Sat. Jun 15th, 2024

Assim como seu pai, Jean, Laurent de Brunhoff treinou para ser pintor. Estudou na Académie de la Grande Chaumière em Montparnasse e começou a fazer e expor trabalhos abstratos em óleos. Mas aos 21 anos, nove anos após a morte do pai, decidiu dar continuidade às aventuras de Babar, criação de seu pai, e a partir de então considerou os livros de Babar sua principal obra.

O Sr. de Brunhoff era um mestre em cores e linhas. Quando concebeu suas histórias, começou com uma imagem. Se Babar fosse abduzido por alienígenas ou praticasse ioga, como seria isso? Ele esboçou primeiro a lápis, depois em aquarela, criando dezenas de imagens antes de chegar a uma ilustração final. Cada composição avança a história, mas também pode ser considerada uma pintura cuidadosamente composta.

“Babar”, disse Maurice Sendak, “está no cerne da minha concepção do que transforma um livro ilustrado em uma obra de arte”.
– Penélope Verde

“Babar Comes to America” foi publicado em 1965. Neste esboço para o livro, em que Babar visita aquele espaço particularmente americano, um supermercado, o Sr. de Brunhoff fez questão de incluir marcas americanas da época como Kellogg’s, Heinz e Del Monte . Babar tem dificuldade para navegar pelos corredores com seu carrinho de compras e causa um engarrafamento.

Em “A Menina de Babar” (1990), Babar e Celeste têm sua quarta filha, Isabelle, após 50 anos de casamento. De Brunhoff tinha acabado de se mudar para Connecticut para ficar com Phyllis Rose, sua segunda esposa, e, como ele explicou, “deixamos Babar e Celeste terem um filho em vez de nós”. (Dona Rose, com um travesseiro enfiado embaixo da blusa, serviu de modelo para a grávida Celeste.)

A vibrante lagosta acima é uma ilustração da cor vermelha, do “Babar’s Book of Color” (2004). À direita está uma cena de “Babar’s Celesteville Games” (2011). (O Sr. de Brunhoff imaginou como seria se os elefantes tivessem suas próprias Olimpíadas.) Durante os jogos, a filha de Babar, Flora, se apaixona por um belo saltador com vara chamado Cory. Eles passam a lua de mel de avião, sustentados por um bando de pássaros de cores brilhantes.

Em “Babar’s Rescue” (2004), Babar é sequestrado por misteriosos elefantes listrados. Neste esboço, sua filha mais nova, Isabelle, sai em sua busca.

O filho de Babar, Alexander, bebe uma poção de encolhimento em “Babar and the Succotash Bird” (2000). O nome do pássaro mágico é uma bela coda para a visão de mundo do Sr. de Brunhoff: “Succotash!” o pássaro diz a Alexander. “A vida é assim – o certo misturado com o errado.”

Acima, estudos para “O Resgate de Babar” e “Babar Visita Outro Planeta” (2003), nos quais Babar e sua família são abduzidos por um bando de alienígenas divertidos. Abaixo, domesticidade aconchegante em “Babar e sua Família” (2012).

“Babar e eu desfrutamos de uma vida familiar amigável”, escreveu de Brunhoff em 1987. “Ao escrever um livro, minha intenção é entreter, não transmitir uma ‘mensagem’. Mas ainda assim podemos, é claro, dizer que há uma mensagem nos livros de Babar, uma mensagem de não-violência.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *