Wed. Jun 19th, 2024

O sangue correu pelas ruas da capital do Ruanda, Kigali, em Abril de 1994, quando milicianos empunhando facões iniciaram uma campanha de genocídio que matou cerca de 800 mil pessoas, um dos grandes horrores do final do século XX.

Trinta anos depois, Kigali é a inveja de África. Ruas suaves passam por torres reluzentes que abrigam bancos, hotéis luxuosos e startups de tecnologia. Há uma fábrica de automóveis Volkswagen e uma instalação de vacinas de mRNA. Uma arena com 10 mil lugares recebe a maior liga de basquete da África e shows de estrelas como Kendrick Lamar, o rapper americano, que se apresentou lá em dezembro.

Os turistas voam para visitar os famosos gorilas de Ruanda. Funcionários governamentais de outros países africanos chegam para receber lições de boa governação. A eletricidade é confiável. Os guardas de trânsito não solicitam subornos. A violência é rara.

O arquitecto desta transformação impressionante, o Presidente Paul Kagame, conseguiu-a com métodos duros que normalmente atrairiam a condenação internacional. Os opositores são presos, a liberdade de expressão é restringida e os críticos morrem frequentemente em circunstâncias obscuras, mesmo aqueles que vivem no Ocidente. Os soldados de Kagame foram acusados ​​de massacre e pilhagem na vizinha República Democrática do Congo.

Durante décadas, os líderes ocidentais ignoraram os abusos de Kagame. Alguns expressaram culpa por não terem conseguido travar o genocídio, quando extremistas Hutu massacraram principalmente pessoas do grupo étnico Tutsi de Kagame. A trágica história do Ruanda faz dele um “caso imensamente especial”, disse certa vez Tony Blair, o antigo primeiro-ministro britânico.

Kagame comemorará o 30º aniversário do genocídio no domingo, quando deverá depositar coroas de flores em valas comuns, acender uma chama de memória e proferir um discurso solene que poderá muito bem reforçar a sua mensagem de excepcionalismo. “Nunca mais”, ele costuma dizer.

Mas o aniversário também é um forte lembrete de que Kagame, 66 anos, está no poder há igualmente tempo. Ele venceu a última eleição presidencial com 99% dos votos. O resultado do próximo, previsto para julho, não deixa dúvidas. Segundo a Constituição do Ruanda, ele poderia governar por mais uma década.

O marco deu nova munição aos críticos que dizem que as tácticas repressivas de Kagame, anteriormente vistas como necessárias – até mesmo pelos críticos – para estabilizar o Ruanda após o genocídio, parecem cada vez mais ser uma forma de ele consolidar o seu governo de ferro.

Também crescem as dúvidas sobre para onde ele está liderando seu país. Embora alegue ter efectivamente banido a etnicidade do Ruanda, os críticos – incluindo diplomatas, antigos funcionários do governo e muitos outros ruandeses – dizem que ele preside um sistema que é moldado por clivagens étnicas tácitas que fazem com que a perspectiva de uma reconciliação genuína pareça mais distante do que nunca.

Uma porta-voz do governo de Ruanda não respondeu às perguntas deste artigo. As autoridades recusaram-me a acreditação para entrar no país. Um segundo repórter do Times foi autorizado a entrar.

A etnia tutsis domina os mais altos escalões do governo de Kagame, enquanto os hutus, que representam 85% da população, continuam excluídos do verdadeiro poder, dizem os críticos. É um sinal de que a divisão étnica, apesar das aparências superficiais, ainda é um factor importante na forma como o Ruanda é governado.

“O regime de Kagame está a criar as mesmas condições que causam a violência política no nosso país”, disse Victoire Ingabire Umuhoza, a sua opositora política mais proeminente, por telefone, a partir de Kigali. “Falta de democracia, ausência de Estado de direito, exclusão social e política – são os mesmos problemas que tínhamos antes.”

A Sra. Ingabire, uma Hutu, regressou do exílio ao Ruanda em 2010 para concorrer à presidência contra Kagame. Ela foi detida, impedida de participar nas eleições e posteriormente presa sob a acusação de conspiração e terrorismo. Libertada em 2018, quando Kagame a perdoou, Ingabire não pode viajar para o estrangeiro e está impedida de concorrer às eleições de Julho.

“Concordo com aqueles que dizem que o Ruanda precisava de um governante forte depois do genocídio, para trazer ordem ao nosso país”, disse ela. “Mas hoje, depois de 30 anos, precisamos mais de instituições fortes do que de homens fortes.”

Kagame assumiu o poder em Julho de 1994, invadindo Kigali à frente de um grupo rebelde dominado pelos tutsis, a Frente Patriótica Ruandesa, que expulsou os extremistas hutus que orquestraram o genocídio. Randy Strash, funcionário da agência humanitária World Vision, chegou algumas semanas depois e encontrou uma “cidade fantasma”.

“Sem postos de gasolina, sem lojas, sem comunicações”, lembrou ele. “Veículos abandonados na beira da estrada, crivados de balas. À noite, som de tiros e granadas de mão. Foi outra coisa.”

O Sr. Strash montou sua barraca do outro lado da rua de um acampamento onde o Sr. Kagame estava alojado. Os combatentes hutus atacaram o campo várias vezes, tentando matar Kagame, disse Strash. Mas só uma década depois, num evento na Universidade de Washington, é que conheceu pessoalmente o líder ruandês.

“Muito educado e razoável em suas respostas”, lembra Strash. “Claro, atencioso e instigante.”

Documentos históricos divulgados pela Human Rights Watch esta semana mostram o quanto os líderes dos EUA sabiam sobre o massacre à medida que este se desenrolava. Escrevendo ao Presidente Bill Clinton em 16 de Maio de 1994, a investigadora Alison Des Forges instou-o a “proteger estes civis indefesos das milícias assassinas”.

Desde que assumiu o poder, Kagame tem a reputação de gastar a ajuda de forma sensata e de promover políticas económicas voltadas para o futuro. Embora antigos assessores o tenham acusado de manipular estatísticas oficiais para exagerar o progresso, a trajetória do Ruanda é impressionante: a esperança média de vida aumentou de 40 anos entre 1994 e 2021 para 66 anos, afirmam as Nações Unidas.

Um dos primeiros actos de Kagame foi apagar publicamente as divisões perigosas que alimentaram o genocídio. Ele proibiu os termos hutu e tutsi nas carteiras de identidade e criminalizou efetivamente a discussão pública sobre etnia. “Somos todos ruandeses” tornou-se o lema nacional.

Mas, na realidade, a etnicidade continuou a impregnar quase todos os aspectos da vida, reforçada pelas políticas do Sr. Kagame. “Todo mundo sabe quem é quem”, disse Joseph Sebarenzi, um tutsi que serviu como presidente do Parlamento de Ruanda até 2000, quando fugiu para o exílio.

Uma pesquisa publicada no ano passado por Filip Reyntjens, professor belga e crítico declarado de Kagame, descobriu que 82% dos 199 cargos governamentais de alto escalão eram ocupados por tutsis étnicos – e quase 100% no gabinete de Kagame. Diplomatas americanos chegaram a uma conclusão semelhante em 2008, depois de realizarem o seu próprio estudo sobre a estrutura de poder do Ruanda.

Kagame “deve começar a partilhar a autoridade com os Hutus num grau muito maior” se o seu país quiser superar as divisões do genocídio, escreveu a Embaixada dos EUA num telegrama que foi posteriormente publicado pelo WikiLeaks.

Os críticos acusam Kagame de usar a memória dos acontecimentos de 1994 para suprimir a maioria Hutu.

As comemorações oficiais mencionam “o genocídio dos tutsis”, mas minimizam ou ignoram as dezenas de milhares de hutus moderados que também foram mortos, muitas vezes tentando salvar os seus vizinhos tutsis.

A percepção de justiça seletiva esfrega sal nessas feridas. As tropas de Kagame mataram entre 25 mil e 45 mil pessoas, a maioria civis hutus, de abril a agosto de 1994, de acordo com conclusões controversas da ONU. No entanto, menos de 40 dos seus agentes foram julgados por esses crimes, segundo a Human Rights Watch.

Os assassinatos de Hutu são incomparáveis ​​em escala ou natureza com o genocídio. Mas a abordagem desequilibrada de Kagame para lidar com esses acontecimentos está a prejudicar a capacidade dos ruandeses de se reconciliarem e seguirem em frente, dizem os críticos.

“Qualquer pessoa que não esteja familiarizada com Ruanda pode pensar que está tudo bem”, disse Sebarenzi. “As pessoas trabalham juntas, vão à igreja juntas, fazem negócios juntas. Isso é bom. Mas debaixo do tapete, essas divisões étnicas ainda existem.”

Embora Kagame tenha nomeado Hutus para altos cargos no governo desde 1994, incluindo primeiro-ministro e ministro da Defesa, esses nomeados têm pouco poder real, disse Omar Khalfan, um ex-funcionário do serviço nacional de inteligência de Ruanda que fugiu para o exílio nos Estados Unidos em 2015.

Os tutsis leais são plantados nos escritórios dos hutus mais antigos para ficarem de olho neles, disse Khalfan, um tutsi. “O regime não quer falar sobre etnicidade porque levanta a questão da partilha de poder”, disse ele. “E eles não querem isso.”

No Ocidente, Kagame é um dos favoritos nas reuniões da elite global, como o Fórum Económico Mundial em Davos, na Suíça, onde se encontrou com o Presidente Volodymyr Zelensky da Ucrânia em Janeiro. Mas em casa, aqueles que o desafiam publicamente correm o risco de prisão, tortura ou morte.

Há uma década, Kizito Mihigo, um carismático cantor gospel, estava entre os artistas mais populares de Ruanda. Tutsi que perdeu os pais no genocídio, Mihigo cantava frequentemente nas comemorações do genocídio e dizia-se que era próximo da esposa de Kagame, Jeannette.

Mas no 20º aniversário, Mihigo lançou uma canção que, numa letra codificada, apelava aos ruandeses para que demonstrassem empatia pelas vítimas tutsis e hutus – efectivamente, um apelo a uma maior reconciliação.

O Sr. Kagame ficou furioso. Um assessor presidencial disse que “não gostou da minha música e que eu deveria pedir perdão a ele”, lembrou Mihigo em 2016. Se o cantor se recusasse a obedecer, acrescentou ele, “eles disseram que eu estaria morto”.

Mihigo pediu desculpas, mas foi condenado por traição e preso. Libertado quatro anos depois, ele descobriu que estava na lista negra como cantor. Em 2020, foi novamente preso quando tentava atravessar a fronteira com o Burundi e, quatro dias depois, foi encontrado morto numa esquadra da polícia.

O governo disse que Mihigo havia tirado a própria vida, mas poucos acreditaram. “Ele era um cristão muito forte que acreditava em Deus”, disse Ingabire, a política da oposição, que conheceu Mihigo na prisão. “Não posso acreditar que isso seja verdade.”

O cantor ruandês Kizito Mihigo em 2014.Crédito…Stephanie Aglietti/Agência France-Presse — Getty Images

O alcance do Sr. Kagame se estende por todo o mundo. Grupos de direitos humanos documentaram dezenas de casos de exilados ruandeses que foram intimidados, atacados ou assassinados por supostos agentes do Estado em pelo menos uma dúzia de países, incluindo Canadá, Austrália e África do Sul.

Khalfan, o ex-oficial de inteligência, disse que foi abordado em sua casa, em Ohio, em 2019, por um homem que identificou como um agente ruandês disfarçado. O homem tentou atraí-lo para Dubai – um estratagema semelhante ao que fez com que Paul Rusesabagina, um hoteleiro hutu cuja história apareceu no filme “Hotel Ruanda”, fosse induzido a regressar ao país em 2020.

Rusesabagina foi libertado da prisão no ano passado, após anos de pressão dos EUA. O episódio apenas ressaltou quão pouca resistência real Kagame enfrenta em casa. Mas uma preocupação mais imediata reside do outro lado da fronteira, no leste do Congo.

Lá, os Estados Unidos e as Nações Unidas acusaram publicamente o Ruanda de enviar tropas e mísseis em apoio ao M23, um notório grupo rebelde que varreu o território nos últimos meses, causando deslocamentos e sofrimento generalizados. O M23 é visto há muito tempo como uma força por procuração ruandesa no Congo, onde as tropas de Kagame foram acusadas de pilhar minerais raros e massacrar civis. Ruanda nega as acusações.

A crise esfriou as relações de Kagame com os Estados Unidos, seu maior doador estrangeiro, dizem autoridades americanas. Altos funcionários da administração Biden viajaram para o Ruanda, o Congo e, mais discretamente, a Tanzânia nos últimos meses, num esforço para evitar que a crise se transformasse numa guerra regional. Em Agosto, os Estados Unidos impuseram sanções a um alto comandante militar ruandês pelo seu papel no apoio ao M23.

Autoridades norte-americanas descreveram reuniões tensas, por vezes conflituosas, entre Kagame e altos responsáveis ​​norte-americanos, incluindo a administradora da USAID, Samantha Power, sobre o papel do Ruanda no leste do Congo.

Kagame negou muitas vezes que as tropas ruandesas estejam no Congo, mas pareceu admitir tacitamente o contrário numa entrevista recente à revista Jeune Afrique.

Ao justificar a sua presença, recorreu a uma lógica familiar: a de que estava a agir para evitar um segundo genocídio, desta vez contra a população étnica tutsi no leste do Congo.

Arafat Mugabo relatórios contribuídos.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *