Sat. Jun 15th, 2024

Dias depois de o Hamas ter lançado os seus ataques contra Israel, em 7 de Outubro, o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, foi um dos primeiros líderes ocidentais a chegar a Tel Aviv. Ao lado do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, declarou que a Alemanha tinha “apenas um lugar – e é ao lado de Israel”.

Esse lugar parece agora cada vez mais estranho para a Alemanha, o segundo maior fornecedor de armas de Israel, e uma nação cuja liderança chama o apoio ao país de uma “Staatsraison”, uma razão nacional para a existência, como forma de expiar o Holocausto.

Na semana passada, com a continuação da ofensiva mortal de Israel em Gaza, a chanceler esteve novamente ao lado de Netanyahu em Tel Aviv e adotou um tom diferente. “Não importa quão importante seja o objetivo”, perguntou ele, “poderá ele justificar custos tão terrivelmente elevados?”

Com a crescente indignação internacional devido ao número de mortos que as autoridades de saúde de Gaza dizem ultrapassar os 32 mil, e a perspectiva iminente de fome no enclave, as autoridades alemãs começaram a questionar se o apoio do seu país foi longe demais.

“O que mudou para a Alemanha é que é insustentável este apoio incondicional a Israel”, disse Thorsten Benner, diretor do Instituto Global de Políticas Públicas em Berlim. “Ao aderirem a esta noção de Staatsraison, deram a falsa impressão de que a Alemanha realmente ofereceu carta branca a Netanyahu.”

O tom endurecido de Berlim é, em parte, uma resposta aos receios sobre a contínua insistência de Israel de que deve entrar em Rafah para perseguir agentes do Hamas que diz estarem na cidade do sul de Gaza. A mudança de postura também acompanha a evolução da posição do aliado mais importante da Alemanha, os Estados Unidos, que tem demonstrado crescente descontentamento com as ações de Israel, inclusive através de uma abstenção numa votação do Conselho de Segurança da ONU que permitiu a aprovação de uma resolução de cessar-fogo.

A mudança na postura alemã fez-se sentir numa questão de semanas.

Em Janeiro – poucos meses depois dos ataques liderados pelo Hamas que, segundo as autoridades israelitas, mataram cerca de 1.200 pessoas – a Alemanha interveio em defesa de Israel contra as acusações de genocídio da África do Sul no Tribunal Internacional de Justiça. Citou a história da Alemanha para se posicionar como uma espécie de autoridade moral quando se tratou de apoiar a Convenção contra o Genocídio e defendeu Israel contra críticas crescentes à forma como lidou com a guerra.

Ainda no mês passado, Scholz resistiu a responder a perguntas na Conferência de Segurança de Munique sobre se Israel tinha violado o direito humanitário internacional.

Mas esta semana, a ministra dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Annalena Baerbock, disse que iria enviar uma delegação a Israel porque, como signatário das Convenções de Genebra, o seu país “é obrigado a lembrar a todas as partes o seu dever de respeitar o direito humanitário internacional”.

Durante uma visita à região, a sexta desde o ataque, Baerbock também descreveu a situação em Gaza como um “inferno” e insistiu que uma grande ofensiva em Rafah, onde mais de um milhão de pessoas procuraram abrigo, não deveria acontecer.

“As pessoas não podem desaparecer no ar”, disse ela.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, respondeu às críticas da Sra. Baerbock em uma declaração nas redes sociais, dizendo: “Esperamos que nossos amigos continuem apoiando Israel durante estes tempos desafiadores e não o enfraqueçam contra a organização terrorista Hamas”.

Berlim, tal como Washington, tentou posicionar-se como um amigo preocupado, com a intenção de garantir a segurança a longo prazo de Israel, não permitindo que o país fosse tão longe que perdesse ainda mais apoio internacional. Mas os riscos também são elevados para a Alemanha.

O país precisa de manter relações amigáveis ​​em todo o mundo para prosseguir os seus próprios interesses, quer a Europa esteja a fechar acordos com o Egipto para conter a migração ou a procurar apoio para medidas de apoio à Ucrânia contra a Rússia. Especialistas em política externa dizem que, ao insistir no seu forte apoio a Israel, a Alemanha também minou a sua capacidade de criticar de forma credível governos autoritários como o de Vladimir V. Putin, da Rússia, por violações dos direitos humanos.

A sensação de diminuição da credibilidade em matéria de direitos humanos é particularmente forte no conjunto de países em desenvolvimento ou subdesenvolvidos por vezes referidos como o Sul Global, um ponto salientado durante uma visita a Berlim este mês pelo primeiro-ministro da Malásia, Anwar Ibrahim.

“Nos opomos ao colonialismo, ou ao apartheid, ou à limpeza étnica, ou à expropriação de qualquer país, seja na Ucrânia, ou em Gaza”, disse Ibrahim aos jornalistas enquanto estava ao lado de Scholz. “Onde jogamos nossa humanidade? Por que essa hipocrisia?”

Até recentemente, a opinião pública alemã parecia firmemente apoiar o apoio do governo à campanha militar de Israel. Mas as sondagens realizadas pelas emissoras públicas nas últimas semanas mostram que quase 70 por cento dos alemães inquiridos consideravam que as acções militares de Israel não eram justificáveis; apenas algumas semanas antes, o número estava em torno de 50%.

O assunto tornou-se inevitável para Scholz, mesmo nas sessões municipais com os eleitores.

“Considero a política externa da Alemanha contraditória e até hipócrita”, disse uma mulher a Scholz na cidade de Brandenburg an der Havel, nos arredores de Berlim, no início desta semana.

Por um lado, disse ela, a Alemanha apelava a Israel para não invadir Rafah. Por outro lado, a Alemanha continuou a ser um dos maiores fornecedores de armas de Israel. “Temos que realmente fazer algo para proteger essas pessoas.”

É pouco provável que a posição endurecida de Berlim relativamente à guerra indique qualquer viragem mais ampla contra Israel. Esta semana, o Ministério do Interior disse que incluiria perguntas sobre Israel num teste de cidadania atualizado, um reflexo da forma como a Alemanha vê o apoio a Israel como parte da sua própria identidade.

E, para além de uma mudança de tom, há poucas coisas que Berlim poderá fazer que não sejam simbólicas, dizem os decisores políticos, a menos que Washington tome medidas mais duras. Numa resposta escrita a uma pergunta de um legislador, Sevim Dagdelen, sobre se a Alemanha interromperia as entregas de armas, o governo disse que as consideraria “caso a caso”.

A decisão mais importante que poderia tomar, disse Jürgen Hardt, porta-voz de política externa dos Democratas-Cristãos de centro-direita no Parlamento, era restaurar o financiamento à principal agência da ONU que ajuda os palestinianos, a UNRWA. Na sequência de alegações de que alguns dos funcionários da agência participaram no ataque de 7 de Outubro ou nas suas consequências, a Alemanha disse que suspenderia o financiamento. (Funcionários da ONU disseram que demitiram 10 dos 12 funcionários inicialmente acusados ​​e ordenaram uma investigação sobre a agência, enquanto imploravam às nações que suspenderam os pagamentos de ajuda para reconsiderarem.)

Agora, a Alemanha parece estar a mudar a sua posição. Esta semana, a Alemanha disse que financiaria novamente a agência nas áreas onde opera fora de Gaza.

Semanas antes, diplomatas alemães tinham procurado a destituição do chefe da UNRWA, Philippe Lazzarini, como pré-condição para restaurar o financiamento, segundo funcionários alemães e da União Europeia familiarizados com a situação.

Mas as mesmas autoridades disseram ter observado um acentuado abrandamento da posição da Alemanha desde então, e que os alemães pareciam ter abandonado o pedido de substituição de Lazzarini. Autoridades da UE e da Alemanha disseram que a Alemanha provavelmente liberará financiamento para operações em Gaza até maio.

“Essa poderia ser uma pequena ação”, disse Benner, o analista de política externa. “Mas penso que o dano já está feito em termos de credibilidade alemã. Agora, é uma missão de controle de danos.”

Matina Stevis-Gridneff contribuiu com relatórios de Bruxelas.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *