Sat. Jun 15th, 2024

Durante mais de dois meses, Catarina, Princesa de Gales, perdeu o controlo da sua história devido a uma espiral de rumores online selvagens e infundados. Na noite de sexta-feira, com um vídeo de dois minutos e 13 segundos, ela decidiu recuperá-lo.

Para o fazer, a princesa teve de dar a triste notícia de que estava a lutar contra um cancro que ameaçava a sua vida, o tipo de revelação profundamente pessoal a que ela e o seu marido, o príncipe William, há muito resistem.

Catherine, 42, tomou a decisão de gravar o vídeo sozinha, disseram no sábado duas pessoas familiarizadas com o processo de planejamento. Anteriormente, ela havia decidido postar um pedido de desculpas por alterar digitalmente uma fotografia sua com seus três filhos, o que desencadeou uma nova rodada de teorias da conspiração depois que foi lançada no Dia das Mães na Grã-Bretanha.

“Isso foi perfeito do ponto de vista dela”, disse Peter Hunt, ex-correspondente real da BBC. “O fato de ser um vídeo foi uma repreensão a todas aquelas perguntas sobre o paradeiro dela.”

Ao optar por tornar-se público desta forma, Catarina conquistou um lugar para si nos anais da família real britânica e entre as mulheres da Casa de Windsor. O vídeo, na sua franqueza e emoção mal disfarçada, relembrou a mensagem televisiva da Rainha Isabel II dias depois do acidente de carro que matou Diana, Princesa de Gales, em 1997.

Catherine parecia estar se inspirando em Elizabeth, cujo vídeo pretendia apagar outra tempestade na mídia, sobre se ela e a família real não haviam demonstrado o luto apropriado após a morte de Diana. Isso também a diferenciava de Diana, que acabou sendo vítima das correntes da mídia que giravam em torno dela.

Embora Catherine não tenha respondido a perguntas importantes sobre sua doença – que tipo de câncer? até onde se espalhou? por quanto tempo ela será tratada com quimioterapia? – o anúncio poderia dissipar a maioria das teorias da conspiração que a envolveram desde que foi submetida a uma cirurgia abdominal em janeiro.

Tal como o rei Carlos III, que confirmou no mês passado que também tem cancro, a política de divulgação parcial parecia calculada para satisfazer a curiosidade implacável dos meios de comunicação social e do público, preservando ao mesmo tempo alguma medida de privacidade. No caso de Catherine, isso parecia particularmente importante, tendo em conta os seus três filhos pequenos.

“Eles sabem que não podem controlar o mundo online”, disse Hunt. “Mas eles esperam que a mídia se olhe com atenção depois disso e pare de reciclar esse absurdo. Eles deixarão claro aos jornais que esperam privacidade.”

Numa entrevista coletiva na sexta-feira para repórteres que cobrem a família real, um porta-voz do Palácio de Kensington deu a mesma resposta cinco vezes a perguntas sobre a natureza e a extensão do câncer de Catherine, onde e com que frequência ela estava sendo tratada e por que foi submetida à cirurgia.

“Não compartilharemos mais nenhuma informação médica privada”, disse o porta-voz. “A princesa tem direito à privacidade médica, como todos nós.”

A hospitalização de Catarina deu início a um ciclo de especulações extraordinário até mesmo para os padrões da família real. Sua condição médica, paradeiro e relacionamento com William foram incessantemente dissecados nas redes sociais, chegando até mesmo ao monólogo do apresentador de televisão americano Stephen Colbert.

O Palácio de Kensington, onde Catherine e William têm os seus escritórios, lutou para gerir a crise desde o início. A sua recusa em revelar detalhes sobre a sua condição quando ela deu entrada no hospital criou um vazio de informação que um exército online rapidamente preencheu com teorias cada vez mais bizarras.

Quando o palácio distribuiu a fotografia de Catarina, ladeada por George, Charlotte e Louis, pretendia servir como uma espécie de imagem de prova de vida. Mas o tiro saiu pela culatra depois que a Associated Press, a Reuters e outras agências de notícias encontraram evidências de que a imagem havia sido manipulada.

Longe de reprimir as especulações, gerou mais rumores, deixando o palácio inquieto e magoado. Nesse ponto, disseram pessoas com conhecimento do processo, Catherine decidiu postar em sua conta nas redes sociais que ela havia sido responsável pela edição da fotografia, embora ela tenha sido tirada por William.

O caos se aprofundou na semana passada, depois que surgiu um vídeo de Catherine e William saindo de uma loja de alimentos perto de sua casa em Windsor. Embora essas pessoas insistissem que o palácio não orquestrou o avistamento, as autoridades não reagiram aos jornais que publicaram as imagens, o que não era típico de William, que pressionou os jornais para não publicarem fotos do tipo paparazzi.

O facto de o casal ter de revelar o cancro de Catherine nunca foi questionado, segundo uma das pessoas, que assessorou o palácio nos últimos dias e falou sob condição de anonimato por razões de privacidade. As alegações da semana passada de que membros do pessoal da Clínica de Londres, onde Catherine foi tratada, tentaram obter acesso aos seus registos médicos privados serviram para lembrar que seria quase impossível manter esse tipo de informação em segredo indefinidamente.

A questão era quando e como. O pessoal de comunicação examinou várias opções, disse esta pessoa, entre elas esperar até depois da Páscoa. O casal escolheu a sexta-feira porque era o dia em que os filhos iniciavam as férias escolares, o que significava que não teriam que enfrentar perguntas no parquinho sobre a doença da mãe.

Assim que a data para a divulgação foi definida, as autoridades discutiram se deveriam emitir uma declaração escrita do palácio – como o Palácio de Buckingham fez com o diagnóstico de câncer de Charles – ou fazer com que Catherine publicasse a notícia nas contas do Instagram e X do casal. Mas dadas as consequências da fotografia do Dia das Mães, Catherine optou por falar diretamente para uma câmera.

Em vez de gravar o vídeo com uma equipe interna ou contratar uma empresa privada, o palácio contatou a BBC Studios, braço de produção da empresa. Isso também foi deliberado, disse essa pessoa, porque queria o aval da emissora pública britânica no vídeo após o desastre fotográfico.

O novo secretário particular de William, Ian Patrick, supervisionou o processo, segundo outra pessoa que foi informada pelo palácio e também falou sob condição de anonimato por razões de privacidade. Antigo diplomata britânico que serviu na Bósnia, Patrick começou a sua função no palácio há apenas duas semanas. Além de trabalhar com Lee Thompson, ex-funcionário de relações públicas da NBC que é secretário de comunicações do casal, Patrick consultou ex-assessores.

Apesar de todo o drama em torno do anúncio, isso não deixará totalmente de lado as questões sobre Catherine. O palácio ainda zela pela privacidade da família, recusando-se a comentar o seu paradeiro no sábado, por exemplo.

“William tem dois aspectos cruciais ao assumir seu destino como futuro rei: privacidade e controle”, disse Hunt. “Ele teve que ceder o controle para proporcionar privacidade à sua esposa. Mas ao concentrarem-se tanto na privacidade, criaram o vácuo de informação que resultou em todo este ruído branco e absurdo.”

Pelo menos na sexta-feira, Catherine silenciou o barulho.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *