Mon. Jul 15th, 2024

Oito meses depois de centenas de migrantes terem morrido num naufrágio no Mediterrâneo, investigadores afirmaram na quarta-feira que a agência fronteiriça da União Europeia não tem capacidade para prevenir futuros desastres marítimos.

A investigação levada a cabo por um gabinete de vigilância da UE à agência fronteiriça, Frontex, foi motivada pelas mortes de mais de 600 homens, mulheres e crianças que se afogaram na costa da Grécia em Junho passado, sob o olhar de dezenas de funcionários e tripulações da guarda costeira.

“A Frontex inclui ‘guarda costeira’ no seu nome, mas o seu mandato e missão atuais ficam claramente aquém disso”, disse a chefe da agência de vigilância da UE, Emily O’Reilly, na quarta-feira. “Se a Frontex tem o dever de ajudar a salvar vidas no mar, mas faltam as ferramentas para tal, então esta é claramente uma questão da competência dos legisladores da UE.”

Após o naufrágio do Adriana, um navio de pesca extremamente superlotado, tanto a Frontex como a Guarda Costeira Helênica foram criticadas por não ajudarem os passageiros do navio, que afundava lentamente há horas enquanto migrantes aterrorizados a bordo pediam ajuda.

A escala da perda – foi o naufrágio mais mortal no Mediterrâneo em anos – motivou várias investigações, incluindo a do Gabinete do Provedor de Justiça Europeu que divulgou o seu relatório na quarta-feira.

No relatório, os investigadores afirmaram que, com os Estados-Membros a não agirem para proteger os migrantes, era necessária mais autoridade legislativa para que as missões de busca e salvamento fossem realizadas a nível da UE.

No âmbito do sistema atual, a Frontex tem de coordenar estreitamente com as autoridades marítimas locais e obter autorização antes de agir. O relatório também aconselhou que a Frontex reconsiderasse a sua presença em países onde foram registadas violações crónicas dos direitos dos migrantes.

Os investigadores afirmaram ainda que a agência carece de regras internas para responder a naufrágios e que não havia clareza suficiente na divisão de funções entre a agência e as autoridades nacionais.

A Frontex tem uma missão delicada. Tem a missão de ajudar a proteger as fronteiras externas da União Europeia, mas também de salvaguardar os direitos dos migrantes que tentam atravessá-las.

A agência destaca guardas de toda a Europa e fornece helicópteros, barcos, drones e outros equipamentos a países fronteiriços como a Grécia. Mas também foi acusado de encobrir e até de participar em violações dos direitos humanos.

O seu antigo diretor executivo, Fabrice Leggeri, demitiu-se em 2022 devido a acusações de assédio, má gestão e abusos de direitos, e a agência prometeu reformas sob nova liderança. Mas os investigadores afirmaram na quarta-feira que os recém-nomeados monitores dos direitos humanos não estavam suficientemente envolvidos no processo de tomada de decisão da Frontex.

A Europa endureceu significativamente as suas políticas de migração após a chegada de mais de um milhão de refugiados, principalmente da Síria, entre 2015 e 2016, o que alimentou o apoio aos partidos políticos de extrema direita.

A última operação de busca e salvamento financiada pela UE no Mediterrâneo terminou em 2014. Os críticos argumentaram que o resgate proativo de navios migrantes no mar serve como um incentivo para os migrantes seguirem rotas perigosas para chegar à Europa e que também incentiva os contrabandistas a arriscarem a vida dos seus passageiros.

Desde então, a tarefa recaiu sobre instituições de caridade, que foram processadas em vários países da UE, incluindo a Grécia, em Itália, pelas suas atividades de resgate no mar.

A Guarda Costeira grega disse que os contrabandistas do Adriana recusaram assistência e que o pânico a bordo fez com que o navio virasse. Vários sobreviventes testemunharam que o navio afundou enquanto a Guarda Costeira tentava rebocá-lo, uma afirmação que as autoridades gregas negaram. Eventualmente, um navio da Guarda Costeira grega, com a ajuda de um super iate na área, resgatou cerca de 100 pessoas.

Enquanto o Adriana afundava, a Frontex fez quatro ofertas separadas para ajudar as autoridades gregas, fornecendo vigilância aérea, disse o órgão de vigilância da UE na quarta-feira, mas não recebeu resposta e não pôde ir ao local do navio sem a permissão da Grécia.

O inquérito concluiu que a Frontex esteve no local apenas duas vezes, uma vez de avião, duas horas depois de as autoridades italianas terem emitido um alerta sobre o Adriana, e depois com um drone, depois de o barco já ter afundado.

As autoridades gregas negaram consistentemente as acusações de violação dos direitos dos migrantes, dizendo que a sua política de migração é “dura, mas justa”.

A Sra. O’Reilly apelou às instituições da UE para que retirassem lições do naufrágio.

“A União Europeia projecta a sua identidade através do prisma do seu compromisso com o Estado de direito e com os direitos fundamentais”, disse ela. “No rescaldo da tragédia de Adriana, deveria aproveitar a oportunidade para reforçar essa identidade através da reflexão e de ações que, na medida do possível, evitassem que tal tragédia voltasse a acontecer.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *