Mon. Jun 24th, 2024

A Interpol é a maior organização policial do mundo. Ele serve como um poderoso quadro de avisos que governos e agências de aplicação da lei usam para se unirem na perseguição de fugitivos em todo o mundo. Na melhor das hipóteses, ajuda a rastrear assassinos e terroristas.

Mas é também uma nova arma para homens fortes e autocratas na caça aos inimigos políticos, dando-lhes o poder de atravessar fronteiras e capturar os seus alvos – mesmo em democracias.

Aqui estão algumas das maneiras pelas quais os países podem explorar a Interpol:

O aviso vermelho da Interpol, a coisa mais próxima de um mandado de captura internacional, tem sido alvo de controvérsia há muito tempo. Um premiado jornalista venezuelano foi detido no Peru. Um requerente de asilo egípcio foi detido na Austrália. E William F. Browder, um activista dos direitos humanos baseado em Londres, tem sido repetidamente alvo de prisão pela Rússia.

Em resposta, a Interpol reforçou a supervisão, tornando mais difícil do que nunca a utilização indevida dos avisos vermelhos. Mas como se concentrou no policiamento de abusos por motivação política, outras vulnerabilidades permaneceram.

Abril Meixueiro descobriu que um aviso vermelho havia sido emitido contra ela por sequestro de criança depois que ela voltou do México para casa, no Colorado, com sua filha pequena. Ela tinha acabado de obter a custódia total no divórcio de um homem que ela descreveu como violento e controlador.

O aviso vermelho, solicitado pela polícia do México, permitiu ao homem perseguir a Sra. Meixueiro através das fronteiras. A Interpol não tinha conhecimento de um relatório da polícia local concluindo que ela estava “sofrendo violência grave”, ou de uma ordem de restrição emitida por um juiz contra o seu ex-marido (que nega qualquer irregularidade). Sabia apenas que o México queria que ela fosse extraditada por acusações de rapto de crianças.

A Interpol diz que está a investigar o caso “preocupante” da Sra. Meixueiro e que retirou os seus dados dos seus sistemas. Por enquanto, ela não voa para evitar o risco de ser sinalizada pelos bancos de dados da agência e enviada de volta ao México. Quando precisa estar em seu escritório, que fica em Miami, ela dirige durante três dias.

Os avisos azuis – alertas que buscam informações sobre alguém – praticamente dobraram em número na última década. Embora a Interpol reveja agora todos os avisos vermelhos antes de serem emitidos, não examina os avisos azuis até que estes tenham circulado. Essas verificações posteriores identificaram 700 alertas desde 2018 que violavam as regras da Interpol.

Os advogados dizem que estão a ver mais casos em que os avisos azuis estão a ser utilizados por países que procuram contornar as verificações mais rigorosas dos avisos vermelhos.

A Rússia, por exemplo, conseguiu emitir um aviso azul para um homem que procurava asilo na Florida. Alegou que ele era procurado pela agressão e homicídio de um homem cujos registros judiciais russos mostravam que ainda estava vivo.

Um dos sistemas mais desafiadores para a polícia da Interpol é o banco de dados de passaportes roubados e perdidos. A Bielorrússia e a Turquia, por exemplo, transformaram a base de dados da Interpol numa arma para perseguir dissidentes ou retê-los no estrangeiro. O abuso desta ferramenta tornou-se tão grave que a Interpol bloqueou temporariamente a Turquia de a utilizar, e a Bielorrússia está agora sujeita a monitorização especial.

Esses casos são mais difíceis de resolver do que as notificações: a Interpol não tem o poder de reemitir um passaporte se este já tiver sido apreendido.

Outras comunicações, como mensagens diretas – conhecidas como difusões – entre países através dos sistemas da Interpol muitas vezes não são analisadas, mas podem levar a uma detenção.

As divulgações vermelhas, que solicitam a ajuda de um país específico para efetuar uma detenção, são sistematicamente verificadas antes de serem divulgadas. Mas apenas uma percentagem não especificada de outras difusões é revista.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *