Mon. Feb 26th, 2024

Nove governadores democratas uniram-se para instar a administração Biden e os líderes do Congresso a abordarem o que chamam de “uma crise humanitária” criada pela onda de migrantes que procuram refúgio nos Estados Unidos.

Os governadores, liderados pela governadora Kathy Hochul, de Nova York, pediram em uma carta à Casa Branca e ao Congresso “um compromisso sério” para reformar o sistema de imigração que incluiria a coordenação federal em uma estratégia para aliviar a pressão sobre o sul e o norte. fronteiras, bem como para mais fundos para os estados.

“É claro que nosso sistema nacional de imigração está desatualizado e despreparado para responder a esta migração global sem precedentes”, diz a carta, assinada pela Sra. Hochul e pelos governadores do Arizona, Califórnia, Colorado, Illinois, Novo México, Massachusetts, Novo México. Jersey e Maryland.

No ano passado, o Presidente Biden propôs um pacote de 106 mil milhões de dólares que incluía ajuda aos estados e localidades, bem como mais financiamento para a segurança das fronteiras e deportações, juntamente com ajuda à Ucrânia. Mas, tal como tantas outras propostas relacionadas com a imigração do passado, o seu esforço não conseguiu angariar o apoio bipartidário necessário para aprovar um Congresso dividido.

Forte aliada de Biden, Hochul tem sido até agora relutante em assumir um papel de liderança na pressão da Casa Branca por mais ajuda federal, mesmo que Nova Iorque tenha sido um ponto focal da crise migratória. O prefeito Eric Adams, da cidade de Nova York, não hesitou em fazer lobby, e seus ataques à administração Biden foram recebidos com críticas bruscas sobre a forma como a cidade tem lidado com a crise.

Desde a Primavera passada, 170 mil migrantes chegaram à cidade de Nova Iorque e a cidade ainda alberga cerca de 70 mil deles. Muitos dos que procuravam refúgio chegaram a Nova Iorque em autocarros pagos pelos governadores republicanos, que viam a mudança como uma forma de aliviar o fardo que recai sobre os seus próprios estados e como uma mensagem política poderosa para os democratas que, na sua opinião, tinham minimizado a situação no momento. fronteira por muito tempo.

As chegadas rapidamente sobrecarregaram o já sobrecarregado sistema de abrigos da cidade de Nova Iorque, que funciona ao abrigo de um decreto de 1981 que exige que a cidade disponibilize alojamento temporário a qualquer pessoa que o solicite.

Mas não foram apenas os recursos de abrigo que foram sobrecarregados pelo número recorde de migrantes: os sistemas jurídico, educacional e médico também foram sobrecarregados. Na semana passada, algumas famílias dormiram nas ruas cobertas de neve na esperança de serem as primeiras na fila para obterem bilhetes de identidade municipais que, acreditavam, as ajudariam a encontrar emprego.

O prefeito Adams projetou que o custo desses serviços se aproximará de US$ 10,6 bilhões a partir do atual ano fiscal até junho próximo, colocando uma pressão terrível nas finanças da cidade. Nos últimos dois anos, prevê-se que o Estado de Nova Iorque gaste 4,3 mil milhões de dólares para apoiar abrigos e outros serviços para migrantes, recorrendo às suas reservas para o fazer.

Na sua carta, que foi partilhada com o The New York Times, os democratas pareciam reconhecer o risco político de chamar a atenção para a questão da imigração durante um ano de eleições presidenciais, especialmente desde que o ex-presidente Donald J. Trump, o presumível candidato republicano, tomou a decisão uma assinatura de sua agenda.

E embora os Democratas tenham dito que a administração Biden fez “progressos importantes” nesta questão, ainda assim dizem que a necessidade de assistência federal é terrível.

“Com os conflitos em curso em todo o mundo, a migração global atingiu um máximo histórico”, diz a carta. “Estados e cidades não podem responder indefinidamente à pressão subsequente sobre os recursos estaduais e locais sem ação do Congresso.”

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *