Wed. Jun 19th, 2024

A cidade de Nova York pagou mais de US$ 500 milhões em acordos de má conduta policial nos últimos seis anos, incluindo quase US$ 115 milhões em 2023, de acordo com uma análise de dados da cidade divulgada pela Legal Aid Society na quinta-feira.

Menos processos judiciais estão a ser resolvidos todos os anos, concluiu a sociedade, mas o pagamento médio mais do que duplicou durante esse período, passando de 10.500 dólares em média em 2018 para 25.000 dólares no ano passado.

Um número crescente de tais acordos nos últimos anos resultou de ações judiciais movidas por pessoas após as suas condenações criminais terem sido anuladas pelos tribunais. Muitas dessas condenações datavam da década de 1990, quando o aumento dos índices de criminalidade levou as agências de aplicação da lei da cidade de Nova Iorque a procederem às detenções a todo o custo. Os afetados eram esmagadoramente negros ou hispânicos.

Um porta-voz do Departamento Jurídico da cidade disse na quarta-feira que houve um aumento nas condenações revertidas e que a resolução dos processos decorrentes dessas reversões evitou litígios prolongados e proporcionou justiça às pessoas que foram condenadas injustamente.

O New York Times noticiou no ano passado que um detetive da polícia, Louis N. Scarcella, custou à cidade e ao estado 110 milhões de dólares em acordos envolvendo 14 pessoas cujas condenações ele ajudou a garantir e que foram posteriormente anuladas. O Sr. Scarcella, que foi acusado de forjar falsos depoimentos de testemunhas e coagir confissões em dezenas de casos, não foi acusado criminalmente.

Jennvine Wong, advogada da equipe de Assistência Jurídica do Cop Accountability Project da organização, disse que muitos fatores podem estar contribuindo para o que ela chamou de “quantidade impressionante de dinheiro” que a cidade gastou em acordos de má conduta policial nos últimos anos. Os assentamentos, disse ela, ocorrem no momento em que a cidade está “injetando dinheiro no policiamento e no policiamento violento, em vez de investir em serviços públicos e redes de segurança social”.

Em novembro, a cidade concordou em pagar US$ 17,5 milhões a um homem que foi exonerado em 2021 depois de passar mais de 20 anos na prisão por dois assassinatos no Queens que não cometeu.

O homem, George Bell, e outros dois foram condenados pelo assassinato, em 1996, do dono de uma loja que descontava cheques em East Elmhurst e de um policial fora de serviço que trabalhava lá como segurança. Bell foi condenado à prisão perpétua sem liberdade condicional, mas um juiz rejeitou sua condenação e a dos outros homens.

Em 2022, a cidade pagou US$ 135 milhões em acordos decorrentes de 971 ações judiciais, disse a sociedade na análise divulgada na quinta-feira. Esse foi o maior total em cinco anos e foi impulsionado por vários pagamentos superiores a 10 milhões de dólares, incluindo um a Muhammad A. Aziz, cuja condenação pelo assassinato de Malcolm X foi anulada depois de ter passado duas décadas na prisão. (A sociedade relatou um valor de US$ 121 milhões em 2022 no ano passado, com base nos dados da cidade da época. O novo valor mais alto é baseado em dados atualizados.)

Um fator que alimenta o aumento nos pagamentos mais recentemente envolve reclamações decorrentes dos protestos contra o assassinato de George Floyd pela polícia em Minneapolis em 2020, disse a Sra.

No ano passado, a cidade concordou em pagar 13,7 milhões de dólares para resolver uma acção colectiva federal movida por manifestantes que afirmavam que a polícia tinha violado os seus direitos durante as manifestações de Maio e Junho desse ano.

Patrick Hendry, presidente da Associação Benevolente da Polícia, disse que era “injusto usar pagamentos de ações judiciais de casos ocorridos há décadas como uma medida de como os policiais da cidade de Nova York estão fazendo nosso trabalho hoje”.

“Mesmo em casos mais recentes, a cidade frequentemente opta por um acordo, mesmo que os policiais não tenham feito nada de errado”, disse Hendry. “Muitas vezes, os policiais nem sequer são notificados sobre esses assentamentos e não têm oportunidade de limpar seus nomes.”

As queixas contra agentes da polícia estão a aumentar, de acordo com um relatório anual do Conselho de Revisão de Queixas Civis, uma agência de supervisão. Houve um “aumento significativo” nessas reclamações no ano passado, de acordo com o relatório anual. O conselho disse ter recebido 5.550 reclamações no ano passado – um recorde de 10 anos e um aumento de 50% em relação aos 3.700 casos recebidos em 2022.

Quando o Departamento de Polícia apresenta acusações internas, os julgamentos administrativos subsequentes podem levar anos para serem decididos. Ações judiciais contra a cidade também podem levar anos para serem resolvidas. Os acordos pagos no ano passado surgiram de 801 ações judiciais, concluiu a análise da Assistência Jurídica; alguns desses processos foram movidos já em 2019.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *