Mon. Jun 24th, 2024

A Boeing tem enfrentado intenso escrutínio e pressão desde que um painel explodiu um 737 Max 9 logo após o avião, um voo da Alaska Airlines, decolar em 5 de janeiro. O episódio levantou novas questões sobre a qualidade dos aviões que a empresa produz vários anos depois. dois aviões Max 8 caíram, matando quase 350 pessoas.

Entrevistas com mais de duas dezenas de funcionários atuais e antigos revelam preocupações de longa data sobre a qualidade, especialmente à medida que aumentava a pressão para manter a produção nas fábricas da empresa.

Agora, a Boeing enfrenta um imenso desafio à medida que procura fazer mudanças que melhorem a qualidade dos seus produtos e recuperem a sua credibilidade junto dos legisladores, reguladores, companhias aéreas e do público.

Aqui estão algumas dicas.

Funcionários atuais e antigos da Boeing disseram que durante anos a qualidade ficou em segundo plano em relação à manutenção dos aviões em movimento em suas fábricas.

Em entrevistas, ex-funcionários e atuais funcionários da Boeing descreveram práticas preocupantes, incluindo tentativas de contornar os procedimentos de qualidade. Uma delas era a “compra de inspetores”, em que os trabalhadores procuravam inspetores dispostos a assinar o trabalho com pouca resistência.

A Boeing disse que não permitiu compras de inspetores e aumentou em 20% o número de inspetores de qualidade para aviões comerciais desde 2019. As inspeções por avião também aumentaram em quantidade semelhante durante esse período, disse a empresa.

Mesmo antes dos dois acidentes fatais do Max, em 2018 e 2019, a Boeing tentava acompanhar o seu principal rival, a Airbus, que havia lançado um novo avião com baixo consumo de combustível alguns anos antes do Max começar a voar. Após os acidentes, a Airbus ganhou ainda mais terreno, pressionando a Boeing para recuperar o atraso assim que o Max fosse aprovado para voar novamente no final de 2020.

A força de trabalho da Boeing passou por uma grande rotatividade por causa da pandemia do coronavírus. A empresa perdeu milhares de funcionários experientes devido a demissões, aquisições, aposentadorias e demissões.

Embora a Boeing tenha reabastecido as suas fileiras desde então, os actuais e antigos funcionários dizem que muito conhecimento institucional foi perdido e que os seus trabalhadores têm menos experiência do que costumavam ter. Os fornecedores da Boeing, que enfrentam problemas semelhantes, também tiveram problemas para produzir peças no ritmo que a Boeing desejava.

Desde 5 de janeiro, a empresa tem enfrentado onda após onda de publicidade negativa. Seu regulador, a Administração Federal de Aviação, aumentou as inspeções nas fábricas da empresa. E seus clientes criticaram a Boeing.

Uma auditoria da FAA de seis semanas na produção do 737 Max da Boeing documentou dezenas de falhas nas práticas de controle de qualidade. A agência deu à empresa até o final de maio para resolver questões de controle de qualidade. O Departamento de Justiça também iniciou uma investigação criminal contra a empresa.

A Boeing anunciou várias medidas para melhorar a qualidade, incluindo a adição de inspeções em sua fábrica em Renton, Washington, onde os aviões Max são montados.

A empresa também disse que não aceitará mais carrocerias Max da Spirit AeroSystems, um importante fornecedor com sede em Wichita, Kansas, que ainda precisa de melhorias. Anteriormente, ela tolerava falhas que poderiam ser corrigidas posteriormente, no interesse de aderir a um cronograma de produção rígido.

A empresa disse ainda que desde 5 de janeiro os funcionários solicitaram mais treinamento e que estava trabalhando para atender a essas necessidades, inclusive acrescentando treinamento no chão de fábrica este mês.

E na segunda-feira, a Boeing anunciou mudanças radicais na sua liderança: o seu presidente-executivo, Dave Calhoun, que assumiu o cargo em janeiro de 2020 prometendo melhorar a cultura de segurança da empresa, deixará o cargo no final do ano; o chefe da unidade de aviões comerciais da Boeing, Stan Deal, está saindo imediatamente; e o presidente do conselho, Larry Kellner, renunciou ao cargo e não buscará a reeleição para o conselho.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *