguidores no Instagram que o show em Bali também foi cancelado. As autoridades indonésias, escreveu ele, rejeitaram-no na fronteira e disseram-lhe que o faziam a pedido do governo russo.

“É engraçado”, escreveu Galkin, que o Estado russo estivesse despendendo tanto esforço na “perseguição maníaca de artistas dissidentes no estrangeiro”.

O chefe do escritório regional de Bali do Ministério do Direito e Direitos Humanos da Indonésia, Romi Yudianto, disse não estar familiarizado com o caso do Sr. Galkin, mas que a Indonésia “tem a sua própria soberania” e o direito de rejeitar visitantes indesejados.

Mas Markov, o analista pró-Kremlin, descreveu a pressão sobre os artistas anti-guerra, bem como a nova lei que permite o confisco da propriedade dos russos que criticam a guerra, como parte integrante do mesmo esforço governamental.

“Esta é uma mensagem para aqueles que são contra Putin”, mas não têm certeza de quão alto expressarão sua desaprovação, disse Markov. É um lembrete para eles, disse ele, de que se falarem, mesmo fora da Rússia, “não pensem que ficarão bem”.

O relatório foi contribuído por Sui-Lee Wee, Hasya Nindita, Muktita Suhartono e Oleg Matsnev.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *